Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


De prateleira infinita à experiência para os animais: conheça a primeira loja da Petlove

Empresa lança a primeira unidade física em Moema, bairro da zona sul de São Paulo, com a aposta no conceito phygital. Entenda!

De prateleira infinita à experiência para os animais: conheça a primeira loja da Petlove

(Foto: Rafael Renzo/divulgação Petlove)

, jornalista

7 min

18 jul 2022

Atualizado: 4 jan 2023

Por Sabrina Bezerra 

Depois de 23 anos sendo uma empresa totalmente digital, a Petlove — ecossistema pet — vai lançar, em 19 de julho, a primeira loja física, em Moema, bairro da zona sul de São Paulo.

A estratégia da empresa segue a tendência que está fazendo barulho no varejo, a de loja instagramável — da qual marcas como Havaianas, Lacoste e Sallve adotaram.

Cachorro tomando banho no espaço de banho e tosa da Petlove, em Moema, São Paulo (Foto: Rafael Renzo/divulgação Petlove)

COMO FUNCIONA A LOJA FÍSICA DA PETLOVE?

A loja conceito tem 415 metros quadrados e todo o projeto (estrutura, piso, cor, sortimento dos produtos e uniformes) foi pensado para oferecer uma boa experiência para os tutores e os pets.

“O conceito do novo espaço é baseado em oferecer aos pets e seus tutores uma experiência envolvente, acolhedora, aconchegante e amigável e, por isto, o projeto arquitetônico assinado pelo escritório carioca bebo segue um estilo de ‘loja boutique’”, diz a Petlove em nota.

O modelo traz estímulos sensoriais que, segundo a neurociência, “são importantes por causarem efeitos conscientes e inconscientes nas emoções dos consumidores”, disse nesta entrevista à StartSe Norberto Almeida de Andrade, especialista em neuromarketing e autor de livros sobre marketing e inovação.

O espaço, assim como funciona na concorrente Petz, por exemplo, conta serviços, como banho e tosa (localizados no primeiro andar) e atendimento veterinário, realizados no segundo andar. Ambos precisam de agendamento.

EXPERIÊNCIA IMERSIVA

Experiências diferentes também fazem parte do new retail. No caso da Petlove, o local tem o pet place, espaço de convivência para animais e humanos localizado no terraço do imóvel, onde os animais podem brincar.

“Esta área livre conta com um circuito para a diversão dos pets com piscina de bolinha, túneis, gangorra e rampa. O paisagismo assinado pelo EPP (Escritório Paulista de Paisagismo) traz árvores volantes que oferecem sombras e um jardim ao redor que acolhe com leveza os visitantes. O espaço é híbrido e pode ainda receber eventos como encontros e palestras”, diz a empresa.

A experiência, por sua vez, também vai ao encontro da neurociência. De acordo com Andrade, “projetar uma experiência física com o equilíbrio certo de segurança, emoção e conveniência é a chave para distinguir a marca da concorrência.”

PETLOVE PHYGITAL

Além disso, o espaço adotou o conceito phygital, “com a integração entre as compras presenciais e online com uma ‘prateleira infinita’”, diz a Petlove em nota.

Na prática, funciona assim: além dos produtos disponíveis no local, o cliente poderá escolher itens e serviços no catálogo online da Petlove. 

“Haverá ainda o serviço de retirada na loja, no qual o usuário pode fazer a compra pelo site ou app e buscar no locker localizado na frente da unidade. A aquisição de plano de saúde pet e de serviços da DogHero também poderá ser feita por lá”, conta a empresa pet.

“Apostando em tecnologia e na melhor experiência de compra para tutores, vamos ter especialistas em atendimento, que possuirão tablets e máquinas de cartão de crédito autônomas, fazendo com o pagamento possa ocorrer em qualquer lugar da loja, conta Talita Lacerda, CEO da Petlove. 

A forma de pagamento ágil — além dos tradicionais caixas — também está se tornando febre no varejo. Começou no exterior e está chegando no Brasil. C&A, Leroy Merlin e Renner são algumas varejistas que já adotaram caixa de pagamento de autoatendimento.

Não à toa. Em tempos de imediatismo, clientes optam por consumir de empresas que oferecem agilidade, e o caixa autônomo é uma das opções ágeis — e são os próprios consumidores que dizem: 85% acreditam que o self-checkout é mais rápido que a fila de atendimento convencional, segundo dados do “The State of Self-Checkout Experiences” de 2021.

POR QUE IMPORTA?

Como temos falado muito por aqui, o mercado pet está bom para bicho. Em 2021, por exemplo, faturou R$ 51,7 bilhões e deve ter um crescimento de 14%, segundo o Instituto Pet Brasil (IPB).

A Petlove sabe disso, mas também está de olho em novas inovações que possam fazer a marca crescer — e estar antenada às tendências do varejo é uma delas. 

Por exemplo, a empresa lançou a primeira loja física, mas por trás adotou os pilares que estão crescendo no varejo, como: loja conceito, agilidade no pagamento com o uso de tablets e máquinas de cartão de crédito autônomas e experiências

E o que você pode aprender com isso? Analisar o mercado e ficar de olho nas tendências para destacar o seu negócio.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo