Nação de startups: por que investidores estão de olho em Israel?

StartSe

Por StartSe

28 de janeiro de 2021 às 15:33 - Atualizado há 1 mês

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

2020 foi um ano de grandes recordes para startups de Israel. Essas empresas levantaram US$ 9,9 bilhões em investimentos (superando o Brasil!). Elas também se lançaram ao mercado: foram realizadas 19 aberturas de capitais (oferta inicial de ações) no ano.

Apelidada de “Startup Nation”, a “nação das startups“, Israel tem atraído cada vez mais a atenção de investidores. De acordo com o TechCrunch, Daniel Cohen, investidor da Viola Ventures, acredita que essa é a região mais inflamada na construção de novos unicórnios hoje.

Embora startups de mobilidade — como o Waze e Moovit, que foram criadas no local — tenham ganho usuários em todo o mundo, o setor que tem se destacado ultimamente é o de cibersegurança. O maior investimento recebido no ano foi da SentinelOne, startup de segurança de informação, no valor de US$ 467 milhões.

Agora, a questão que fica é: o que Israel difere dos outros ecossistemas, a exemplo da China e do Vale do Silício? O que mudou na visão dos investidores e do mercado? Quais são as inovações que estão nascendo no local hoje?

Confira na análise de Piero Franceschi e Junior Borneli, da StartSe: