Fábricas de software crescem no país e aceleram investimentos de grandes empresas em TI

StartSe

Por StartSe

16 de dezembro de 2020 às 17:40 - Atualizado há 1 mês

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Com o avanço da pandemia do novo coronavírus e a mudança no padrão de consumo dos clientes, nunca as empresas investiram tanto em tecnologia como agora.

A prova disso é o mais recente levantamento feito pela ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) em parceria com a IDC, que destacou uma projeção de crescimento de mais de 10% para o mercado de desenvolvimento de software no Brasil em 2021.

É claro que todo esse avanço tem impactado profundamente o mercado nacional de tecnologia. Mas de que forma? Como as empresas que estão na outra ponta desse negócio, ou seja as fábricas de software, estão lidando com a alta procura? E o que esperar para os próximos anos?

É o que você vai descobrir agora.

Fábricas de software na liderança

Protagonistas desse crescimento, as fábricas de software viram sua demanda por apps e sistemas de gestão mais que dobrarem nos últimos meses.

Isso porque, devido à quarentena e às medidas de isolamento social, as empresas estão apostando cada vez mais na contratação de profissionais de TI e na modernização da sua estrutura digital. O objetivo é atrair os consumidores para as lojas, agora virtuais.

Tanto investimento assim tem um motivo. É que de acordo com a líder global de análises móveis, App Annie, só no segundo semestre de 2020, as pessoas gastaram mais de 200 bilhões de horas em aplicativos mobile.

O Brasil, que registrou um aumento de 20%, ficou atrás apenas da Índia na lista de países que lideram esse ranking. Ou seja, se antes o investimento em TI era tido como um complemento das frentes de negócio, agora as empresas brasileiras veem isso como parte-chave das ações de crescimento.

Esse novo padrão de consumo tem causado uma intensa corrida rumo à Transformação Digital por parte das empresas brasileiras, que enxergam nas fábricas de software uma alternativa mais rápida e prática de lidar com a falta de profissionais de TI especializados no mercado.

 

Empresas cada vez mais exigentes

De olho nas tendências de tecnologia, as empresas brasileiras têm concentrado seus esforços (e investimentos) em tecnologias e funcionalidades cada vez mais específicas.

Na prática, isso quer dizer que as empresas que contratam uma fábrica de software hoje querem oferecer aos seus clientes muito mais que um aplicativo funcional. Elas querem entregar uma experiência de uso totalmente imersiva que integre o usuário à solução digital de um jeito personalizado e inovador.

Outro ponto que chama a atenção nessa relação é a segurança dos dados pessoais dos usuários. Com a LGPD em vigor, as empresas passaram a se preocupar muito mais com as informações pessoais dos seus clientes.

Resultado? Um boom nas solicitações de privacidade, que inclui desde a reformulação dos termos de contrato à divulgação das informações dessas pessoas para empresas terceiras.

 

Conversamos com o CEO da X-Apps

Para entender de perto como esse crescimento tem impactado o mercado das fábricas de software, conversamos com o CEO da X-Apps, Mikael Malanski. A X-Apps é referência em desenvolvimento de aplicativos e sistemas no Brasil.

Ela desenvolve para grandes players do mercado como BMW, Roche e Polishop.

Parceira da StartSe, a empresa já participou de diversos eventos nossos, incluindo o primeiro Silicon Valley Web Conference, que ocorreu durante o mês de outubro deste ano.

Mikael, como vocês têm recebido esse aumento na demanda de profissionais de TI?

 Mikael: É um movimento natural do mercado, que vai se intensificar ainda mais nos próximos anos. O consumidor está cada vez mais exigente e, em tecnologia, temos cada vez mais opções e possibilidades, o que faz com que as empresas busquem de forma crescente profissionais de TI com proficiência em tecnologias específicas no mercado e que são cada vez mais raros.

 Como a demanda é grande e a oferta é insuficiente, essa procura tem se voltado para as fábricas de software, que entregam isso e ainda oferecem maior valor agregado.

 

Então você acredita que é um movimento natural, já que as grandes empresas querem se reinventar em relação ao que já está sendo desenvolvido por aí?

Mikael: Sim, essa reinvenção precisa ser constante para a empresa manter-se à frente e competitiva. Se não fizer, uma startup vai fazer no seu lugar. Entender esse movimento é crucial para as empresas e não é algo de uma vez só, precisa ser contínuo, precisa fazer parte da cultura.

 Somos uma empresa de DEVs, temos isso em nosso sangue e sempre buscamos aprender para executar essa estratégia. Tivemos de contratar mais DEVs, principalmente aqueles especializados nas tecnologias mais procuradas como React, React Native e Flutter. Essas são tecnologias de front-end, ou seja, são usadas no ponto de contato entre os usuários e seu negócio digital. É algo que todas as empresas estão buscando.

 Inclusive, estamos testando com alguns clientes selecionados nossa plataforma que vai revolucionar a contratação de desenvolvedores no país. As empresas basicamente vão poder contratar DEVs de nível pleno e sênior e montar seus squads de especialistas em questão de minutos.

 É um produto focado para as empresas que já tem um alto nível de maturidade em desenvolvimento e que precisam escalar seus times de forma rápida, dinâmica e principalmente com a maior qualidade. A velocidade e a dinâmica conseguimos resolver através da tecnologia e a qualidade nós garantimos através de um time técnico selecionado a dedo, que já passou por projetos desafiadores aqui dentro.

 

Interessante. Pode ter certeza que iremos ficar de olho nessa novidade. Aproveitando que você falou da reinvenção de grandes empresas frente a essa mudança no perfil de usuário, você pode citar exemplos do que vocês já fizeram?

 Mikael: Claro! Posso citar o exemplo da BMW. Recentemente, criamos o Riders, um app diferente de tudo o que a empresa já criou. Quando a BMW Brasil conversou com a gente, eles foram muito categóricos em relação à experiência que queriam passar para os seus usuários.

A ideia era fazer justamente com que tanto os clientes quanto os apaixonados pela marca tivessem uma experiência de uso imersiva que fosse capaz de integrá-los a esse aplicativo de maneira muito natural.

Desde a concepção desse projeto, levamos essa missão muito a sério. Tanto que, para manter o usuário engajado no aplicativo, nos baseamos no conceito de gamificação por meio de um sistema de pontuação, que é ativado a cada uso.

Com o Riders, os usuários podem ter acesso às notícias da BMW, saber quando vão ocorrer os próximos eventos da empresa e descobrir, inclusive, por meio da geolocalização, pontos turísticos nas redondezas que eles podem conhecer com suas grandes companheiras de viagem: as suas motos BMW.

Acho que é bem legal de falar que o Riders foi o primeiro app local feito pela BMW aqui do país. O Brasil foi o primeiro país em que o cliente de moto BMW consegue não só se conectar à moto, mas a uma comunidade de motociclistas para andarem juntos de moto.

 

E como tem sido a recepção do público das empresas que contratam vocês?

Mikael: Tem sido ótima. Ainda bem (risos). Cito como exemplo o aplicativo da Polishop que teve sua experiência de uso completamente otimizada. Como resultado, melhoramos a percepção dos clientes em relação a esse produto digital, aumentando a avaliação geral do aplicativo tanto na Play Store quanto na App Store de 2.3 para 4.6.

 Outro exemplo desse trabalho que nós aqui da X-Apps temos feito nos últimos anos é o Navegador Exclusivo Bradesco. Na época em que desenvolvemos esse produto digital, o Bradesco tinha de encontrar uma saída para a descontinuação do plugin Java nos browsers, que iria parar, a nível digital, todos os bancos do país.

 Ou seja, tínhamos nas mãos a responsabilidade de garantir que os mais de 1 milhão e 200 mil usuários PJ do banco não ficassem travados no momento da autenticação. 

 Por isso, mapeamos e organizamos todo o plano de execução para entregar um produto completamente inovador. Os resultados foram ótimos:

 Alcançamos mais de 1 milhão e 200 mil clientes por dia do Bradesco Net Empresa exclusivamente com essa Nova Forma de Acesso. E o melhor: nenhuma reclamação foi feita nesses primeiros dias de ativação.

 Foi uma mudança tecnológica gigante, imposta pelos navegadores, mas que fizemos de modo transparente para milhões de clientes. Temos muito orgulho desse projeto e é mais uma prova de como empresas gigantes podem se beneficiar trabalhando em parceria com a gente.

 

Legal, Mikael. Para fechar, o que você espera que vai acontecer nos próximos anos no cenário tecnológico do país? Você acredita na liderança das fábricas de software até lá?

Mikael: Acredito que o cenário é bem promissor para o mercado de fábrica de software. De maneira direta ou indireta, empresas como a X-Apps contribuem para a reinvenção de todo o cenário de tecnologia do país.

Digo isso porque quando as empresas nos procuram, elas acabam colocando nas nossas mãos o papel de trazer uma tecnologia reinventada, imersiva e segura.

Essa dinâmica de uso contribui para toda a roda da tecnologia girar. Sabe por quê? Porque se, numa ponta temos um consumidor aprendendo e reaprendendo a usar um aplicativo ou um sistema diferente, na outra temos uma empresa que está se movimentando e acompanhando isso de perto, pronta para dar o próximo passo.

 Estamos vendo cada vez mais investimentos específicos em áreas como analytics e IA, nuvem privada, DAAS, entre outros. Estamos dando um passo à frente nessas tecnologias e depois estendendo nossa mão, trazendo nossos clientes e desenvolvedores para caminharem juntos.

 É muito gratificante fazer parte disso, aprender com nossos clientes, trabalhar com ramos diferentes e sempre expandir nossos horizontes.

 Como fábrica de software, focamos em cada vez mais nos diferenciar de outras ofertas. Já somos vistos no mercado como uma fábrica de software ágil, moderna e com um portfólio incrível. Temos muito orgulho em ter construído isso em tão pouco tempo.

 Mas pra nós isso não é suficiente. Hoje estamos apostando em uso de inteligência artificial para análise de dados de produtividade com o objetivo de otimizar a performance e gestão de nossos squads de desenvolvedores.

 Estamos rodando isso ainda de forma interna em ambiente de laboratório, mas os resultados são surpreendentes a ponto de estarmos convictos que o próximo capítulo de nossa história vai ser ainda mais interessante.

 

Quer entender melhor como uma fábrica de software pode ajudar sua empresa a se reinventar digitalmente? Converse com os especialistas da X-Apps.

 

Ou visite o portfólio da empresa.

*O conteúdo aqui descrito é de responsabilidade do respectivo patrocinador.