Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Zuckerberg sai da lista dos 10 mais ricos do mundo e Facebook continua perdendo usuários: o que está acontecendo?

Nem o metaverso foi capaz de resgatar a Meta nesse último balanço financeiro

Zuckerberg sai da lista dos 10 mais ricos do mundo e Facebook continua perdendo usuários: o que está acontecendo?

, Jornalista

6 min

28 jul 2022

Atualizado: 4 jan 2023

Os tempos difíceis alertados por Mark Zuckerberg chegaram oficialmente à Meta. E nem toda a corrida em torno do metaverso, lançamento de óculos de realidade virtual e novos produtos foi suficiente para manter a companhia em crescimento. Pelo menos é o que aponta o balanço financeiro referente ao segundo trimestre de 2022.

A Meta registrou queda de 1% na receita da companhia, marco inédito para a empresa, indo de US$ 28,8 bilhões no trimestre encerrado em junho passado, ante US$ 29 bilhões do mesmo período de 2021. Além disso, as plataformas da companhia voltaram a registrar queda no número de usuários ativos por mês: 2,93 bilhões em relação aos 2,95 bilhões do primeiro trimestre anterior em 2022. Na comparação com o mesmo trimestre de 2021, o aumento foi de 1%.

Teve boa notícia? Sim, o número de usuários ativos por dia foi de 1,97 bilhão, alta de 3% comparado ao mesmo período em  2021 -- no primeiro trimestre deste ano, o Facebook tinha 1,96 bilhão.

"Foi bom ver uma trajetória positiva em nossas tendências de engajamento neste trimestre provenientes de produtos como Reels e nossos investimentos em IA", disse Mark Zuckerberg, fundador e CEO da Meta em comunicado. "Estamos colocando mais energia e foco em torno de nossas principais prioridades da empresa que abrem oportunidades de curto e longo prazo para a Meta e as pessoas e empresas que usam nossos serviços."

MAS O QUE ESTÁ ACONTECENDO, META?

Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook (foto: Getty)

A companhia, controladora do Facebook, Instagram e WhatsApp, viu uma quebra no roteiro de crescimento desde sua abertura de capital há 10 anos. Mais do que a situação econômica global, que vive uma desaceleração e coloca as startups em altos níveis de alerta, a Meta ainda sofreu com o aumento das legislações regulatórias e antitruste. Dessa forma, a receita com anúncios, principal forma de monetização das plataformas da empresa, deve seguir abaixo do esperado -- Junior Borneli, CEO da StartSe, explica melhor aqui.

Pior: as big techs enfrentam uma legislação em trâmite no Senado americano que pode mudar completamente as regras de ranqueamento no serviços de publicidade, como o Facebook Ads. 

+ Guerra dos dados: Facebook vai à briga com Apple e Google

A executiva Sheryl Sandberg, conhecida como o braço direito de Zuckerberg e que está de saída da empresa, alertou no balanço: “Esses continuam sendo tempos turbulentos para a economia global. Muitos dos fatores macro que afetam nossa receita são continuações de coisas que vimos nos trimestres anteriores, como o impacto contínuo da guerra na Ucrânia e a volta do comércio eletrônico após o pico da pandemia. Mas também há novos desafios com o aumento da inflação e a incerteza em torno de uma recessão iminente".

 

Veja também:

 

POR QUE IMPORTA?

Em tempos difíceis, as empresas precisam estar atentas e se reinventar. Mais do que nunca, é hora de pé no chão, sustentabilidade, resiliência e sobrevivência, seguindo os princípios das startups camelos

No caso da Meta, ela segue em guerra contra a tendência de privacidade de dados dos usuários. A ideia já começou a custar muito a empresa e deve pesar ainda mais se ela não entender que é preciso se adaptar aos novos tempos – quem já imaginou falar isso sobre o Facebook, não é? 


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista focada em empreendedorismo, inovação e tecnologia. É formada em Jornalismo pela PUC-PR e pós-graduada em Antropologia Cultural pela mesma instituição. Tem passagem pela redação da Gazeta do Povo e atuou em projetos de inovação e educação com clientes como Itaú, Totvs e Sebrae.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo