Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Renner pode comprar C&A: por que a varejista venderia a operação no país?

Existem rumores de que as empresas farão negócios nos próximos meses. Entenda a estratégia!

Renner pode comprar C&A: por que a varejista venderia a operação no país?

(Foto: Yuriko Nakao / Colaborador via Getty Images)

, jornalista

5 min

16 jan 2023

Atualizado: 17 jan 2023

A Renner está em negociação para comprar a operação da C&A no Brasil, segundo colunista do jornal O Globo. No entanto, para quem acompanha o mercado de varejo, a notícia não impressiona tanto.

Por quê? Isso porque, em 2020, a família Brenninkmeijer — controladora da C&A, sediada em Holanda — começou a estudar a venda da operação no Brasil. A empresa já se desfez das operações no México e na China. Ou seja, não seria uma surpresa acontecer o mesmo em terras tupiniquins, já que o varejo no Brasil enfrenta desafios devido à pandemia de e às incertezas econômicas: as vendas do varejo caíram 0,6% em novembro, segundo o último levantamento do IBGE.

Concorrência: um dos motivos que motivaria a C&A vender as operações no país poderia ser a concorrência das marcas que vêm crescendo no digital — e não apenas com as mais tradicionais, como a Renner.

O problema maior estaria, agora, na Shein, que tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil. A título de comparação, a Shein está avaliada em US$ 100 bilhões; já a C&A em cerca de R$ 750 milhões; e a Renner em R$ 20 bilhões na Bolsa.

Para você ter uma ideia, a Shein vem seguindo uma estratégia agressiva para crescer no país: forte presença no digital, aposta em lojas físicas itinerantes — com milhares de pessoas lotando o espaço. O que, sem dúvida, está pressionando a concorrência de outras marcas de fast fashion.


Por que a Renner compraria? Para expandir a presença no mercado e, consequentemente, aumentar a participação no varejo. A estratégia para sair à frente da Shein não seria atrair o público pelo baixo preço, seu diferencial estaria em torno de pautas como o ESG, que tem se mostrado cada vez mais critério de consumidores da Geração Z, além de também atrair possíveis investidores.

Além disso, a aquisição seria um movimento similar ao que aconteceu em 2020 com a Natura quando comprou a Avon e se tornou uma das maiores empresas de beleza do mundo. Mas não apenas. As fusões e aquisições estão se tornando cada vez mais comuns e estratégias para empresas alavancarem os resultados. A Renner, por sua vez, teria o desafio em integrar as empresas.

(Foto: Divulgação Lojas Renner)

Por que importa? 

Fazer a compra da operação do seu concorrente pode ser uma estratégia para diversificar o negócio, aumentar a cartela de clientes e dados. O cuidado: deve ser uma aquisição estratégica para evitar consequências negativas no futuro.

Leitura recomendada

Temas como esse já estão causando impacto nos NEGÓCIOS no mundo inteiro. Fusões e aquisições, precificação das operações, estratégias empresariais para abocanhar uma fatia maior do mercado e, com isso, valer mais, desenham o FUTURO ou o FIM das empresas. Os empresários, líderes e gestores mais preparados, conseguem transformar tudo isso em VANTAGEM COMPETITIVA. Se você quiser saber como eles fazem isso – e já ficar na frente do seu mercado quando outro CISNE NEGRO aparecer, VEJA AQUI COMO SE PREPARAR.

Banner XBA setembro 2022


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo