Sobre NósPara Você
Para EmpresasConteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Eventos

Jornadas de conhecimento fomentando o aprendizado dinâmico e inovador em diversos formatos e intensidades

Ver todos

Ainda não temos eventos programados. Mas estamos preparando encontros repletos de inovação para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Artigos
Gestão de Pessoas

Atraindo talentos: como usar o salário emocional a seu favor?

O salário emocional garante saúde no trabalho e caminha junto aos benefícios, salário e também com o senso de pertencimento e desenvolvimento

Atraindo talentos: como usar o salário emocional a seu favor?

7 min

24 mar 2022

Atualizado: 16 nov 2022

Por Camila Petry Feiler

Na hora da contratação, tanto a empresa quanto os candidatos carregam anseios que esperam cumprir com aquele encontro. Para além de uma recompensa financeira no final do mês, existe o desejo de pertencimento, inspiração, criatividade e a tranquilidade de se sentir acolhido dentro das suas individualidades. Ao alinhar o que a empresa pode entregar que é só dela aos sonhos e possibilidades do candidato, surge o salário emocional. 

O match é um caminho de mão dupla, não tem jeito: ter clareza do que cada um espera é parte fundamental no começo e a transparência ao longo do caminho vai fazer toda a diferença. Mas tem um trajeto, claro, para chegar até aí, que precisa ser construído dia a dia envolvendo colaboradores. E ele começa no entendimento do valor enquanto marca empregadora para chegar ao salário emocional. 

GERANDO VALOR ENQUANTO MARCA EMPREGADORA

O Employer Branding, que pode ser traduzido como marca do empregador, se trata de um conjunto de ferramentas para gerar uma percepção positiva do mercado a respeito da sua empresa como local de trabalho. Quem não quer trabalhar em uma empresa com o selo Great Place to Work, por exemplo? 

+ Employer Branding: como construir uma forte marca empregadora?

“Dentro dele, está o Employee Value Proposition (EVP), que concentra tudo que a empresa unicamente é - sua cultura, ambiente, seu pacote de benefícios, seus rituais e tudo que ela tem e que mostra o que ela vive no dia a dia”, explica Maiara Nakamura, head de Talent Aquisition da PicPay, já tendo ocupado cadeiras de gestão em áreas de Recrutamento & Seleção e Pessoas nos últimos 10 anos. 

É exatamente o EVP que vai possibilitar contratar e reter os melhores talentos do mercado, porque vai mostrar ao candidato em questão tudo que a empresa pode entregar. E ele vai buscar esse pacote de acordo com o estilo de vida e o momento de carreira dele - as demandas podem mudar ao longo da trajetória. Em um momento pode ser o plano de saúde um benefício importante porque ele tem dependentes, mas em outros momentos pode ser a liberdade de horários flexíveis e home office para conseguir viajar. E esse é o início do salário emocional. 

O QUE É SALÁRIO EMOCIONAL?

google trabalho

Ao investir um terço das nossas vidas dedicadas ao trabalho, é importante pensar no que ele nos oferece além do ganho econômico, não? O salário emocional vem para fortalecer isso dentro das organizações, entregando um conjunto de fatores e benefícios que garantem saúde no trabalho. 

Algumas demandas mudam com o tempo e empresa e funcionário podem ir alinhando expectativas, reivindicando o que falta para manter a qualidade no dia a dia da organização. Mas Maiara explica que em geral existem alguns fatores comuns:

  • ter um ambiente colaborativo;
  • ter senso de pertencimento àquela cultura;
  • poder exercer a sua autonomia, a sua criatividade;
  • ter uma pessoa que esteja te liderando que te inspire, que te faça desenvolver;
  • entender como está o plano de carreira daquela empresa e se faz sentido com as coisas que eu acredito;
  • existe apoio da minha liderança para eu entender como é minha trajetória aqui dentro?

POR QUE IMPORTA?

Quando o funcionário percebe que a empresa se preocupa de forma genuína com ele enquanto ser humano, ele tende a se sentir mais motivado e reconhecido. Maiara afirma que em um momento de mudanças e acelerações como o que vivemos, é preciso ter essa segurança emocional para garantir saúde mental.

“Acho que com a pandemia, com esse momento onde todo mundo sente que a todo momento tem uma tecnologia nova surgindo, uma função nova, você tem que ser cross, tem que ter novas habilidades, habilidades do futuro, a gente precisa estar num lugar que a gente se sinta bem, se sinta pertencente, veja o desenvolvimento, saiba o que esperam de você, as expectativas - porque todo mundo realmente quer fazer um bom trabalho. Então essa transparência dentro das relações é muito importante também. E tudo isso vem com a cultura.”

+ Como construir uma cultura coerente na sua empresa?

Para Maiara, isso envolve um forte trabalho de liderança e de construção de time. Ela elenca como caso de sucesso aquele que “o time conseguiu se conectar, trazer vulnerabilidades, criar um ambiente seguro, questionar como consegue melhorar e como trabalhar melhor. Assim as pessoas sabem que elas podem ser ouvidas e que ali é um ambiente seguro onde elas podem falar.”

POR ONDE COMEÇAR?

Não tem como negar: “a gente está em um guerra de talentos, então é preciso evidenciar qual é o nosso salário emocional”. Entretanto, antes de trazer para o discurso, a especialista orienta ter tudo bem estruturado internamente. Maiara traz algumas questões que ajudam a refletir:

  • Como me comporto como marca empregadora dentro e fora da empresa?
  • O que é único dentro da minha cultura?
  • O que compõe meu EVP?
  • O que acontece de forma orgânica internamente?
  • Tenho o mesmo tom de voz que quero comunicar para o mercado?
  • Estou coerente com as minhas ações e práticas?

Com essas informações em mãos, é preciso organização e mapeamento. Assim você cria um MVP e vai medindo e melhorando ao longo do tempo, entendo o que está funcionando ou não na estrutura da empresa.

No fim, Maiara enxerga o salário emocional como a base para começar a pensar a mudança nas organizações. “E quando eu falo de mudança, é mudança de mentalidade, é você trazer diversidade, é você trazer inclusão, porque isso também é uma parte do salário emocional. Estar em um ambiente onde você é aceito e incluído é extremamente importante. E para chegar nesse grau de maturidade enquanto organização, é preciso muito estudo, sensibilização, planejamento e estratégia.” E claro: que as práticas façam parte da cultura organizacional mantendo a constância.

Banner newsletter StartSe


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista focada em empreendedorismo, inovação e tecnologia. É formada em Jornalismo pela PUC-PR e pós-graduada em Antropologia Cultural pela mesma instituição. Tem passagem pela redação da Gazeta do Povo e atuou em projetos de inovação e educação com clientes como Itaú, Totvs e Sebrae.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo