Samsung compra provedora de rede para focar na expansão de 5G nos EUA

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

13 de janeiro de 2020 às 15:54 - Atualizado há 9 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Samsung anunciou, nesta segunda-feira (13), a aquisição da provedora de serviços de rede TeleWorld Solutions (TWS). Com sede no estado norte-americano da Virgínia, a empresa realiza consultoria, design, dimensionamento, teste, otimização e implantação de tecnologias sem fio. 

“A aquisição da TWS nos permitirá atender às crescentes necessidades das operadoras móveis de melhorar suas redes 4G e 5G e, eventualmente, criar novas oportunidades para aprimorar nossos recursos de serviço para nossos clientes”, disse Paul Kyung Hoon Chun, vice-presidente executivo e chefe de negócios redes da Samsung, em um comunicado. “Continuaremos impulsionando a inovação em tecnologia de comunicações, fornecendo serviços de otimização para implantações de rede que aceleram a expansão do 5G nos EUA”.

Com a compra, a TeleWorld Solutions atuará como uma subsidiária da Samsung. De acordo com o comunicado, as empresas trabalharão juntas para atender a uma variedade de demandas, colaborando com as principais operadoras de rede dos Estados Unidos.

“O advento do 5G e a quantidade de novos espectros que entram no mercado dos EUA exigem escala e inovação para a próxima geração de tecnologias sem fio. A união de forças com a Samsung acelerará a inovação para ajudar nossos clientes a atender às suas necessidades de estratégia, implantação e automação de rede”, afirmou Shervin Gerami, CEO da TeleWorld Solutions.

5G no Brasil

Enquanto a disputa pela tecnologia 5G continua acirrada entre Estados Unidos e China, o governo brasileiro anunciou que vai adiar o leilão do 5G que deveria acontecer em março deste ano. Segundo o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, a tecnologia deve chegar ao Brasil somente 2022.