Experimentação, mindset e novos ciclos: como adotar uma cultura de startup

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

26 de março de 2020 às 11:00 - Atualizado há 6 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Com a pandemia do novo coronavírus, os primeiros meses de 2020 foram marcados por grandes mudanças. O mundo se transformou, assim como a forma que lidamos com negócios e planos futuros. Tudo aquilo que foi programado, precisou ser revisto — e usar novas tecnologias nunca foi tão importante. “Os próximos meses provavelmente vão mudar completamente a forma como conhecemos o mundo e os negócios. O planejamos para 2020 talvez não faça mais sentido”, ressalta Junior Borneli, fundador da StartSe.

O empreendedor realizou, ao lado de Gustavo Caetano, fundador da Samba Tech, a segunda aula do ReStartSe, maior programa de capacitação online e gratuito para profissionais do Brasil. Ao todo, serão 100 aulas ao vivo com especialistas do Brasil, Vale do Silício e China. Saiba mais e se inscreva!

Com o uso cada vez mais constante de tecnologias, os ciclos de ascensões e declínios estão mais curtos. Ou seja, soluções e serviços se tornam rapidamente obsoletos. “Na China, isso é ainda maior. Enquanto outros países deixaram de usar o dinheiro em papel para migrar para o cartão, eles já pararam de usar as notas e pularam para os aplicativos”, explica Caetano. Diante disso, segundo o empreendedor, temos que aprender a pensar no futuro de maneira diferente. 

Na prática

Nunca foi tão importante experimentar e testar soluções de forma rápida — criando uma cultura de startup dentro das empresas. Para isso, é essencial entender como nascem esses negócios. “Pensar como uma startup não envolve apenas ter uma ideia inovadora e fazer loucuras, mas sim um novo jeito de empreender”, explica Borneli. 

Para criar um negócio inovador — seja uma nova empresa ou unidade de negócio dentro de uma companhia — é importante passar por algumas etapas. A primeira delas é criar uma hipótese e pensar em qual problema a ideia se encaixa. Em seguida, vem a validação, onde o empreendedor leva sua solução para o mercado, expõe seu produto ou serviço e cria um MVP (mínimo produto viável). Entender se a solução pode de fato se tornar um negócio e escalar o produto ou serviço são as etapas finais.

“Um ponto importante também é pensar que existe um custo de mudança para qualquer coisa nova. Geralmente, se você é o primeiro a entrar em um mercado, precisa educar o seu público”, ressalta Caetano. Segundo o empreendedor, é fundamental ter todas as etapas bem estruturadas para crescer. 

Lógica das 10 vezes

Desenvolver uma cultura de startup também significa transformar o mindset, com foco em metodologias mais ágeis e inovadoras. Segundo Gustavo, as empresas que desejam ter sucesso nesse novo cenário podem seguir a lógica das 10 vezes. “Significa pensar em como eu faço algo 10 vezes mais rápido, 10 vezes mais barato e com 10 vezes mais valor para o cliente. Quando você estabelece isso, inevitavelmente precisa adicionar novas tecnologias e processos”, ressalta. 

Entender que essa é uma jornada de tentativas e erros também é muito importante. “Tudo dentro das grandes companhias, principalmente, é feito para não dar errado. Mas é preciso ter espaço para experimentação, para o teste. Caso contrário, as áreas que estão ali para proteger as empresas, muitas vezes acabam matando a inovação dentro delas”, diz Caetano.