Sobre NósPara Você
Para EmpresasConteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Eventos

Jornadas de conhecimento fomentando o aprendizado dinâmico e inovador em diversos formatos e intensidades

Ver todos

Ainda não temos eventos programados. Mas estamos preparando encontros repletos de inovação para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Artigos
Empreendedorismo

Anvisa autoriza fabricação de mais um medicamento à base de cannabis; o que está por trás desse mercado

Viviane Sedola, uma das maiores lideranças no mercado de cannabis no Brasil, conta por que decidiu empreender em um mercado que é um tabu e traz dicas de empreendedorismo e de atração de talentos. Confira!

Anvisa autoriza fabricação de mais um medicamento à base de cannabis; o que está por trás desse mercado

Cannabis (Foto: luza studios vis Getty Images)

8 min

23 nov 2022

Atualizado: 30 nov 2022

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a fabricação de mais um medicamento à base de cannabis, o Canabidiol Ease Labs 100 mg/ml. Será fabricado pela Ease Labs Laboratório Farmacêutico.

Atualmente, a Anvisa já aprovou 23 medicamentos de cannabis no Brasil. De olho nisso ― e principalmente por ser um nicho ainda pouco explorado no país ―, a empreendedora Viviane Sedola fundou um marketplace de cannabis.

COMO ASSIM?

Já tem muitos anos que a cannabis existe. Alguns registros históricos mostram o uso da planta medicinal desde 2.700 A.C. Hoje, apesar do assunto ser um tabu, descobri ao ler um estudo da Vantage Market Research que o mercado global de cannabis pode movimentar US$ 128 bilhões até 2028. Gigante, né?

Mas calma. Não estamos falando da maconha — que traz efeitos psicotrópicos —, e sim das mais variadas indústrias que usam a cannabis (que tem baixo teor de THC, o tetrahidrocanabinol), como: construção, cosmética, medicinal, papel e têxtil.

Foi de olho nesse cenário, pouco explorado no Brasil, que Viviane Sedola encontrou um nicho para empreender. Em 2018, fundou a startup Dr. Cannabis, começou como um blog sobre cannabis medicinal e hoje é uma empresa que conecta pacientes a médicos e outros profissionais que revendem produtos à base de canabinoides. Uma espécie de marketplace.

Daí, este ano, decidiu fazer uma fusão com a Cannect ‒ outra empresa do setor ‒ para acelerar o crescimento do negócio. O objetivo não é expandir para além da saúde, mas quem sabe, “ingressar no mercado de bem-estar no futuro breve”, me disse Viviane.

O assunto foi abordado no último episódio do Mulheres do Agora. Separei alguns trechos da entrevista para você ficar por dentro desse mercado bilionário:

Viviane Sedola (Foto: divulgação)

StartSe: Para a gente começar, uma dúvida comum: existe diferença entre cannabis e maconha?

Viviane Sedola: Tem muita polêmica na minha resposta. (...) Em geral, quando a gente pensa em maconha, pensa na pessoa que quer fumar e quer ter aquele efeito psicotrópico. Psicotrópico, não. Esse não é o termo, mas é a pessoa que quer ficar chapada, com o efeito do THC. (...) Mas com a cannabis industrial você não vai ter o efeito de THC. Você consegue fazer papel, tecido, pode fazer as cordas, tudo o que é feito de plástico poderia ser feito de cânhamo [pertencente a cannabis sativa]. E se você for fumar a flor do cânhamo, você não vai ficar chapado. Você não vai ter o efeito do THC, então será que cannabis e maconha são a mesma coisa? Eu diria que não. A minha opinião é que não.

StartSe: É uma planta extremamente versátil, né?

Viviane Sedola: Sim, tem várias possibilidades, inclusive a de fumar, inclusive a de fazer medicamentos.

StartSe: Inclusive a dos usos industriais da planta. Não é um único mercado. Dentro dele, tem outros, tem a indústria têxtil, do isolamento acústico…

Viviane Sedola: Sim, a do cosmético. Você consegue aplicá-lo em absorventes higiênicos. Já tem agora uma calcinha absorvente à base de cânhamo, quando usado como tecido, o cânhamo, é antibacteriano, por exemplo.

Foto: Amax Photo/Getty Images


StartSe: E como você foi parar nesse mercado? 

Viviane Sedola: Eu achei que eu ia para a área de educação e comecei a pesquisar várias frentes. Comecei a falar com pessoas que estavam investindo na área de impacto e foi aí que eu descobri que havia médicos prescrevendo cannabis no Brasil. Eu falei: “como assim? Quem está prescrevendo? Pode?” E eu me achava uma pessoa bem informada. E vamos lá. Era final de 2017, quando eu tive essa informação. Fazia dois anos que a gente tinha uma regulação no Brasil. Eu nunca tinha ouvido falar e aí eu fui pesquisar.

StartSe: A partir daí você decidiu empreender no setor de cannabis medicinal?

Viviane Sedola: Eu falei “deixa eu me aprofundar aqui”. Entendi que só no Brasil a gente tem pelo menos 600 mil epiléticos refratários. (...) Em dois anos, essas pessoas tiveram a possibilidade de se tratar com esse medicamento. Por que elas não fizeram isso? Por falta de informação? Sim. Não sabiam. E foi aí que eu vi um problema. Aquilo que pra mim foi muito claro, como eu tinha que resolver aquilo com as ferramentas que eu tinha, com o meu histórico, com a minha experiência na área de comunicação, com a minha experiência no mundo digital. Eu falei “eu consigo ligar essas pontas, eu consigo resolver esse problema.” E fundei a Dr. Cannabis.

StartSe: E qual foi o modelo de negócio inicial?

Viviane Sedola: Olha, começou como um blog. E eu falei “eu sei que eu posso criar conteúdo sobre isso. Agora, deixa eu procurar um advogado para ver se eu realmente posso conectar um médico ou um paciente.”

Confira a entrevista completa no vídeo abaixo:

Thumbnail do vídeo

Leitura recomendada

Cannabis é um dos temas do SXSW, um dos maiores festivais indicados para profissionais que desejam entender o momento atual e o futuro de diversos mercados. E você pode participar da próxima edição, em 2023, com a StartSe. Inscreva-se agora e garanta uma condição especial.

 

 


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo