Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Startup Susteneri Piscis faz carne de peixe no laboratório

Projeto promete produzir uma carne com as mesmas proteínas do pescado original, mas sem precisar pescar ou abater o animal

Startup Susteneri Piscis faz carne de peixe no laboratório

Prato de peixe (foto: Caroline Attwood/Unsplash)

Conteúdo exclusivo Startups

Imagine comer carne de peixe fresca, mas sem espinhas ou dano ambiental. Essa é a aposta da Sustineri Piscis (sustentabilidade do peixe, em latim), startup carioca que está desenvolvendo carne de pescado a partir de células cultivadas em laboratório.

Idealizado pelo biólogo marinho e fundador do Aquário Marinho do Rio de Janeiro, Marcelo Szpilman, o projeto promete produzir uma carne com as mesmas proteínas do pescado original, mas sem precisar pescar ou abater o animal, tudo graças à ciência e à tecnologia. “É um mercado sem volta, muito mais saudável e sustentável”, diz o especialista.

O negócio parece promissor. Segundo a empresa de consultoria norte-americana AT Kearney, a carne celular será 35% do mercado mundial de carne em 2040, projetado para chegar a US$ 1,8 trilhão. “Isso significa que o segmento vai movimentar US$ 630 trilhões, ultrapassando o mercado plant-based”, afirma Marcelo.

Para tirar o projeto do papel, Marcelo investiu capital próprio, de valor não revelado, e contou com o apoio de 5 sócios minoritários para fundar a startup em dezembro de 2019. O projeto de pesquisa em aquicultura celular foi realizado ao longo dos últimos 15 meses, no Rio de Janeiro.

A CIÊNCIA POR TRÁS

Tudo começa com a inspeção das células de 4 espéces comerciais de peixes de verdade – Garoupa, Cherne, Robalo e Linguado. A partir da biópsia, a startup obtém e cultiva as células-tronco, que servem como fonte das linhagens celulares e podem ser reproduzidas indefinidamente.

Essas células crescem no laboratório com a temperatura e quantidade de nutrientes ideais para o cultivo, e são alimentadas em biorreatores para formar a biomassa de proteínas da carne de pescado. Sem nenhuma alteração genética, elas se desenvolvem da mesma forma que fariam nos tecidos de um peixe vivo, o que garante que o produto tenha as mesmas propriedades nutricionais que o animal original.

“Quando falamos em carne de laboratório, muita gente acha que é artificial. Não é imitação de carne ou carne de base vegetal – é a carne genuína do pescado. A única coisa é que ela é cultivada no laboratório”, explica Marcelo. Essa é a primeira bioprodução da carne de pescado cultivada no Brasil. Lá fora, quem investe no processo é a startup alemã Bluu Biosciences e as norte-americanas Finless Foods e BlueNalu.

No caso da Sustineri Piscis, o projeto foi feito com apoio do Banco de Células do Rio de Janeiro,  centro referência em cultura de células humanas e animais no Brasil, contratado para desenvolver e executar o projeto de pesquisa. Além da instituição, a Sustineri contou com 2 especialistas em reprodução celular e, para os próximos meses, deve contratar um engenheiro de alimentos para dar sequência à produção.

O processo, segundo Marcelo, não envolve patente. “A gente não produz a tecnologia, o biorreator ou microcarreador. Não tem patente, só o segredo industrial”, explica. O desafio é reproduzir, além das proteínas, o sabor e a textura do peixe original. “Ainda não chegamos onde a gente quer. Estamos terminando de criar o nosso banco de células e depois vamos focar no protótipo para trabalhar nessas melhorias”, diz o empreendedor. A expectativa é chegar em um protótipo até o final deste ano, produzindo alguns gramas de empanado de carne das 4 espécies cultivadas.

Laboratório da Sustineri Piscis (foto: divulgação)

VANTAGENS ESTRATÉGICAS E COMERCIAIS

A promessa é que o pescado seja 100% saudável, segura e confiável. “Boa parte dos peixes que consumimos hoje está contaminada por metais pesados, pesticidas e inseticidas e antibióticos, que geram doenças para o ser humano. A carne feita em laboratório é livre desses contaminantes, e ainda virá sem espinhas e parasitas”, explica Marcelo.

Não é preciso pescar e abater o pescado para produzir a carne e a tecnologia reduz o consumo de recursos naturais, como a água do mar, o que evita o esgotamento dos estoques pesqueiros e promove a sustentabilidade e a conservação da biodiversidade dos oceanos. “Como a produção é local não precisa congelar e transportar o pescado, o que economiza energia e combustível, reduzindo a pegada ecológica com menor emissão de poluentes na atmosfera”, diz Marcelo.

A Sustineri Piscis destaca, ainda, que o produto resolve a questão do balanceamento de carcaça. Na aquicultura tradicional, o profissional tira o filé do peixe, mas não consegue monetizar partes da carcaça animal (que são subprodutos pouco valorizados), além das vísceras, escamas, peles, olhos e vértebras, o que gera muitos resíduos. “Na apicultura celular, não há lixo nenhum, porque a gente só produz aquilo o que vamos comer”, diz.

Segundo o especialista, o custo do produto final também deve ser mais barato para o consumidor. “Hoje, peixe vendido em uma cidade do interior tem um preço alto, porque foi transportado do litoral. Com a tecnologia, posso ter uma bio-peixaria produzindo carne de pescado fresco em qualquer cidade do Brasil”, afirma o biólogo. 

Essa pode ser uma das estratégias da Sustineri Piscis para atrair clientes. Segundo Marcelo, a startup não tem planos de licenciar a bioprodução para outras marcas. “Vamos produzir e comercializar nós mesmos”, afirma. A venda das carnes de pescado deve ser feita nos supermercados, mas o empreendedor não descarta a possiblidade de abrir a sua própria bio-peixaria para vender direto para o público.

A foodtech planeja fechar uma rodada seed em 2023, com a expectativa de levantar de R$ 20 milhões a R$ 30 milhões e, a partir de 2024, entrar no mercado, por meio da produção industrial e comercialização de peças alimentícias de carne moldada (nuggets e hambúrgueres). No futuro, será possível ter a carne cultivada de outros peixes nobres, como atum, salmão, bacalhau e namorado. Outro mercado a ser explorado é o de ração animal, fornecendo o pescado para fazer alimentos para gatos e outros peixes.

A longo prazo, Marcelo espera conseguir trabalhar com as dimensões 3D, com o filé de peixe ou sashimi. A tecnologia já é utilizada em Israel, país referência em tecnologia, pesquisa e geração de novos negócios. A startup Aleph Farms, por exemplo, já começou a desenvolver carnes bovinas cultivadas usando tecnologia 3D.

“Não tenho dúvidas de que isso vai acontecer no mercado [de pescado], mas levará um tempo. As tecnologias estão sendo estudadas e testadas; é onde todo mundo [do setor] quer chegar”, afirma. “Ter exemplos de fora é muito bom, porque mostra que temos um projeto possível de ser alcançado. O mercado é tão grande que existe espaço para todo mundo”, conclui Marcelo.

Banner newsletter StartSe


Assuntos relacionados

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo