Sobre Nós
Para Você
Para Empresas
Conteúdos

NOVO

Eventos
Comunidades
Tools
Parcerias

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Comunidades

Amplie seu networking, encontre parceiros de negócios e discuta as maiores tendências e inovações com a alta liderança do mercado


Valuation: já que fórmula única não existe, dá para comparar?

Para definir o valor de mercado de uma startup, inúmeras metodologias de cálculo de valuation são empregadas. Conheça uma maneira alternativa.

Valuation: já que fórmula única não existe, dá para comparar?

valuation-formula-unica-nao-existe-da-para-comparar (Foto: GettyImages).

, Head de Conteúdo na Captable

10 min

23 ago 2022

Atualizado: 19 mai 2023

Por Victor Marques, da Captable Brasil.

Se há um tema que não é unânime no Venture Capital é como definir o valuation de uma startup. Avaliar oportunidades de investimento – e chegar num preço adequado para entender se a startup está avaliada abaixo ou acima do esperado – é uma arte específica de cada player, não havendo apenas uma fórmula empregada.

Sem dúvida, a análise predominante é a do Fluxo de Caixa Descontado (DCF), mas ela não é a única. Em estágio inicial, principalmente, há um alto nível de incerteza e muitas hipóteses que precisam ser consideradas na hora de compor o valuation de uma startup. Esse tipo de subjetividade não se encaixa no método dominante – o DCF – e, portanto, depende de outra metodologia.

VALUATION POR BASE RATE

Calcular o valuation através de uma base rate significa comparar, sem deixar de lado os números, a trajetória de empresas similares. Não basta, apenas, buscar uma startup com modelo de negócio parecido, é preciso se ater a quantidade de valor levantado em cada rodada e os milestones que essa startup atingiu em um mercado/modelo similar ao da startup que deseja calcular o valuation.

Ou seja: quanto dinheiro captaram, quantas rodadas de investimento receberam, qual o período de tempo até uma eventual saída ou IPO, quanto durou cada estágio e quanto de valor a startup criou ao longo de sua jornada.

COMO OS GRANDES FUNDOS USAM BASE RATE

No momento que os investidores de Venture Capital pensam em taxas base (base rate), é buscado um histórico dos melhores desempenhos de modelos de negócio similares e, então, compara-se ao histórico da startup analisada e suas projeções de crescimento.

Além disso, outros elementos que influenciam no potencial que o negócio pode atingir, como o tamanho do mercado, também são analisados. Como fundos já investem de olho em uma oportunidade de saída no médio/longo prazo, toda a jornada até a abertura de capital é estudada, identificando o que pode ser construído e o teto da oportunidade.

Os VCs, geralmente, analisam um negócio a cada rodada de investimento. Mas o valor de mercado definido por eles é um reflexo de como as startups criaram valor a cada etapa.

ALÉM DA RECEITA

Na corrida de revezamento do Venture Capital se dá melhor aquele investidor que entender como puxar para cima o número de startups investidas que se "gradua" para a próxima rodada. 

Ou seja, aquela startup que é capaz de levantar uma rodada seed, construir uma rodada follow-on, Série A, B, C e assim por diante. Sem ficar no meio do caminho até uma eventual saída ou IPO.

Para conquistar as rodadas seguintes, o investidor de startups precisa entender, muitas vezes na primeira rodada, a capacidade que o empreendedor e o negócio tem de atrair rodadas cada vez maiores e com players mais significativos. Por isso, comparar a outros negócios similares faz muito sentido.

Por isso, muito além de uma análise quantitativa e de uma análise do crescimento da receita, por exemplo, é necessário compor essa visão com uma série de critérios qualitativos – tudo para entender, e prever, a viabilidade do plano de negócios proposto e se a equipe será capaz de executá-lo.

Encontrar a taxa base, analisando as empresas mais valiosas e eficientes de cada segmento, permite entender o que é possível esperar da maturidade e abrangência do produto, estratégias de crescimento e eficiências dos processos.

PARA JUSTIFICAR O VALUATION É PRECISO MEDIR

Em uma jornada frenética por descobrir os melhores caminhos, crescer e aprimorar o produto, não é incomum que startups – em seu princípio – caiam na armadilha de não medir seus esforços, tornar aqueles que geram maior valor repetíveis e criar um caminho previsível de crescimento.

Justamente pela maioria dos recursos serem direcionados para construção do produto e ativos intangíveis, como criar uma jornada previsível, desenvolver estratégias de crescimento, branding e posicionamento. 

É nesse momento também que a startup precisa encontrar o tipo de cliente que trará crescimento mais acessível (ICP, Ideal Customer Profile) e comunicar seus diferenciais dos concorrentes do mesmo mercado.

Para traduzir tudo isso em indicadores de eficiência, é necessário medir a capacidade das equipes para construir esses ativos e qual a chance deles trazerem retorno ao capital aplicado.

RECEITA RECORRENTE LEVA PARA OUTRO PATAMAR

Ainda que a receita não seja a única métrica analisada, quando há recorrência e previsibilidade de receita, a startup cria um funil previsível de crescimento. Ou seja, é possível saber quanto os recursos utilizados em marketing e vendas irão trazer de clientes e o quanto esses clientes trarão de receita, alongando o LTV (o fluxo de caixa criado por eles) dos clientes.

POR QUE IMPORTA?

A somatória desses fatores é utilizada no cálculo de base rate e é essencial para que os investidores tenham uma perspectiva de longo prazo, entendendo o potencial dos negócios independente do clima econômico e considerando a realidade de aportes ao longo do crescimento da startup.

A redução dos investimentos dos fundos de Venture Capital tem muito a ver com uma frustração de expectativa: os investidores previram taxas de crescimento e retornos maiores para as empresas de tecnologia investidas – resultado de uma maior velocidade de adoção, na pandemia, de tecnologia e menor custo do capital, por conta das taxas de juros menores.

Com isso, esperava-se que cada real investido geraria um retorno maior. O resultado? Os valuations de todo o mercado foram impulsionados – dos estágios iniciais aos avançados, chegando até as empresas de capital aberto.

O interessante é observar o momento: os fundos que investiram em 2011 e 2012 e tiveram suas saídas até 2019-2021 tiveram bons desempenhos. Isso ocorre porque nos momentos de crise criam-se as maiores oportunidades de retorno no Venture Capital.

Isso ocorre porque é possível investir comprando participação com valuations menores e, sabendo que o Venture Capital é – geralmente – um jogo de longo prazo, aguardar o próximo período de bonança para desinvestir com grande retorno. Com isso, um ponto de entrada mais baixo em uma crise traz vantagens valiosas para quem busca rentabilizar daqui 5 a 6 anos. 

Com o Captable Marketplace, inclusive, o Venture Capital não é mais só coisa de longo prazo: agora, é você que decide! É possível decidir vender a sua participação a qualquer momento de maneira fácil – tendo a possibilidade de liquidez a curto prazo.

E isso em APENAS TRÊS PASSOS: 

1. INVISTA: monte seu portfólio de investimentos a partir de MIL REAIS em nossa plataforma. É simples e prático. 

2. NEGOCIE: você pode comprar e vender lotes de startups em nosso Marketplace a qualquer momento. 

3. RECEBA: você tem liberdade para definir as melhores oportunidades para realizar seus ganhos.

Para aproveitar as maiores curvas de crescimento de uma startup, conheça a Captable, plataforma de investimento em startups da StartSe. Se quer ficar sabendo em primeira mão de novas oportunidades e entrar na Nova Economia em 2022, participe do grupo exclusivo do Telegram para avisos de novas captações! Se você quer captar conosco, saiba mais e se inscreva no nosso processo de seleção.

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Victor Marques é Head de Conteúdo na Captable, maior hub de investimentos em startups do Brasil, que conecta seus mais de 7000 investidores a empreendedores com negócios inovadores. Escreve há mais de dois anos sobre inovação. Formado em Letras e Mestre em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Leia o próximo artigo