Startups podiam ter evitado o desastre de Brumadinho?

Elas têm tecnologia para evitar futuros desastres. Duas startups procuraram a Mineradora Vale oferecendo serviços de prevenção de acidentes: a empresa não aceitou

0
shares

Pelo menos duas startups poderiam ter evitado a tragédia de Brumadinho por meio da tecnologia. E existem muitas outras que podem impedir que outros desastres aconteçam.

Nos últimos dias, várias startups estão se mobilizando e indo até Brumadinho para minimizar os danos da tragédia.

160 empresas como Uber, iFood, Google, Nong e BirminD levam comida e tecnologias para ajudarem nas buscas e apoio aos cidadãos de Brumadinho e arredores.

Tragédia Anunciada

Brumadinho tornou-se uma das maiores tragédias humanas e ambientais do Brasil em muito tempo. Impactando a economia, indústrias o meio ambiente e vidas inteiras para sempre.

Mas se autoridades do governo e empresas tivessem aprendido algo com a tragédia de Mariana, ela teria sido evitada.

Ambas são tragédias irmãs: elas aconteceram no mesmo estado (Minas Gerais), ocorridas pela mesma empresa (Vale S.A) e as duas foram problemas relacionados com barragens.

Tecnologia para isso já existe. E empresas que as oferecem, também. As startups que atuam na área da construção (construtechs) são uma alternativa para fiscalizar barragens e empresas como a Vale e evitar que outras Mariana’s e Brumadinho’s aconteçam.

A Vale foi procurada por duas empresas de tecnologia (não divulgadas por questões de confidencialidade) oferecendo sistemas mais modernos e monitoramento de barragens, que a mineradora recusou.

Uma delas era uma startup carioca que se reuniu três vezes (entre 2016 e 2018) com a mineradora; a proposta seria uma tecnologia de detecção em tempo real de pequenos sinais de ruptura em barragens.

Através de satélites, drones e sensores para monitorar barragens por imagens, emitindo alertas em tempo real - capazes de detectar ranhuras e mudanças praticamente invisíveis a olho nu.

Outra startup, essa de Belo Horizonte, também ofereceu soluções tecnológicas para monitoramento de barragens.

A empresa Vale respondeu a elas que já possui sistema de gestão e monitoramento estruturados, e que investe continuamente na melhoria de processos com base nas mais modernas tecnologias e estruturas disponíveis.

Mesmo assim, duas tragédias não foram evitadas, barragens no mesmo modelo de Brumadinho serão desativadas e várias barragens em Minas Gerais estão com dupla classificação de perigo - possibilidade de acidente e extensão do dano potencial em caso de rompimento.

Falhas das Mineradoras: oportunidades para Startups

Essa tragédia foi o empurrão que faltava para levar a mineração (e a construção civil como um todo) finalmente para o século XXI. E aproximar empreendedores, pesquisadores e empresas para solucionar grandes problemas da área que podem surgir daqui pra frente.

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) lançou 10 desafios das mineradoras e já reuniu 100 startups dispostas a resolvê-los - empresas do Brasil, Chile, Peru, Ilhas Cayman, Singapura e Portugal estão entre elas.

Quase 30% delas estão dispostas a criar soluções para questões de gestão de resíduos e 17% problemas relacionados à segurança, incluindo inspeções sem a necessidade de expor profissionais a perigos.

Um problema muito maior

As startups do mercado de construção (construtechs) estão surgindo com alternativas de tirar a Construção Civil da crise econômica dos anos anteriores.

Segundo o Comitê de Datação de Ciclos Econômicos, da Fundação Getúlio Vargas, o Brasil “saiu da crise” em 2016. Mas os dados apontam que nem isso fez o setor reaquecer.

Hoje o crescimento é semelhante ao ano de 2009, e profissionais do setor falam que o setor “atingiu o fundo do poço e não dá sinais de reação”.

Com o governo congelando as obras públicas, gastos com materiais e mão de obra aumentando, o mercado inteiro ficou estagnado.

Na contramão, construtechs quebraram recordes de investimentos em 2018, ultrapassando 1 bilhão de dólares.

Empresas como JazidaRio Analytics e Sigamina são especializadas em mineração e estão entre as 350 construtechs atuantes no país.

Fonte: Construtech Ventures

Tecnologias como uso de drones, big data, análises em tempo real por satélites e redução de milhões em custos mostrou que essas empresas pequenas e altamente tecnológicas têm potencial de alavancar toda indústria para cima.

E ajudar para que mais desastres como esses não aconteçam mais. A StartSe identificou que o movimento das construtechs está na contramão de toda indústria brasileira e decidiu reunir as principais delas no Construtech Conference 2019: Os Desafios de uma das Maiores Indústrias do País.

Foi a maneira que achamos de reunir as principais empresas do Brasil e do exterior para apresentar soluções capazes de resolver os maiores problemas da Construção do País nos mais diversos setores:

  • Construção Civil;
  • Mercado Imobiliário;
  • Mineradoras;
  • Indústrias de Energia;

As construtechs parecem um mercado nichado, mas as soluções que elas estão criando podem resolver problemas de diversas áreas do país.

Clique aqui para saber mais sobre os profissionais e empresas que estarão presentes, os temas tratados e condições especiais de pagamento, e participe você também.

Junte-se a mais de 400.000 Empresários e Profissionais Para Conhecer os Negócios Mais Disruptivos do Mundo!

switch-check
switch-x
Nova Economia
switch-check
switch-x
Empreendedores
switch-check
switch-x
Investimentos
switch-check
switch-x
Startups
switch-check
switch-x
Ecossistema

Comentários