Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Diagnóstico de Carreira

NOVO

Se você quer saber como está seu desempenho diante de temas como cultura organizacional, liderança, ESG o diagnóstico é para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Empresa pode vigiar funcionário no home office?

Com crescimento do teletrabalho, cresce uso do bossware, software usado por empresas para monitorar as atividades de funcionários. Entenda como funciona!

Empresa pode vigiar funcionário no home office?

Cansado, triste, trabalho (Foto: pixelfit via Getty Images)

, jornalista

6 min

21 jul 2022

Atualizado: 3 jan 2023

Por Sabrina Bezerra

O bossware é um software usado por empresas para monitorar as atividades — câmera, microfone, movimento do mouse ou sites — de funcionários em home office e está movimentando o mercado de trabalho no mundo.

A adoção desse tipo de vigilância vem em um momento de crescimento do teletrabalho e modelo híbrido — impulsionado pela pandemia de Covid-19.

Nos Estados Unidos e Europa, 60% dos empregadores usam algum programa para fiscalizar funcionários, segundo a empresa Digital.com.

O objetivo é rastrear o tempo e a produtividade dos colaboradores no horário de trabalho, mas traz algumas questões como: o bossware coloca em risco a privacidade e a segurança dos profissionais? O que diz a lei brasileira? Conversamos com especialistas para entender. Confira:

A EMPRESA PODE MONITORAR DURANTE O HOME OFFICE?

No Brasil, o seu chefe pode observar você à distância, sim. Isso porque, o país não tem uma regulamentação específica tratando sobre o monitoramento do trabalho remoto dos funcionários.

Mas a empresa precisa ter cautela. “Quando extrapolados os limites (como exemplo: a obtenção de imagens do funcionário em ambiente doméstico, através do uso da câmera do notebook), o monitoramento pode ser considerado abusivo ou ilegal, especialmente se não houver a expressa autorização do funcionário”, afirmam Larissa Galimberti, sócia do Pinheiro Neto Advogados e Ana Paula de Almeida é associada do Pinheiro Neto Advogados em entrevista à StartSe.

Mulher mexendo no notebook durante o home office (Crédito: Foto de Vlada Karpovich no Pexels)

E A LGPD (LEI GERAL DA PROTEÇÃO DE DADOS) NESTE CASO?

Se o monitoramento envolver a coleta e o tratamento de dados pessoais do funcionário, as regras da LGPD serão aplicáveis.

“Devendo o empregador se preocupar em estar de acordo com os princípios da lei, tais como finalidade, adequação e necessidade [do monitoramento]”, contam as advogadas.

Segundo Paulo Perrotti, head de cybersecurity da LGPDSolution e professor de cibersegurança, é necessário que a empresa adote um programa de segurança da informação, informando o empregado sobre como os dados são coletados, tratados, armazenados e compartilhados.

“Caso o empregado tenha alguma dúvida, deve consultar imediatamente o Encarregado de Dados (toda empresa que coleta e trata dados precisa ter este profissional)”, diz ele.

Foto: Getty Images

EMPRESA OU CIBERATAQUE: COMO SABER SE ESTOU SENDO MONITORADO NO HOME OFFICE?

É muito difícil saber se está sendo ou não monitorado. “O melhor é atuar preventivamente, tal como estar sempre com o Firewall e Antivírus atualizados”, diz em entrevista à StartSe Paulo Perrotti, head de cybersecurity da LGPDSolution e professor de cibersegurança.

Entretanto, “há alguns indícios, que o usuário pode ficar atento: lentidão no equipamento, sistemas novos sendo instalados sem autorização e recebimento de mensagens sem consentimento”, completa Perrotti.

+ Por que cibersegurança é importante para a empresa


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo