Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Loft recebe investimento de US$ 425 milhões e se torna a maior proptech da América Latina

A empresa foi avaliada em US$ 2,2 bilhões e se torna duplo unicórnio. O que isso significa para a startup?

Loft recebe investimento de US$ 425 milhões e se torna a maior proptech da América Latina

, jornalista

9 min

23 mar 2021

Atualizado: 4 jan 2023

Por Sabrina Bezerra

A Loft, plataforma digital que usa a tecnologia para simplificar a venda e compra de imóveis, recebeu um novo aporte de US$ 425 milhões numa rodada série D, que a avaliou em US$ 2,2 bilhões. O investimento a torna a maior proptech — startup do mercado imobiliário — da América Latina

“Com essa rodada, a gente coloca o ecossistema de tech no Brasil cada vez mais no mapa mundial”, diz Mate Pencz, cofundador e CEO da Loft, em entrevista à StartSe. Segundo o executivo, os investidores enxergaram que a proposta “ponta a ponta de marketplace da Loft é uma solução que o mercado deseja”.

O investimento foi liderado pelo fundo norte-americano D1 capital — que já investiu em empresas como Robinhood e SpaceX.  O aporte também contou com a participação dos investidores globais Advent International, Altimeter Capital, Canada Pension Plan Investment Board, DST Global, Emerging Variant/Soros, Silver Lake, Tarsadia Capital e Tiger Global. Também participaram da rodada investidores existentes, incluindo Andreessen Horowitz, Caffeinated Capital, Fifth Wall Ventures, Monashees, QED Investors, Vulcan Capital e Zigg Capital.

Segundo Pencz, com a chegada da covid-19, muitas pessoas perceberam que é possível fazer transações de forma 100% digital. E essa tendência atraiu o olhar dos investidores de peso. Além disso, ter superado o resultado previsto em 2020 também chamou atenção do mercado. 

Os fundadores da empresa permanecem com cerca de 40% do capital — mantendo o controle sobre ela — e os investidores, em torno de 15%. 

 

Mate Pencz e Florian Hagenbuch, fundadores da Loft

PLANOS DE IPO

Quando o assunto é IPO (Oferta Inicial de Ações), Pencz afirma que não tem pressa. Mas destaca que a maior parte dos investidores dessa rodada têm o “crivo em investir em empresas de capital aberto”. Portanto, a decisão será avaliada nos próximos semestres e anos. "Mas não tem uma data específica”, afirma. 

“A minha ambição sempre foi criar uma empresa com capital aberto. Acho que, se a Loft concretizar a visão dela de continuar sendo a maior plataforma da região, seria muito gratificante fazer o IPO acontecer”, diz Pencz. 

O cofundador conta que a empresa ainda tem parte do aporte da Série C — feito em janeiro do ano passado, que a deu o título de unicórnio (valuation de US$ 1 bilhão). 

OBJETIVOS 

O executivo conta que não haverá nada de muito novo. “Vamos continuar fazendo mais do mesmo”, afirma. A ideia é ampliar o portfólio: quintuplicar a oferta de apartamentos em bairros onde opera (São Paulo e Rio de Janeiro) e continuar investindo em tecnologia. Num segundo momento, a expansão acontecerá em outras cidades, mas nenhuma, por enquanto, está na mira da empresa. 

Pencz também diz que não há planos — ao menos neste momento — para fazer novas aquisições (a Loft já comprou empresas como: Decorati, Spry, Nomah e Invest Mais). “Mas arrisco a dizer que se não for este ano, no próximo a gente vai ter mais aquisições”, diz Pencz.

Escritório da Loft (foto: divulgação/Loft)

LOFT

Foi em 2018, em São Paulo, que a história da Loft começou. Quando os empreendedores Florian Hagenbuch e Mate Pencz, tinham um objetivo em comum: trazer a experiência de compra e venda de imóveis para o mundo digital. Conseguiram com a ajuda de importantes investidores globais. Não à toa a empresa se tornou o primeiro unicórnio brasileiro do ano passado.

Hoje, a companhia tem cerca de 15 mil apartamentos ativos à venda em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os imóveis estão distribuídos em cerca de 130 bairros nas duas cidades. Além disso, o unicórnio tem 30 mil corretores parceiros e gera cerca de 18 mil oportunidades de trabalho e renda — diretos e indiretos — na construção civil.

COMO FUNCIONA 

A empresa oferece serviços de compra e venda de apartamentos. Na plataforma, é possível buscar opções de imóveis, visitar de forma online e presencial (a segunda opção precisa de agendamento), assinar documentos e emitir a escritura de forma virtual. Segundo a companhia, cerca de 97% dos contratos assinados na plataforma são feitos online. 

Já a precificação dos imóveis funciona por meio de algoritmos: a tecnologia se baseia nos valores de compra e venda dos apartamentos registrados em documentos públicos, como as escrituras registradas em cartório, por exemplo. Os usuários não pagam pela precificação. “Como também somos compradores, oferecemos de forma gratuita a todos a solução de precificação de apartamentos que usamos todos os dias, para fazer negócios nas duas pontas”, afirma Mate Pencz, fundador e co-CEO da Loft, em nota. 

PROPTECHS

Mesmo em meio à pandemia, as construtechs e as proptechs (empresas de tecnologia voltadas para os setores de construção civil e imobiliária) apresentaram crescimento no último ano. Segundo o Mapa de Construtechs e Proptechs realizado pela Terracotta Ventures, gestora de investimentos em empresas de tecnologia, o setor cresceu 23% em 2020 em comparação com 2019.

No acumulado dos últimos quatro anos, houve aumento de 180% no número de startups do setor. Os principais polos no segmento estão em São Paulo (293); Santa Catarina (83) e Paraná (63). 


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo