Sou Aluno
Formações
Imersões
Eventos
Tools
Artigos
Sobre Nós
Para Empresas

Paridade de gênero: quanto tempo será necessário para alcançá-la de fato?

17ª edição do Global Gender Gap, relatório do Fórum Econômico Mundial, diz que será necessário 131 anos para atingir a paridade de gênero

Paridade de gênero: quanto tempo será necessário para alcançá-la de fato?

Empreendedorismo feminino (Foto: Pexels)

, jornalista

5 min

27 jun 2023

Atualizado: 27 jun 2023

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!

131 anos. Esse é o tempo que teremos de esperar para alcançar a paridade de gênero, segundo a 17ª edição do Global Gender Gap, relatório do Fórum Econômico Mundial.

Apesar de ser uma melhora quando comparada com os últimos relatórios que apontavam 136 e 131 anos, trata-se de uma desaceleração do crescimento. E, obviamente, não dá para esperar. É preciso acelerar as políticas públicas e privadas para que a equidade de gênero nas empresas aconteça antes de 2154.


Por que a equidade de gênero está estagnada?

Para Saadia Zahidi, diretora-gerente do WEF, muitos fatores atrasaram a igualdade de gênero nas empresas, como a interrupção da força de trabalho por causa de tecnologia e a estagnação de alguns setores que foram impactados com a pandemia. 

“Estamos começando a ver as coisas voltarem um pouco aos trilhos. Mas o que isso significa é que ainda perdemos uma geração inteira no caminho para a igualdade de gênero e, essencialmente, o progresso estagnou”, disse Zahidi à CNBC.

  • O relatório também apontou que as mulheres enfrentam globalmente maiores taxas de desemprego (4,5%) do que os homens (4,3%) 

Nenhum país alcançou a paridade total de gênero 

“De acordo com o Índice Global de Diferenças de Gênero de 2023, nenhum país alcançou a paridade total de gênero, embora os nove principais países fecharam, ao menos, 80% de suas lacunas”, diz o relatório.

  • Islândia, Noruega, Finlândia, Nova Zelândia, Suécia, Alemanha, Nicarágua, Namíbia e Lituânia fecharam pelo menos 80% das lacunas 
     
  • Pelo 14º ano consecutivo, a Islândia (91,2%) ocupa a primeira posição. Também continua a ser o único país a eliminar mais de 90% de sua disparidade de gênero
     
  • O Brasil, por sua vez, pulou da 94ª posição em 2022 para a de 57ª em 2023

Na escala de 0 a 1 usada pelo estudo, o índice brasileiro está com 0,726 ponto (1 significa nenhuma diferença entre homens e mulheres). Na edição passada, o país tinha 0,696 ponto.

Países europeus lideram em igualdade de gênero

“Muitas economias europeias adotaram medidas para permitir que os pais equilibrem trabalho e família, sejam eles mães ou pais”, analisa Zahidi. O estudo compara as diferenças de gênero em quatro áreas: participação econômica e oportunidade; realização educacional; saúde e sobrevivência; e empoderamento político.

Por que importa? 

Para mudar o cenário na Nova Economia, as empresas precisam criar políticas internas que vão ao encontro da paridade de gênero. Como, por exemplo, comitê de diversidade e inclusão de gênero, vagas afirmativas, flexibilidade, entre outros.

PAPO DE VIDEOCAST 

Neste episódio do Mulheres do Agora, Micheli Junco, co-fundadora e CTO da B2Mamy, sobre importância das comunidades nos negócios e o mercado tech. Assista:

Thumbnail do vídeo

Leitura recomendada 

Conheça os principais conceitos e ferramentas que auxiliam a liderança no processo de transformação organizacional voltado à inovação, diversidade e alcance de resultados exponenciais. Saiba mais aqui!

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Sabrina Bezerra é jornalista especializada em carreira e empreendedorismo. Tem experiência há mais de cinco anos em Nova Economia. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Leia o próximo artigo

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!