Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Por que as pessoas estão com medo de voltar ao trabalho presencial

A ansiedade causada pelo retorno ao ambiente de trabalho ganhou sigla e força no exterior. Saiba o que é e como lidar com o "Fear of Returning To the Office"

Por que as pessoas estão com medo de voltar ao trabalho presencial

Empresário trabalhando no notebook se sentindo preocupado (Foto: martin-dm via Getty Images)

, jornalista

9 min

12 jul 2022

Atualizado: 15 dez 2022

Por Sabrina Bezerra

Depois de cerca de dois anos — desde a chegada da pandemia de coronavírus —, você já estava se acostumando com o home office. Mudou hábitos, aprendeu a entregar as demandas de forma online, vendeu o carro e está morando no interior. Mas agora, um novo comunicado da empresa faz você sentir ansiedade e estresse: é preciso voltar para o escritório, seja no modelo híbrido ou totalmente presencial.

Esse medo que você está sentindo tem explicação. Especialistas afirmam que o cérebro humano não gosta de incertezas, e, por isso, provoca reações - no caso, o receio de voltar ao trabalho presencial. E você não é a única pessoa com esse sentimento (saiba mais abaixo). Para você ter uma noção, no exterior, ele ganhou até nome: FORTO.

O QUE É FORTO?

(Foto: Delmaine Donson via Getty Images)

É a sigla para “Fear of Returning To the Office”, que em português significa medo de voltar ao trabalho presencial, ou seja, ao escritório. Como consequência da síndrome, alguns sintomas podem surgir, como: batimento cardíaco acelerado, dificuldade para dormir, impaciência, entre outros.

“No entanto, a síndrome não tem aval científico, no sentido de ser classificada no DSM 5 (sigla para Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders ou Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais). Não tem CID. Não é algo oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde)”, diz Tais Targa, psicóloga e especialista em carreira.

Mas como surgiu? O nome vem do exterior, onde cresce o número de pessoas que sentem receio de voltar ao trabalho presencial. “No Brasil também há relatos de profissionais com medo e ansiedade absurda ao voltar ao ambiente corporativo”, conta Tais.

“A ansiedade se refere à perda de ‘parte das nossas habilidades sociais’, que ficaram ‘um pouco destreinadas’ com o longo tempo de isolamento”, afirma Flávia Andressa Farnocchi Marucci Dalpicolo, professora do Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, ao jornal da USP.

POR QUE AS PESSOAS TÊM MEDO DE VOLTAR AO TRABALHO PRESENCIAL?

As causas são as mais diversas, como: insegurança ao ter mais exposição aos riscos de contrair a Covid-19, novos hábitos adquiridos com o teletrabalho, medo do estresse durante o trajeto (já que para 21,6% dos trabalhadores, o tempo gasto no transporte é o maior desafio na volta ao trabalho presencial, segundo pesquisa feita pela corretora It'sSeg, entre outros.

Afinal, demorou para você se acostumar a uma rotina, fazer todas as entregas de maneira online, e daí quando você se acostuma, precisa mudar mais uma vez. “E para o ser humano, adquirir e perder costumes gera muita ansiedade porque você sabe que seus hábitos vão mudar totalmente. Você vai precisar mudar, de novo, o seu estilo de vida — e isso pode bloquear as pessoas”, diz Tais.

Além disso, entre as pessoas que estão com medo de voltar ao trabalho, estão as que têm outros transtornos, como síndrome do pânico, estresse pós-traumático, burnout. “Elas não querem retornar ao escritório porque não têm saúde mental para estar presencialmente. Junta um pouco dessa nova Síndrome de Forto com toda uma comorbidade”, afirma a especialista.

No entanto, tem também os trabalhadores que estão com a saúde mental em dia, mas não tem possibilidade real. “Seja porque mudou o filho de escola, ou desfez do carro, foi morar em um sítio. Nestes casos, como a pessoa voltaria à vida de antes? A vida de antes nem existe mais. A nova vida que criou não prevê o trabalho presencial”, conta Tais.

COMO VOLTAR AO TRABALHO PRESENCIAL?

O ideal é conversar com a liderança ou a área de recursos humanos para que você possa voltar aos poucos. “Dando tempo ao cérebro e ao corpo para se se acostumarem com a nova rotina”, diz Tais.

Depois, reveja os seus hábitos: “desde saber que horas vai acordar e dormir. É importante que acorde e tenha um tempo de qualidade de manhã e não faça tudo às pressas”, completa a especialista.

E vá, se exponha ao ambiente físico. Isso porque, “quando a gente se expõe a novos contextos nós vamos novamente desenvolvendo repertório para lidar com eles”, conta Flávia.

Outra dica é: “personalize o ambiente de trabalho. Coloque uma planta [que você goste] na sua mesa, ou se a empresa permitir, leve o seu pet”, diz Tais.

QUAIS PROFISSIONAIS NÃO QUEREM VOLTAR AO ESCRITÓRIO EM TEMPO INTEGRAL?

Segundo a pesquisa The Born Digital Effect, realizada pela Citrix Systems, 90% dos millennials e Geração Z não querem voltar ao escritório em tempo integral. Para 51% deles, o modelo ideal seria o híbrido.

Outra pesquisa feita com 2 mil funcionários do Reino Unido, encomendada pelo Institute of Workplace and Facilities Management (IWFM), mostra que 31% deles sentiram que a empresa estaria pressionando a retornar ao presencial.

Por ser algo novo, o futuro do trabalho ainda é incerto. As companhias ainda estão descobrindo qual seria o melhor modelo. Algumas apostam no teletrabalho, outras em presencial e híbrido.

+ Conheça a Formação de Liderança Exponencial StartSe. É recomendada para quem está buscando se atualizar rapidamente para tornar-se um novo tipo de liderança dentro das empresas: uma liderança estratégica, empática, ágil e inovadora.  


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo