Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Confira 7 startups de fora que demitiram

De Snap a Netflix, 2022 não foi um ano fácil para as startups, que tiveram que reavaliar as operações e enxugar os times

Confira 7 startups de fora que demitiram

Netflix (Fonte: Divulgação)

, conteúdo exclusivo

7 min

8 nov 2022

Atualizado: 4 jan 2023

Você deve ter visto que o Twitter iniciou uma grande onda de demissões em sua força de trabalho global, uma iniciativa do novo CEO Elon Musk para reduzir custos e tornar a operação da rede social mais eficiente. Apesar do impacto deste passaralho, cuja estimativa é de dispensar 50% do quadro da companhia, ele é apenas 1 exemplo em uma grande lista.

Em 2022, diversas grandes empresas gringas tiveram que reavaliar suas operações e enxugar seus times, um movimento que aconteceu no mundo inteiro, dado o conturbado cenário financeiro que o ano trouxe para o mercado. Também vimos essa mudança aqui no Brasil, com diversas startups grandes como Facily, Loft, QuintoAndar e outras também demitindo.

Tá, mas e lá fora, quais foram as empresas que fizeram layoffs este ano? Fizemos aqui uma lista com 7 startups badaladas para você conferir:

Snap

No fim de agosto, segundo reportou o NY Times, a Snap iniciou um processo de enxugamento interno, com o plano de demitir cerca de 20% de seus funcionários, descontinuando pelo menos seis produtos da marca que não estavam dando resultados.

Segundo a publicação, os cortes na força de trabalho de 6,4 mil pessoas da Snap se concentraram em divisões como Zenly, um aplicativo de mapeamento social que a Snap adquiriu em 2017, bem como uma equipe que trabalha em maneiras de os desenvolvedores criarem aplicativos dentro do Snapchat. A divisão de hardware da Snap também entrou nos cortes, semanas depois que a empresa anunciou que estava cancelando sua câmera de drone Pixy.

Robinhood

Durante a pandemia, a plataforma de negociação de ações Robinhood viu um boom em usuários. Entre 2020 e 2021, a equipe da startup cresceu drasticamente: de 700 pessoas para cerca de 3,8 mil, segundo o CEO Vlad Tenev. Mas esse crescimento foi aparentemente exagerado e rápido demais, e Robinhood foi forçado a reduzir o número de funcionários em 9% – mais de 300 pessoas no total – em abril.

Então, em agosto, a empresa anunciou que cortaria mais 800 empregos, ou cerca de 23% de sua equipe.

Na mensagem aos funcionários, Tenev disse que a rodada anterior de demissões “não foi longe o suficiente” para reduzir os custos em meio à inflação recorde e à queda do mercado de criptomoedas, que reduziu a atividade de negociação na plataforma.

Peloton

No início do mês passado, a startup de equipamentos de home fitness Peloton anunciou sua quarta onda de demissões, subindo a conta total de cortes para mais de 4,6 mil neste ano. Para atenuar a situação, o CEO Barry McCarthy chamou o passaralho de “a fase final da jornada de transformação da empresa”.

O processo começou em fevereiro, com a demissão de 2,8 mil pessoas e quando a startup anunciou que seu ex-CEO, John Foley, sairia em meio a uma desaceleração contínua nos negócios da empresa. A segunda rodada de demissões chegou em julho, atingindo funcionários de Taiwan, e uma terceira onda de funcionários veio em agosto.

As razões para a queda? O arrefecimento da pandemia fez as pessoas voltarem a se exercitar fora de casa, além de problemas reportados por usuários com os produtos da marca.

Shopify

A Shopify, um dos nomes mais fortes do e-commerce nos EUA, demitiu cerca de 1.000 funcionários em julho, o equivalente a 10% de sua força de trabalho em todo o mundo. Em um memorando aos funcionários, o CEO Tobi Lutke assumiu responsabilidade, apontando que a apostou alto no boom do comércio eletrônico na era da pandemia, algo que não se sustentou em 2022.

“Agora está claro que a aposta não valeu a pena. Em última análise, fazer essa aposta foi a minha decisão e eu entendi errado”, escreveu Lutke na carta, que foi postada no site da empresa.

Netflix

Essa aqui você já deve ter visto, e ao longo de 2022 pudemos acompanhar como o gigante do streaming foi acumulando resultados pouco animadores. Porém, em maio também vieram os cortes: cerca de 150 profissionais em todo o mundo, com mais 300 demissões em junho. Antes disso, a empresa já tinha desativado seu fan site, o Tudum, com 25 pessoas dispensadas.

Mais recentemente, a Netflix reduziu seu departamento de animação, anunciando que demitiria 30 funcionários.

A empresa pode estar vendo uma reviravolta em suas finanças, no entanto. A empresa de streaming relatou perder 200 mil assinantes no primeiro trimestre e quase 1 milhão no segundo. No entanto, em meados de outubro, a Netflix adicionou 2,4 milhões de assinantes, revertendo seu declínio.


Coinbase

2022 não está sendo um bom ano para o mercado cripto, e a Coinbase, uma das maiores exchanges do mundo, sentiu na pele. A plataforma de troca de criptomoedas anunciou que reduziria sua equipe em 18% para garantir a saúde financeira durante o cenário desfavorável deste ano.

Mais de 1.000 funcionários foram notificados de que foram demitidos quando não conseguiram fazer login em suas contas de e-mail de trabalho – a empresa disse em um documento regulatório que sua força de trabalho será reduzida para cerca de 5 mil funcionários até o final do segundo trimestre de 2022.

O CEO da Coinbase, Brian Armstrong, escreveu em um post no blog que as demissões são o resultado do crescimento muito rápido da empresa, mudanças nas condições econômicas e a necessidade de manter os custos baixos durante uma recessão.

Carvana

Antes de existir a Kavak, teve a Carvana. A startup norte-americana de compra e venda de carros usados surgiu em 2012 e viu durante a pandemia seu negócio crescer, com o aumento da demanda por carros seminovos. Mas então veio 2022, e as demissões também apareceram.

Em maio, a Carvana cortou 12% de sua equipe, ou cerca de 2,5 mil funcionários, anunciou a concessionária online em um documento regulatório. Em um e-mail para os funcionários, o CEO Ernest Garcia III disse que a empresa superestimou o crescimento em meio a um momento desafiador na indústria automobilística.

Ao cortar pessoal, a Carvana alegou que pretende encontrar “um melhor equilíbrio entre seus volumes de vendas e níveis de pessoal”.

(Por Leandro Miguel Souza, publicado originalmente em Startups.com.br)


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

O mais conceituado portal sobre startups do Brasil. Veja mais em www.startups.com.br.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo