Como a Loft utiliza dados para trazer mais precisão ao mercado imobiliário

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

14 de fevereiro de 2020 às 18:18 - Atualizado há 9 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Os dados têm se tornado uma ferramenta poderosa para combater problemas do mercado imobilíario, como a baixa liquidez, dificuldade na precificação e as longas transações. É por esse motivo que a análise de dados é um dos principais investimentos da Loft, startup brasileira de compra, reforma e venda de imóveis que se tornou o mais recente unicórnio.

Atualmente, a startup possui cerca de 1,5 milhão de visitantes únicos em seu site, em busca de imóveis. A companhia passou a utilizar os acessos para trazer mais inteligência aos seus negócios. “Conseguimos entender como está a demanda por um determinado perfil de imóvel, em um determinado bairro, apenas olhando a nossa plataforma”, conta João Vianna, cofundador da Loft, em uma entrevista exclusiva à StartSe. Ele foi um dos palestrantes na ConstruTech Conference que aconteceu nesta quarta-feira (12).

Além dos acessos no site e aplicativo, a construtech também conta com base de dados do poder público, imobiliárias, incorporadoras, entre outras. A Loft passou a disponibilizá-los em duas diferentes plataformas: um aplicativo para vendedores e outro para os compradores. As plataformas são gratuitas. “Percebemos que os corretores, compradores e vendedores não conseguiam acesso a uma base confiável para a decisão na precificação dos imóveis”, explicou Vianna.

Aprenda como conduzir sua empresa diante das mudanças do mercado imobiliário

A Loft defende que a transparência no mercado pode trazer um aumento de compras e vendas, impactando positivamente na liquidez no setor. Atualmente, a startup possui a precisão de identificar a diferença de preços de apartamentos do mesmo prédio de acordo com o andar — algo que antes era predominantemente analisado pelo achismo.

A importância crescente da análise de dados os tornou um “produto interno” dentro da companhia. A Loft não os vende para terceiros, mas os utiliza como um combustível. A construtech opera no modelo “iBuyer”, em que identifica o potencial de imóveis à venda, compra, os reforma e revende.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

O iBuyer é uma tendência que está trazendo mais liquidez ao setor imobiliário. Neste modelo de negócios, as startups compram imóveis, reformam e os colocam de volta no mercado. Elas utilizam tecnologias como análise de dados e inteligência artificial para identificar as melhores ofertas. De um lado, as empresas ganham com a valorização do imóvel e possuem departamentos preparados para lidar com os documentos, reformas e outras burocracias. Do outro lado, o fato de não terem que lidar com reformas permite que os vendedores economizem tempo e dinheiro, além da possibilidade de terem seus imóveis vendidos mais rapidamente. De acordo com a Loft, negócios que levam entorno de 16 meses para serem fechados podem ser feitos em 2 semanas. Essa é a solução oferecida pela Loft, o mais recente unicórnio brasileiro, mas tem conquistado também players mais maduros no mercado, como o grupo ZAP. Ambas estiveram no ConstruTech Conference da StartSe nesta quarta-feira (12). ⠀ Fonte: Loft / Grupo ZAP

Uma publicação compartilhada por StartSe (@startseoficial) em

Desde que foi criada, em 2018, a Loft levantou US$ 100 milhões em capital de investidores como Andreessen Horowitz, Monashees, Fifth Wall, Thrive Capital, Valor, entre outros. Além de João Vianna, a companhia foi cofundada por Florian Hagenbuch e Mate Pencz, empreendedores que fundaram a Printi e sócios do fundo Canary.

Quer aprender mais sobre as mudanças neste mercado? Conheça o curso Gestão Inovadora para Imobiliárias e Incorporadoras.