Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


JBS também aposta na carne de plantas e compra europeia Vivera

A aquisição inclui três unidades produtivas e um centro de pesquisa e desenvolvimento da Vivera. Entenda por que chamou a atenção da JBS.

JBS também aposta na carne de plantas e compra europeia Vivera

Vivera (Foto: Divulgação Facebook Vivera)

, jornalista

4 min

19 abr 2021

Atualizado: 13 dez 2022

Por Sabrina Bezerra

O mercado de plant-based — produtos à base de alimentos vegetais — deve crescer 28% até 2030, movimentando cerca de US$ 85 bilhões, de acordo com o banco suíço UBS. A tendência desse mercado chamou atenção de uma das maiores indústrias de alimentos do mundo: a JBS. A empresa anunciou nesta segunda-feira (19/04) por meio de fato relevante, um acordo para comprar a Vivera na Europa — terceira maior produtora de produtos plant-based na Europa — por € 341 milhões.

Com o negócio, a JBS vai ampliar o portfólio de itens “reforçando o foco da Companhia em produtos de valor agregado”, disse em comunicado Guilherme Perboyre Cavalcanti, diretor de Relações com Investidores da JBS. 

Ficou curioso sobre esse mercado (que é bilionário)? Clique aqui para entender mais.

Carne à base de planta da Vivera (Foto: Facebook Vivera)

JBS E VIVERA

Empresa brasileira, fundada em Goiás, no ano de 1953, a JBS se tornou uma das maiores indústrias de alimentos do mundo. Atualmente, os produtos da companhia são carnes bovina, suína, ovina, de frango — e agora, se aprovado pelos órgãos reguladores, entrará no mercado de plant-based. 

A Vivera é a terceira maior produtora de produtos plant-based na Europa — ficando atrás da Nestlé e Monde Nissin. Está presente em cerca de 25 países, com mais relevância nos mercados da Holanda, Reino Unido e Alemanha. Em 2020, a companhia faturou € 86 milhões.

A aquisição inclui três unidades produtivas e um centro de pesquisa e desenvolvimento da Vivera. “A aquisição da Vivera fortalece e impulsiona a plataforma global de produtos plant-based da JBS e agrega conhecimento técnico e capacidade de inovação. A tendência global é de forte crescimento no consumo dessa categoria”, disse em nota Guilherme. 

Fique por dentro do mercado de footech: assista à aula gratuita sobre o assunto.

POR QUE IMPORTA?

O mercado de plant-based é promissor e tem chamado a atenção de consumidores, grandes empresas e startups. No Brasil, a fooftech Fazenda Futuro ganha destaque, com a produção de carne vegetal — sem origem animal. Os ingredientes são proteína isolada de soja, proteína de ervilha e de grão de bico. Além de beterraba para similar a cor e o sangue do alimento. 

Mas não para por aí. A NotCo, foodtech chilena, também vem ganhando destaque nesse mercado. A companhia oferece além de carne de hambúrguer vegetal, tem em seu portfólio leite e maionese à base de plant-based. 

As gigantes como Marfrig e BRF já oferecem opções vegetarianas.

Quando falamos de consumidor, o número também é significativo: segundo Ibope, já são cerca de 30 milhões de vegetarianos no Brasil. Além disso, de acordo com a pesquisa o consumidor brasileiro e o mercado plant-based, realizada pelo Good Food Institute Brasil em parceria com o Ibope, quase 47% dos brasileiros reduziram o consumo de carne em 2020. Os entrevistados disseram que o que mais os influenciam na hora de comprar proteínas alternativas é o fato de “ter menos gordura, seguido por conter apenas ingredientes naturais e depois pela quantidade de proteína. A combinação desses três fatores é condizente com o mercado brasileiro: o país é o 4º maior mercado de alimentos e bebidas saudáveis do mundo”, diz o estudo.

O Planejamento Estratégico Tradicional se tornou um mecanismo "ingênuo" para acompanhar o ritmo da Nova Economia. Conheça o programa S4D - Strategy for Disruption e veja o inédito Planejamento Estratégico 4D StartSe, único no mundo e capaz de gerar Poder Competitivo e Adaptativo Real para seu negócio.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo