As 10 startups mais promissoras do mundo (qual vai ser o próximo Google?)

Avatar

Por Júlia Miozzo

19 de Maio de 2015 às 09:16 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

SÃO PAULO – A terceira edição da lista Disruptor 50, da CNBC, traz as startups mais revolucionárias da atualidade, passando pela indústria aeroespacial, serviços financeiros, cybersegurança e varejo.

Segundo o site, essas startups “identificaram nichos não explorados no mercado que têm potencial para se tornarem negócios bilionários, e se apressam para preenche-los” – e que deverão ser o próximo Google ou Facebook. Dentre as empresas listadas estão as já conhecidas Spotify, Airbnb e Dropbox.

Confira quais são as 10 mais promissoras startups do mundo:

1. Moderna Therapeutics
A empresa de biotecnologia utiliza o RNA mensageiro para instruir as células do corpo para criarem as proteínas e anticorpos para combater todos os tipos de doenças, de diabetes e doenças do coração até certos cânceres.

Já se matriculou no curso A CHAVE DO SUCESSO DAS STARTUPS? Ainda dá tempo. CLIQUE AQUI e garanta a sua vaga! 

Uma das principais vantagens é que a empresa já ultrapassou o estágio inicial das empresas de biotecnologia, que é fazer o mRNA focar em diversas doenças. Ela já possui 45 programas pré-clínicos em caminho para doenças cardiovasculares, oncologia e outras áreas.

2. SpaceX
Fundada em 2002 pelo CEO e cofundador da Tesla, montadora de carros elétricos, a empresa reabastece as missões da ISS (International Space Station) sob contrato com a NASA desde 2012.

Hoje, com um contrato de US$ 400 milhões e 3 mil funcionários, a empresa está no processo de refinar o avião Cargo para que, nos próximos 2 ou 3 anos, possa realizar também missões espaciais tripuladas. A real missão de Elon Musk, para o Cargo, é levar humanos a Marte.

3. Bloom Energy
O diferencial da Bloom Energy é converter células de combustível para converter gás natural em eletricidade e, então, utilizar essa fonte de energia em prédios comerciais, varejistas, centros de dados e outras localidades para consumidores.

Segundo a empresa, a meta é “levar a indústria para longe da energia centralizada para uma rede limpa, distribuída e mais confiável no futuro”.

4. Uber
Uma das startups mais polêmicas atualmente, a empresa já expandiu sua rede para 300 cidades em aproximadamente 60 países desde que foi fundada – além disso, neste ano a empresa alcançou o valor de US$ 50 bilhões.

A empresa, que oferece o serviço de caronas, está expandindo o serviço UberPool, uma iniciativa que permite que diversos passageiros vão para o mesmo lugar, se unam e dividam o custo

5. Airbnb
O site de casas compartilhadas já possui mais de 1 milhão de anúncios, ativa em 34 mil cidades em 190 países. Segundo a empresa, já foram alugadas 30 milhões de noites até então. Ele permite que as pessoas com quartos extras ou até mesmo um sofá aluguem para turistas que visitam sua cidade. A estimativa de receitas da empresa para este ano é de US$ 675 milhões, frente aos US$ 436 milhões obtidos no ano passado.

6. Dropbox
Fundada em 2007, a empresa oferece o serviço de compartilhamento de arquivos na nuvem, para que não tenham que ser salvos no computador e, assim, não ocupem sua memória. Ela conta com mais de 300 milhões de usuários no mundo inteiro, além de 4 milhões de negócios. Como empresa privada, a Dropbox já arrecadou mais de US$ 1 bilhão em financiamento.

7. Palantir Tech
Avaliada em mais de US$ 15 bilhões, a empresa vende softwares para o governo dos Estados Unidos e empresas de Wall Street para minar dados em massa de aplicativos estabelecidos para a inteligência e aplicação da lei. O software consegue transformar montes de dados em mapas, tabelas e outras formas de inteligência. Os engenheiros da Palantir conseguem, então, navegar nos dados de um cliente e aponta-los como potencial problema, seja terrorismo – ajudou inclusive a encontrar Osama Bin Laden -, fraude financeira ou tráfico humano. A Palantir não divulga dados financeiros, mas a renda de 2014 é estimada em US$ 450 milhões.

8. TransferWise
A empresa permite que os usuários façam transferências internacionais de dinheiro entre 292 localidades – com planos de adicionais mais 300 neste ano. Diferentemente dos grandes bancos, a TransferWise cobra uma taxa de 1% por transações menores que US$ 5 mil e 0,7% por transações maiores. A empresa afirma ser oito vezes menos cara que os bancos.

Desde que foi fundada, já foram transferidos US$ 4,5 bilhões no mundo todo. Em fevereiro, a empresa lançou seu serviço de transferência de moeda pela primeira vez nos Estados Unidos, de maneira que os americanos podem enviar dinheiro para outros países por menor custo.

9. Slack
Stewart Butterfield, cofundador e CEO da Slack, também foi o fundador do Flickr, antes deste ser vendido para o Yahoo. A Slack é uma plataforma que permite que as pessoas trabalhando em equipes compartilhem dados e informações facilmente, do dispositivo que quiserem. Assim, ele consolida, organiza e arquiva os dados que as equipes de trabalho utilizam no dia-a-dia. Desde que foi lançada, em fevereiro de 2014, a empresa já levantou US$ 180 milhões de investidores e já possui mais de 500 mil usuários diários.

10. Warby Parker
A Warby Parker surgiu da ideia de modernizar a indústria de óculos, controlada por algumas empresas muito grandes que, historicamente, mantiveram os preços para armações e lentes altos. A empresa, pensando nisso, vende óculos e óculos de sol inspirados em modelos vintage para o mundo todo através de seu site e 10 lojas móveis nos Estados Unidos.

O preço de cada óculos é US$ 95 o par, um preço relativamente baixo. A empresa também tem seu lado altruísta: todos os parceiros da empresa são fundações não lucrativas, como a VisionSpring, que garante que, a cada par de óculos vendido, outro é entregue a alguém que precisa.