Sobre NósPara Você
Para EmpresasConteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Eventos

Jornadas de conhecimento fomentando o aprendizado dinâmico e inovador em diversos formatos e intensidades

Ver todos

Ainda não temos eventos programados. Mas estamos preparando encontros repletos de inovação para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Artigos
Gestão de Pessoas

Cringe: será que a sua marca ficou para trás?

A sua marca está por dentro do termo? Se a resposta for não, deveria… E explicamos o porquê neste artigo.

Cringe: será que a sua marca ficou para trás?

(Foto: Jessica Peterson via Getty Images)

10 min

6 jul 2021

Atualizado: 30 nov 2022

As últimas semanas foram tomadas pela expressão cringe nas redes sociais. As buscas pelo termo no Google aumentaram 900% em uma semana. Mas o que isso tem a ver com  seu negócio? Tudo. O termo (explicamos com detalhes no tópico abaixo) é uma gíria usada pela Geração Z — nascidos entre o fim dos anos 1990 e o ano 2010 — e serve para classificar o que ela acha que se tornou cafona e ultrapassado da Geração Y, os conhecidos  millennials — nascidos entre o fim dos anos 1980 e o fim dos anos 1990. 

Isso significa que se o seu posicionamento estiver ultrapassado, pode ser hora de renová-lo. Mas calma. Antes, é preciso entender se vale a pena. Como? Conhecendo com profundidade o seu público-alvo e traçando as estratégias certas (confira abaixo).

O QUE É CRINGE?

A palavra cringe tem origem de um verbo inglês. “'To cringe is to shrink or recoil in embarrassment. Cringe que também se refere a: cultural cringe, the feeling of inferiority about one's own culture. Resumidamente, podemos definir com uma percepção de inferioridade em relação a sua própria cultura. […] Na internet, cringe virou gíria e se tornou um adjetivo usado em parte como expressão do que a Geração Z acha dos millennials”, diz Clara Franco, professora e consultora de marketing estratégico e posicionamento de negócios, em entrevista à StartSe.

POR QUE É IMPORTANTE PARA O NEGÓCIO ENTENDER SOBRE AS GERAÇÕES?

"As cinco gerações do pós-guerra, como Baby Boomers, X, Y, Z e Alpha foram cunhadas pela sociologia a partir do entendimento de seus valores, comportamentos e cultura”, diz Clara. Com isso, o estudo das gerações é importante para definir e traçar estratégias para a criação de conteúdo, produto e serviço. Quanto mais você conhecer o comportamento do seu público-alvo, maiores serão as chances de sucesso do negócio.

No mundo do marketing, por exemplo, estudiosos como "Kotler, Kartajayar e Setiawan descrevem a Geração Y como a transição do Marketing 3.0 (Human-Centric) para o Marketing 4.0 (moving to digital). Já a Z inicia em Marketing 4.0 e está moldando o Marketing 5.0 (Technology for Humanity). Sua sucessora, a Geração Alpha, os nascidos a partir de 2010, tem um comportamento ainda mais digital, vivendo o streaming em sua potencialidade máxima”, afirma Clara.

E o que seu negócio pode aprender com isso? Independente das gerações, elas buscam o mesmo sentimento nas marcas: a identificação. Por exemplo, “a Geração Y e Z se identificam com mudanças sociais e sustentabilidade, mas se diferenciam em exigências quanto a experiência do usuário e critérios de fidelização e identidades sociais”, diz a especialista. Por isso, cada marca deve "entender seu mercado, seu cliente e suas expectativas para alcançar um posicionamento coerente" e, consequentemente, atingir bons resultados.

MEU PRODUTO OU SERVIÇO VIROU CRINGE. E AGORA?

O seu produto ou serviço era para ser desejo de consumo e virou cringe? Se a resposta for sim, não se desespere. Em alguns casos, não é necessário reformular todo o serviço e item oferecido ao consumidor. O primeiro passo, segundo Clara, é entender se trata-se de um comportamento passageiro ou uma tendência e, até que ponto está relacionado com o público-alvo de sua empresa. “A marca pode ter a opção de se posicionar ou não. No entanto, é preciso analisar antes de tomar qualquer decisão para não correr o risco de arranhar a imagem e ou impactar negativamente os resultados.”

“Por outro lado, é preciso abraçar a experimentação, o fracasso e aprendizados na metodologia de marketing podem ser os heróis necessários para desbloquear o poder de insight e inovação.” 

COMO LIDAR COM AS MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR?

Estamos na era de tempos incertos em que tudo pode mudar de uma hora para outra. Não é diferente com produtos e serviços que foram criados para serem objetos de consumo e ficaram ultrapassados. A melhor forma de lidar com essas mudanças é colocando em prática novas estratégias. Ou seja, testando. E sai ganhando as empresas que fizerem com mais agilidade. “A capacidade de se mover rapidamente e se adaptar a climas complexos não é mais apenas uma vantagem competitiva, é essencial para a sobrevivência [do negócio]”, afirma Clara.

De acordo com a especialista, uma boa dica é criar submarcas para atender as expectativas dos cringers e dos não-cringers. Por exemplo, se a sua empresa oferece café da manhã, mas por meio de análise e estudos você descobriu que a Geração Z não toma, você pode criar outro produto ou serviço que substitua o café da manhã e que ofereça uma experiência de valor de acordo com a necessidade do público. Como? Convide-os para co-criar junto e faça uma análise de sentimento e menções em comentários nas redes dos próprios cringers e não-cringers. "Isso pode trazer resultados para ambos, tanto a empresa como para o consumidor.”

Acelere o resultado de suas vendas e marketing com a metodologia de crescimento de negócios mais usada pelas empresas do Vale do Silício. Conheça o Growth Program e domine conceitos avançados de como Atrair, Engajar, Converter e Fidelizar Clientes B2C ou B2B.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo