Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


LinkedIn é a melhor rede para carreira; veja 7 dicas para transformar o seu

O LinkedIn é a maior rede social profissional do mundo; mas como dominar seu algoritmo? Entenda

LinkedIn é a melhor rede para carreira; veja 7 dicas para transformar o seu

(Foto: divulgação/LinkedIn)

, jornalista da StartSe

6 min

16 dez 2022

Atualizado: 23 jan 2023

Já entrou em um perfil no LinkedIn e encontrou a menção “o LinkedIn me ajudou a encontrar esse emprego”? A rede social é uma ferramenta poderosa para transformar carreiras – queira você encontrar um novo emprego ou apenas criar sua marca profissional. 

Mas, justamente por ser uma rede social, é necessário entender o algoritmo para obter os melhores resultados. Para isso, Tadeu Ferreira, Game Changer na StartSe, especialista em LinkedIn e CEO da consultoria de carreira Aprimorpha, nos trouxe 7 dicas importantíssimas.

1 - Como você é visto na rede? (Foto, página de fundo e bullet points)

O LinkedIn substituiu os cartões de visita. Agora, as pessoas se conhecem profissionalmente através de perfis, que contam com url, foto, página de fundo e bullet points.

Ele recomenda que a foto de perfil seja profissional e que ocupe ao menos 70% do espaço delimitado. A página de fundo também deve ser escolhida com cuidado, com algo que te represente.

“Um ponto que as pessoas costumam errar é na escolha dos bullet points. É importante descrever suas principais aptidões e não o cargo atual. O cargo pode ser descrito com mais detalhes na categoria ‘Experiência’”, recomenda Tadeu Ferreira.

2 - Como descrever seu cargo e trajetória no LinkedIn?

E é justamente o setor de “Experiência” do LinkedIn que mais se assemelha a um currículo convencional. Ali, o usuário descreve todas as suas experiências profissionais, marcando a empresa e o tempo de trabalho.

“Nós recomendamos a metodologia ‘PAR’. Além do cargo e tempo de permanência, é importante escrever: os Projetos, Problemas resolvidos, Ações e Resultados. E, ainda neste campo, é importante ter na descrição as palavras-chave do setor de trabalho, para que seu perfil possa ser encontrado e recomendado pelo algoritmo”, conta Ferreira.

Assim como nas redes sociais convencionais, é necessário treinar o algoritmo. Se uma pessoa trabalha com logística, por exemplo, seja no cargo ou na própria descrição do perfil, é importante colocar palavras-chave como: logística, suprimentos, CAPEX, portfólio, etc.

3 - De olho nas multinacionais: como criar um perfil bilíngue?

O LinkedIn oferece a opção de criar um perfil bilíngue, com opções em português e inglês. A ferramenta é importante principalmente para quem busca atingir multinacionais e/ou empresas com sede em outros países que não o Brasil.

Além disso, ter a diferenciação de idioma pode ajudar para que o usuário seja encontrado por headhunters, pessoas especializadas em buscar candidatos para novas contratações.

4 - Como ser visto no LinkedIn?

Publicar no LinkedIn facilita que você construa sua marca profissional (o famoso Personal Branding) ou até mesmo a marca empregadora da sua empresa. No entanto, como manter a constância e, assim como nas redes convencionais, receber curtidas, comentários e compartilhamentos?

Antes de publicar, é necessário interagir na linha do tempo. Compartilhe, comente e curta as publicações de suas conexões, pois o algoritmo percebe um maior nível de atividade na rede.

5 - O que você deve publicar no LinkedIn?

Depois é o momento de criar suas próprias publicações. “A publicação deve ter um título curto, de no máximo 40 caracteres, e um texto mais longo, de cerca de 1.900 caracteres”, explica o especialista. A rede social também permite o compartilhamento de fotos e vídeos, formatos que podem chamar atenção na linha do tempo.

Já sobre o conteúdo, a recomendação é de compartilhar experiências, trazendo um “how to” e dicas aos usuários.

“Após seguir essas dicas, evite publicar na segunda-feira; faça apenas se já possuir uma audiência construída. No início, os melhores horários para publicação costumam ser de terça-feira, das 7h às 8h30; 11h às 14h ou 17h às 18h. Mas, depois, é importante analisar a resposta do seu próprio público e criar um padrão de acordo com o seu próprio perfil”, afirma.

6 - Como criar relações no LinkedIn?

O LinkedIn é uma rede social baseada na conexão com os usuários. Mas o que importa mais: o número de conexões ou a qualidade delas?

Para Tadeu Ferreira, depende do objetivo. É interessante manter mais de 5 mil conexões na rede para ter uma boa visibilidade no algoritmo. No entanto, também é importante filtrar as conexões com base no mercado, função e geografia mais interessantes.

Além disso, o LinkedIn possui uma função pouco conhecida, mas que é muito útil: grupos. São fóruns que reúnem usuários com o mesmo objetivo. Ali, é possível trocar experiências e criar novas conexões.


7 - Como encontrar vagas de emprego no LinkedIn?

O LinkedIn é a maior rede profissional do mundo e hoje concentra mais de 850 milhões de usuários. São milhares de vagas cadastradas na rede e, muitas vezes, as próprias conexões profissionais podem ajudar em uma transição de carreira, por exemplo.

Devido a abundância de vagas disponíveis, é importante filtrar pelo cargo buscado, como “gerente”, por exemplo. “Nós recomendamos filtrar os anúncios pela data e filtrar pelas últimas 24 horas, para identificar as vagas mais recentes. E, após se candidatar, é importante ir além e olhar a empresa, buscar os recrutadores e pedir conexões com eles, por exemplo, para que você se destaque entre os candidatos”, afirma.

Além disso, para quem prefere ser freelancer, também é possível se cadastrar como “prestador de serviço” e também encontrar outros na rede.

Tadeu Ferreira é um aluno da StartSe University e Game Changer. Game Changers é a nossa Comunidade Global de Negócios para Empresários, Executivos e Decisores que fazem a diferença.  Venha fazer parte de um network criado para aqueles que, de fato, querem mudar o jogo! 


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero. Apresenta o podcast Agora em 10 na StartSe e também atua na área de Comunidades na empresa. É especialista em inovação, tecnologia e negócios.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo