Sou Aluno
Sobre Nós
Para Você
Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Comunidades
Tools
Parcerias

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Comunidades

Amplie seu networking, encontre parceiros de negócios e discuta as maiores tendências e inovações com a alta liderança do mercado


O que está por trás do prejuízo bilionário e das demissões da Philips

Empresa holandesa anunciou corte de 4 mil postos de trabalho como uma das medidas para enfrentar uma série crise

O que está por trás do prejuízo bilionário e das demissões da Philips

Logo azul da Philips (Foto: Ethan Miller / Equipe via Getty Images)

, jornalista

4 min

24 out 2022

Atualizado: 19 mai 2023

Receba conteúdos exclusivos do AGORA

Fique por dentro das últimas novidades e tendências do mercado com nossos conteúdos exclusivos!

O alerta veio no balanço do terceiro trimestre: a Philips registrou prejuízo líquido de € 1,3 bilhão. Os motivos da queda foram por causa da retirada de seus aparelhos de respiração defeituosos do mercado, como também pelos desafios operacionais e de abastecimento (entenda mais adiante).

Como consequência, o grupo holandês vai demitir cerca de 4 mil funcionários em todo o mundo. Segundo a companhia, assim, espera-se economizar cerca de € 300 milhões nos próximos trimestres para enfrentar os desafios da cadeia de suprimentos.

MÁQUINAS COM DEFEITO

O prejuízo bilionário da Philips acontece após sofrer uma derrota judicial: cerca de cinco milhões de aparelhos de respiração — usados principalmente por pessoas que sofrem com apneia do sono — produzidos com defeito tiveram de ser retirados do mercado. 

O equipamento, que serviria como melhoria para o sono e a respiração, se tornou um vilão ao descobrir que uma das peças poderia causar danos à saúde dos usuários por causa da liberação de químicos tóxicos. Resultou também na saída do presidente-executivo da empresa Frans van Houten.

Falhas como essa — que podem causar danos para os usuários —, refletem o caixa da empresa, como também a imagem perante à Agenda ESG, importantíssima para as empresas continuarem relevantes na Nova Economia. Falhou com o consumidor, falhou com a agenda.


FOCO NA ÁREA DA SAÚDE

A aposta da Philips (que já foi uma das maiores companhias de eletrônicos do mundo) na área de tecnologia para saúde parecia ser uma boa cartada para conquistar clientes e investidores, já que o mercado de saúde e bem-estar está indo bem. Para você ter uma ideia, segundo a McKinsey, o segmento de bem-estar chega a 1,5 trilhão.

Mas a empresa, fundada em 1891, tem visto seus planos não caminharem na direção almejada — e o recall da máquina de respiração é um dos motivos. O defeito veio à tona ano passado, apenas algumas semanas depois do grupo ter anunciado a venda de seu braço de eletrodomésticos, a divisão de produtos como Airfryer (fritadeira sem óleo), Látego (cafeteira) e Speed Max (aspirador). Ou seja, uma fonte a menos de receita.

Aparelho de respiração da Philips (Foto: reprodução)

OUTROS DESAFIOS

A companhia também enfrenta desafios de “fornecimento, pressões inflacionárias, a situação da Covid-19 na China e a guerra russo-ucraniana”, diz a empresa em comunicado.

Nestes casos — que comprovam os tempos do Mundo BANI —, é preciso buscar formas inovadoras para manter o crescimento e a competitividade no mercado.

A Philips não detalhou como deve fazer isso, mas em comunicado ao mercado disse estar engajada em “melhorar ainda mais suas operações de fornecimento, investir em qualidade, simplificar a maneira de trabalhar e remover a complexidade organizacional, o que deverá resultar em reestruturação adicional e custos associados em 2023”, afirma.

POR QUE IMPORTA?

Algumas lições: por mais que a marca tenha anos de trajetória e seja conhecida no mercado, é preciso estar preparada para o Mundo BANI (frágil, ansioso, não-linear e incompreensível) e preparar os funcionários para isso. Além disso, é preciso estar atenta à agenda ESG. Hoje, marcas e clientes priorizam marcas que seguem esses pilares. Por fim, em tempos de crise, vale explorar formas de inovar e dominar mercados que prometem movimentar bilhões. Seja com uma nova tecnologia ou nova fonte de receita, por exemplo. 

Agora, se você busca ferramentas que podem ampliar a velocidade de CRESCIMENTO E ESCALA do seu negócio, confira aqui.

Banner XBA setembro 2022

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Sabrina Bezerra é jornalista especializada em carreira e empreendedorismo. Tem experiência há mais de cinco anos em Nova Economia. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Leia o próximo artigo

Receba conteúdos exclusivos do AGORA

Fique por dentro das últimas novidades e tendências do mercado com nossos conteúdos exclusivos!