Mercedes-Benz idealiza carro do futuro reciclável e com bateria movida à água

João Ortega

Por João Ortega

13 de janeiro de 2020 às 12:41 - Atualizado há 5 meses

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

A Mercedes-Benz apresentou durante a conferência CES 2020, em Las Vegas, a sua visão de futuro no qual os veículos serão ecológicos e a indústria automotiva estará em harmonia com o meio-ambiente. Segundo Ola Källenius, presidente da montadora alemã, até 2039 toda a frota, desde a fase de produção, será neutra em emissões de CO2.

O plano de sustentabilidade conta com várias frentes. Em relação à fabricação, até 2030, a Mercedes pretende reduzir 40% da energia, 30% da água e 40% da geração de lixo em cada veículo produzido na Europa. Depois, a empresa vai replicar o modelo para as fábricas no resto do mundo.

Transformação digital para executivos: aprenda a planejar e a implementar o digital no seu negócio

Já no âmbito energético, a proposta da Mercedes é evoluir as baterias que hoje movem os carros elétricos. A montadora projeta uma “bateria orgânica”, cuja reação química que libera energia para o motor dispensa materiais químicos e funciona com eletrólitos na própria água. Em resumo, os carros do futuro seriam “movidos à água”. De acordo com a companhia, a “bateria orgânica” já funciona em laboratórios e estará no mercado em até 15 anos.

Outra frente em que a empresa foca nas próximas décadas é a questão das matérias-primas utilizadas nos veículos. A ideia da Mercedes é que os carros tenham 95% de materiais recicláveis. A montadora apresentou no CES 2020 o carro-conceito AVTR (foto), em que componentes veganos e “microfibra ecológica” substituem a maior parte das matérias-primas tradicionais.

De acordo com Källenius, a sustentabilidade está ligada à mudança como os carros são fabricados, e não no fim da mobilidade particular. “Existe a saída fácil. Alguns podem defender reduzir os deslocamentos ou parar toda a produção de carros. Mas as pessoas valorizam a mobilidade individual. Nós acreditamos que a solução não é menos carros, mas carros melhores”, afirma.