Sobre Nós
Para Você
Para Empresas
Conteúdos

NOVO

Eventos
Comunidades
Tools
Parcerias

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Comunidades

Amplie seu networking, encontre parceiros de negócios e discuta as maiores tendências e inovações com a alta liderança do mercado


Por que esse novo movimento coloca em risco o marketing de influência?

À medida que a tendência de desinfluência ganha força, como marcas e profissionais de marketing devem lidar com o movimento? Entenda!

Por que esse novo movimento coloca em risco o marketing de influência?

Influenciadores digitais (Foto: franckreporter via Getty Images)

, jornalista

NaN min

4 abr 2023

Atualizado: 19 mai 2023

A moda agora é desinfluenciar. Se antes era comum você notar vídeos de influenciadores convencendo o público a comprar algo, agora um novo movimento chamado anti-influência começa a ganhar força e chacoalha o mercado de marketing de influenciadores: internautas gravam vídeos virais sobre produtos e serviços que não valem o preço que cobram.

O que é o movimento anti-influência?

O que está acontecendo: basicamente, o movimento anti-influência é desinfluenciar as pessoas. O comportamento foi notado nas redes sociais Instagram e TikTok, onde uma série de influenciadores estão dizendo aos fãs para não comprar algo e para resistir às tendências virais. Começou nos Estados Unidos e, agora, começa a ganhar força também no Brasil.

  • A hashtag desinfluencing tem mais de 452 milhões de visualizações apenas no TikTok

Por que desinfluenciar: essas pessoas explicam que a ideia é combater gastos extras e que não se sentem à vontade em contribuir para o consumo excessivo. 

Ou seja, a ideia por trás do movimento é que, tudo bem comprar produtos que realmente seja necessário para você, mas não deve sentir obrigação de consumir tudo o que é viral — estimulado pelo marketing de influência — nas redes sociais que, muitas vezes, não vale o preço cobrado.

Veja o que os dados mostram em relação ao consumo nas redes sociais:

  • O número de pessoas da Geração Z interessadas ​​em influenciadores caiu 12% desde 2020, e o número que observa o que os influenciadores vestem caiu 16% desde então, de acordo com dados da GWI. 

“Estamos vendo o comércio social passar por uma recessão pela primeira vez”, diz Chris Beer, analista da GWI.


Influencer, influenciadora digital

O movimento anti-influência pode acabar com o marketing de influência?

Não. Mas, muda a forma como o marketing de influência é tratado atualmente. Ou seja, tanto do ponto de vista de influenciadores como de marcas será necessário pensar em novas estratégias (entenda mais no próximo bloco).

No entanto, se o movimento desinfluenciar ganhar força sem planejamento dos profissionais e das empresas, pode sim colocar em xeque a economia de marketing de influenciadores que, só nos Estados Unidos, já ultrapassou a marca de US$ 16 bilhões, segundo a McKinsey.

Como lidar com o movimento anti-influência?

Neste caso, as marcas devem trabalhar com influenciadores que sejam muito específicos para o nicho de atuação, que tenham uma reputação boa e esteja realmente engajada em sua comunidade. Ou seja, contratar os creators 2.0.

Isso porque, essas pessoas “saem do modo influencer, que hoje é o de pensar apenas em ganhar mais seguidores e entra para o modo business em que você pensa no seu conteúdo como se fossem transações comerciais, se preocupando em construir um relacionamento com uma parte do seu público (sua comunidade)”, diz no relatório de tendências da Youpix Avi Gandhi, consultor de Creator Economy. Em outras palavras, só recomenda o que realmente faz sentido para a comunidade.

Por que importa?

Compreender as mudanças de comportamento do público é uma peça fundamental para o sucesso de qualquer estratégia de marketing. Empresas que conseguem analisar a mudança de comportamento das pessoas e, a partir disso, criar novas estratégias, têm mais chances de ter uma vantagem competitiva em relação aos concorrentes.

LEITURA RECOMENDADA

Quer entender mais sobre estratégias de marketing? E mais: ter acesso a uma série de ferramentas de Inteligência Artificial focadas em marketing? Baixe o app StartSe e tenha à mão o que você precisa para ir mais longe: Android ou iPhone.

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Sabrina Bezerra é jornalista especializada em carreira e empreendedorismo. Tem experiência há mais de cinco anos em Nova Economia. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Leia o próximo artigo