Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Enquanto as startups grandes encolhem, pequenas crescem

Investimento em startups no primeiro semestre comprova: enquanto as rodadas encolhem nos estágios avançados, o volume investido em early-stage cresce.

Enquanto as startups grandes encolhem, pequenas crescem

startups-grandes-encolhem-pequenas-crescem (Foto: GettyImages).

, Head de Conteúdo na Captable

6 min

19 jul 2022

Atualizado: 11 jan 2023

Por Victor Marques, da Captable Brasil.

Investidores passaram a olhar com atenção para as startups em estágio mais inicial. Essa tendência já vinha sendo prevista há algum tempo, mas agora se confirmou nos números de investimentos em startups do primeiro semestre: juntos, early-stage e seed, somaram, no Brasil, R$ 1,67 bilhão em rodadas nos primeiros seis meses.

Apesar das rodadas menores, características desses estágios de investimento – e que já representam 93% de todos os aportes em startups no Brasil –, o número de deals é tão grande que o montante surpreende. As rodadas seed, por exemplo, quase dobraram em comparação ao mesmo período de 2021, totalizando US$ 282 milhões (US$ 151 mi, em 2021).

O CONTRASTE DO LATE-STAGE

Como as rodadas de estágios mais avançados, são, em geral, maiores, o impacto da diminuição dos investimentos em startups mais maduras é representativo quando olhamos o volume total investido no país nos primeiros seis meses de 2022 – foram US$ 2,92 bilhões investidos, valor 44% menor que o registrado pelo segmento no mesmo período do ano anterior, quando haviam sido levantados US$ 5,26 bilhões.

São nesses estágios mais avançados que os impactos econômicos e de interesse de grandes fundos são sentidos e que geram as notícias frequentes de desespero dos unicórnios: demissões, caixa acabando e uma corrida pelo lucro nunca antes vista no mundo do Venture Capital.

Também pudera, a queda de valor investido se concentrou nessas startups em estágios mais avançados de crescimento. Enquanto captaram US$ 3,87 bilhões no primeiro semestre de 2021, agora, o número caiu para menos de um terço: US$ 1,24 bilhão.

OS SEGMENTOS FAVORITOS

O segmento favorito do período continua sendo – seguindo uma tendência que começou em 2019 – as fintechs. Os aportes no setor somaram US$ 1,36 bilhão no semestre. Logo após, as retailtechs levantaram US$ 366 milhões, já as HRtechs tiveram US$ 247 milhões investidos.

Os três maiores aportes do período foram de fintechs: Neon (US$ 300 milhões), Creditas (US$ 260 milhões) e Dock (US$ 110 milhões). Para além dos investimentos, as fusões e aquisições tiveram uma pequena queda, de 7%, saindo de 118 em 2021 para 110 neste ano.

POR QUE IMPORTA?

Assim como nos investimentos, são os movimentos dos gigantes que ditam o humor do mercado e o tema das notícias sobre o mercado. Enquanto isso, o early-stage voa abaixo do radar, crescendo e criando uma nova geração de futuros unicórnios. 

Quem olha superficialmente, perde a perspectiva certa: enquanto as grandes startups estão encolhendo, as oportunidades dos estágios iniciais, das pequenas, crescem. Para ter a chance de ser sócio desses negócios com crescimento acelerado, conheça a CapTable, plataforma de investimento em startups da StartSe e confira as startups disponíveis para investimento. Para ficar sabendo em primeira mão de novas oportunidades, participe do grupo exclusivo do Telegram! Se você quer captar conosco, saiba mais e se inscreva no nosso processo de seleção.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Victor Marques é Head de Conteúdo na Captable, maior hub de investimentos em startups do Brasil, que conecta seus mais de 7000 investidores a empreendedores com negócios inovadores. Escreve há mais de dois anos sobre inovação. Formado em Letras e Mestre em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo