Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Funcionários em home office podem ter salário reduzido?

Diversas big techs querem adotar o pacote de remuneração de acordo com o local de trabalho do funcionário. Conversamos com especialistas para entender quais são os impactos dessa política no Brasil. Confira!

Funcionários em home office podem ter salário reduzido?

(Foto: Geber86 via Getty Images)

, jornalista

8 min

18 ago 2021

Atualizado: 3 jan 2023

Por Sabrina Bezerra

Veja: 70% dos profissionais disseram preferir continuar em regime home office no pós-pandemia, segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Administração (FIA).

Agora, imagine se essa escolha — de trabalhar em casa — impactasse o seu salário? Se você mora em região mais barata, a sua remuneração poderia ser menor do que a de seu colega de trabalho que mora em um bairro mais caro. Essa matemática tem sido divulgada no noticiário nos últimos dias e pode ser a nova política de big techs como o Google

Questionado pela StartSe, em nota de posicionamento, o Google Brasil disse que a decisão não afetaria os funcionários do país. “Nossos pacotes de remuneração no Brasil são determinados de forma nacional e de acordo com um valor competitivo com o mercado. Os eventuais impactos na remuneração decorrentes de transferência de escritório ou trabalho remoto vão variar de acordo com a nova localização do funcionário e a legislação daquela região”, afirma a empresa.

Mas, e no Brasil? Como funcionaria essa tendência? As companhias podem reduzir o salário dos funcionários que optarem por trabalhar em home office (em locais mais distantes do escritório)? Conversamos com especialistas para entender. Confira abaixo!

(Foto: Photo by Alex Dudar on Unsplash)

A empresa pode reduzir o salário de quem está trabalhando de casa?

Em linhas gerais, a resposta é não. “No Brasil, segundo a Constituição Federal, não é possível reduzir o salário dos empregados. Salvo em convenção ou acordo coletivo”, diz Jacques Rasinovsky Vieira, sócio da área trabalhista do FAS Advogados.

Contudo, algumas medidas provisórias — lançadas por causa da crise causada pela pandemia de coronavírus — permitem a redução da jornada de trabalho com corte salarial proporcional até um determinado período. “Neste caso, as pessoas que estão em home office, podem ter redução do salário”, afirma o especialista.

+ Saiba quais benefícios corporativos ajudam no home office

A empresa pode contratar funcionários no regime home office com a mesma função dos colaboradores antigos, mas com salário menor?

“Em um primeiro momento, isso não é possível. A legislação brasileira não permite contratar uma pessoa de fora com um salário menor. Isso porque, entraria na discussão se geraria um risco de equiparação salarial”, diz Manuela Prata, consultora trabalhista no Pinheiro Neto Advogados.

Visto que a lei art. 461 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), diz que se o profissional faz as mesmas tarefas do que o outro, deveria ter o salário igual. Mas existem algumas exceções. Como, por exemplo, se o funcionário está no mesmo cargo há, ao menos, dois anos. Mas esse é assunto para outro artigo.

Por outro lado, a companhia pode contratar novos funcionários com salário menor no regime de home office. Neste caso, o colaborador deveria ter algo que justificasse o pagamento menor. “Como a jornada e funções de trabalho diferentes, por exemplo”, conta Vieira.

Além disso, é preciso ficar atento ao contrato de trabalho. Por quê? Segundo Manuela, o home office e o teletrabalho não são as mesmas coisas. “Juridicamente eles têm diferença”, diz ela. 

No caso do home office, o funcionário pode ter uma flexibilização do trabalho presencial. É possível trabalhar de forma remota em alguns dias de casa sem precisar constar no contrato de trabalho, mas sim regulado por política interna da companhia. 

“Já no teletrabalho, a pessoa tem de trabalhar preponderantemente em casa. Para essa pessoa, a legislação a exclui”, completa a especialista. O motivo: nesta modalidade não há controle de jornada do profissional, com isso, não há pagamento de horas extras, intervalo, entre outros.


E se o funcionário for transferido para outro país?

“É algo que precisa ser discutido porque tem a discussão sobre qual legislação deve aplicar [do Brasil ou a do país em que o funcionário vai trabalhar]. Em tese, a regra geral vale a lei do local da prestação de serviço”, diz Manuela. Portanto, se a região permite redução salarial em regimes de home office, isso pode ser aplicado.

+ Como ser promovido no home office?

Por que importa?

No mundo da tecnologia — em algumas empresas do Vale do Silício — tem se tornado comum o valor do salário ser de acordo com a localização que o funcionário trabalha. Isso porque, além do Google, empresas como Facebook e Twitter mostram-se engajadas em adotar a nova política.

A estratégia das big techs pode ter sentido com a lógica de que, se o funcionário mora em uma região a qual o custo de vida é reduzido, logo pode não fazer tanto sentido ter o mesmo salário de um colaborador que mora em um local em que o custo de vida é mais caro. Mas o fato é que nenhum funcionário quer receber um corte salarial. A nova possível modalidade poderia gerar insatisfação nos profissionais e até aumentar a taxa de turnover. Será que a moda pega? Vamos acompanhar!

+ Como saber se é hora de trocar de emprego?

O RH sempre foi um setor importante nas empresas. Mas agora, com a mudança de comportamento das pessoas, a introdução de novas tecnologias e a criação de novas profissões, seu papel fica ainda mais relevante. Conheça o Gestão Inovadora para RHs e aprenda as técnicas que estão transformando os RHs na área mais Estratégica dentro das empresas.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo