Em Davos, CEOs defendem novo tipo de capitalismo: o stakeholder

João Ortega

Por João Ortega

24 de janeiro de 2020 às 09:28 - Atualizado há 4 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Um painel no Forum Econômico Mundial, que acontece nesta semana em Davos, na Suiça, reuniu CEOs de grandes empresas interessados em reformular o capitalismo como é praticado hoje. A ideia é promover globalmente o “capitalismo stakeholder”, que preza pelos interesses de toda a comunidade impactada, direta ou indiretamente, pelas práticas de uma determinada empresa. As informações são da Época Negócios.

O capitalismo stakeholder visa atender interesses de executivos, acionistas, funcionários, clientes, comunidades locais, outras empresas do mesmo ecossistema ou cadeia produtiva, o meio ambiente. Hoje, o modelo mais comum é o “capitalismo shareholder”, cuja prioridade máxima é o lucro para os acionistas.

Participaram do painel: Ginni Rometty, CEO da IBM; Marc Benioff, da Salesforce; Feike Sybesma, da DSM; Brian Moynihan, do Bank of America; e Jim Snabe, da Siemens. Todos os presentes concordaram que o sistema atual é insustentável e “só trouxe desigualdade e crise climática”, segundo Benioff. “A Terra é nosso maior stakeholder”, disse.

De acordo com Rometty, a mudança de paradigma é do interesse das empresas e até dos acionistas. “Não é interessante para ninguém um futuro digital que não seja inclusivo”, diz. “(Capitalismo stakeholder) não é altruísmo, não é caridade. É uma boa decisão comercial”.

Para Sybesma, o desenvolvimento da economia fez com que as pessoas se esquecessem do propósito do sistema. “Nós servimos ao modelo econômico ou o modelo econômico serve a nós?”, questiona. “Perdemos o rumo. E ninguém irá ter sucesso em um mundo que está ruindo”.