A construção civil ganha um novo reforço nos canteiros de obras: os robôs

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

4 de fevereiro de 2020 às 19:12 - Atualizado há 9 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Por muito tempo, a tecnologia na construção foi destinada aos escritórios. Isso porque a mesma agilidade e praticidade trazida a outros mercados poderiam ser replicadas em plataformas de conexão entre compradores e fornecedores, em dashboards para acompanhamento de obras, sites de locação de imóveis, entre outros.

Aos poucos, foram surgindo soluções para facilitar a vida dos funcionários que atuam dentro dos canteiros de obras. Drones possibilitam o mapeamento de áreas, inspeções e até o içamento de cabos. Agora, uma nova tendência está ganhando força no setor: os robôs.

A dependência humana nos trabalhos manuais na construção tem diminuído com o tempo. As máquinas surgiram para serem comandadas por pessoas, mas hoje estão sendo criadas opções autônomas, que dependem apenas de supervisão. A Construction Robotics tem se destacado no setor — a companhia americana criou robôs para posicionar tijolos e levantar objetos pesados.

A REINVENÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL: Participe do ConstruTech Conference 2020

O SAM 100, abreviação de “Semi-Automatic Mason” (pedreiro semi-automático), é uma máquina capaz de posicionar tijolos 500% mais rápido do que humanos. O robô participou da construção de um hospital da Universidade de Michigan em 2017. Aos trabalhadores da obra, é necessário apenas retirar o excesso de cimento deixado pelo SAM.

Já o MULE, sigla para “Material Unit Lift Enhancer” (facilitador de elevação de materiais), é capaz de levantar objetos acima de 61 kgs. Na descrição da empresa, o robô auxilia a eliminar a “fadiga e o desgaste físico associado ao levantamento repetitivo de peso”.

Embora ainda seja um mercado no início do desenvolvimento, já existem robôs aptos para realizar diversas tarefas. A startup norueguesa Nlink criou uma máquina capaz de realizar perfurações precisas no teto das construções. Já a espanhola Scaled Robotics desenvolveu robôs para scannear as obras, compará-las com o planejamento digital e localizar possíveis erros.

Nesta terça-feira (3), a Scaled Robotics anunciou que levantou 2 milhões de euros em uma rodada semente. O investimento foi liderado pela Construch Ventures da Noruega e Surplus Invest. “Nós prevemos que nossos produtos irão permitir que essa indústria global de US$ 13 trilhões faça a gestão de risco e incertezas de maneiras que previmos antes serem impossíveis”, afirmou Stuart Maggs, CEO da companhia, no anúncio.

A expectativa é que os US$ 13 trilhões sejam batidos em 2022. O mercado está atraindo inclusive grandes players de outros setores — a Boston Dynamics, uma das empresas líderes em robótica, também anunciou, recentemente, que utilizará o robô Spot para analisar o progresso de construções.

Acompanhe as próximas tendências da construção civil no ConstruTech Conference 2020 que acontece na quarta-feira, 12 de fevereiro.