Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


O que muda com a fusão da Americanas e B2W

Lojas Americanas e B2W anunciaram a união das operações. Com o negócio, a nova empresa se chamará americanas. Entenda o que está por trás dessa movimentação.

O que muda com a fusão da Americanas e B2W

, jornalista

8 min

30 abr 2021

Atualizado: 4 jan 2023

Por Sabrina Bezerra

A Lojas Americanas e a B2W (ambas possuem os mesmos controladores Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles) anunciaram na última quarta-feira (28/04) a fusão de suas empresas. Com a união das operações, a ‘nova companhia’ se chamará americanas. A intenção de unir as operações começou em fevereiro deste ano. Agora, cerca de dois meses depois, em comunicado ao mercado, as companhias confirmaram o negócio (que será avaliado e votado em Assembleias Gerais das empresas em 10 de junho. Em outras palavras, os acionistas terão de aprovar o negócio). O objetivo é “a criação de uma plataforma ainda mais poderosa”, disseram as empresas em Fato Relevante.

B2W - BIT (Foto: divulgação B2W)

O QUE MUDA?

De um lado, a Americanas, com cerca de 1700 lojas físicas; do outro, uma das maiores empresas de e-commerce do país, dona da Americanas.com, Shoptime e Submarino. A reorganização vai acontecer da seguinte forma: as empresas vão unir as operações, com os ativos da Lojas Americanas transferidos para a B2W. No entanto, isso não criará uma nova classe de ações. Ou seja, a Loja Americanas vai cindir as lojas físicas e sua participação no Ame Digital, que serão vendidos para a nova empresa americanas. Com a cisão parcial das empresas, a participação da Lojas Americanas na B2W cai para 38,9%.

O negócio foi uma surpresa para o mercado. No último pregão de quinta-feira (29/04), as ações da Lojas Americanas ficou em queda de 2,74% (ordinárias) e 5,17% (preferenciais). Já a B2W subiu 7,69% negociadas a R$ 68,33.

Mas as mudanças não param por aí. A empresa prevê listagem nas bolsas NYSE ou NASDAQ. "Busca-se, com isso, maior acesso a investidores estrangeiros, aumento das fontes de financiamento, redução do custo de capital, aumento da liquidez das ações, alinhamento estratégico de longo prazo, exposição a novas coberturas de analistas, aumentando a visibilidade, e adequação da governança e compliance a padrões internacionais", disse a empresa em fato relevante.

Segundo a companhia, para tornar a americanas uma plataforma robusta, cinco pilares serão focados: construir um ecossistema maior para fornecedores e consumidores com mais velocidade e facilidade; desenvolver novas tecnologias integradas e baseadas em cloud; gerar economia de escala; aumentar o alcance de comunicação e publicidade; criar um “motor de M&A ainda mais poderoso para avaliar, negociar e integrar novas aquisições", disseram as companhias. O último tópico terá como foco o crescimento da fintech Ame Digital, oferecer mais produtos e serviços financeiros, acelerar a plataforma de publicidade, “e ir além do varejo, em direção a novos negócios compatíveis com os objetivos sociais da americanas e verticais para expandir o mercado endereçável”.

POR QUE VOCÊ PRECISA SABER DISSO

A movimentação entre as empresas mostra como a corrida para ser a melhor varejista está em explosão no país. Grandes varejistas como Magazine Luiza, Mercado Livre e Via Varejo. Exemplo: Magazine Luiza comprou cerca de 17 empresas entre 2020 e 2021. O Mercado Livre vai contratar 16 mil pessoas. Via Varejo tem feito uma série de movimentações: de compra de empresa até a mudança de nome para Via. A Americanas comprou o Grupo Uni.co, dono das marcas Imaginarium, Lovebrands, MinD e Puket com foco em expandir a plataforma de varejo especializado em marcas próprias e franquias. Já a B2W, antes mesmo da fusão com a Americanas, já estava a todo vapor nessa corrida. A empresa investiu, no mês passado, em uma frota de 90 tuk-tuks elétricos para entrega de encomendas feitas nas plataformas digitais. Afinal, em tempos de mudança de comportamento de compra do consumidor, sai na frente quem envia mais rápido. 

Acelere o resultado de suas vendas e marketing com a metodologia de crescimento de negócios mais usada pelas empresas do Vale do Silício. Conheça o Growth Program e domine conceitos avançados de como Atrair, Engajar, Converter e Fidelizar Clientes B2C ou B2B.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo