Estados Unidos recebe primeira eleição feita em dispositivos móveis

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

23 de janeiro de 2020 às 14:48 - Atualizado há 10 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Eleitores de King County, condado que abriga Seattle, nos Estados Unidos, poderão participar de uma eleição pelo smartphone. Essa é a primeira vez que uma cidade adota dispositivos móveis para votação. Os habitantes poderão usar seus celulares para eleger o novo Conselho de supervisores da região. As eleições acontecem anualmente durante o primeiro trimestre do ano.

A plataforma foi desenvolvida pela organização Tusk Philanthropies em parceria com a empresa de tecnologia Democracy Live. “Hoje, estamos anunciando que todos os 2,1 milhões de moradores de King County poderão votar em uma eleição local por celular”, disse Bradley Tusk, fundador da Tusk Philanthropies, em sua conta do Twitter. “Este é o maior teste de votação móvel de todos os tempos e a maior inovação em democracia em décadas”.

Para aqueles que querem experimentar a nova tecnologia, é preciso se cadastrar em uma plataforma com dados como nome, sobrenome e data de nascimento. Em seguida, basta escolher o candidato e confirmar o voto. Além da votação online, os eleitores também podem depositar suas cédulas em caixas eleitorais pessoalmente.

Em entrevista ao portal NPR, Tusk afirmou que a iniciativa foi criada, principalmente, para engajar os eleitores. Nos últimos anos, a votação para o conselho, que não é obrigatória, atraiu menos de 1% da população elegível para as urnas. “Se você pode usar a tecnologia para aumentar exponencialmente a participação, isso determinará como os políticos se comprometam em todas as questões”, disse.