Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


ESG: SHEIN irá investir US$ 15 milhões para melhorar condições nas fábricas

A varejista foi acusada de ter fábricas com longas horas de trabalho e pagamento por centavos em peças aos funcionários; agora, ela se pronunciou sobre as acusações e lançou um plano de mudanças com impacto em ESG

ESG: SHEIN irá investir US$ 15 milhões para melhorar condições nas fábricas

Shein (Foto: divulgação LinkedIn)

, jornalista da StartSe

6 min

6 dez 2022

Atualizado: 23 jan 2023

A varejista chinesa SHEIN se tornou uma sensação no Brasil e no mundo pelos preços baixos, entrega rápida (dentre os envios internacionais) e pela variedade de milhares de produtos e tamanhos.

Em novembro, a empresa abriu uma loja temporária em que os clientes poderiam comprar pessoalmente em um shopping em São Paulo e surpreendeu reunindo filas com mais de 7 mil pessoas

Mas, ao mesmo tempo, a Shein também tem sido alvo de críticas por supostas irregularidades em suas fábricas e fornecedores. De acordo com a emissora britânica Channel 4, funcionários estariam recebendo menos de 1 centavo por peça e acumulando uma carga horária diária de até 18 horas por dia.

Agora, a varejista se pronunciou sobre algumas das acusações – e trouxe um plano de investimento de US$ 15 milhões para transformar sua cadeia de fornecedores.

A RESPOSTA DA SHEIN

Salário

A SHEIN negou que os trabalhadores das fábricas recebiam apenas um centavo por peça, mas confirmou que alguns tinham uma jornada de trabalho maior do que o permitido.

Sobre o pagamento, a empresa anunciou que os funcionários das fábricas recebem um salário maior do que o mínimo estipulado por Guangzhou, na China, e que também é “maior que a média de outras indústrias têxteis”. O pagamento de cerca de um centavo por peça é uma comissão que os funcionários recebem além do próprio salário.

Horas trabalhadas

Funcionário trabalhando em fábrica de roupas da SHEIN (foto: divulgação/SHEIN)

A SHEIN nega a carga horária de 18 horas relatada no documentário “Inside The Shein Machine: UNTOLD”, feito pelo Channel 4, mas admite que alguns funcionários estão trabalhando mais do que as 11 horas diárias permitidas por lei na China.

“As investigações mostraram que o máximo de horas trabalhadas na Fábrica A são 13,5 horas por dia, com os funcionários tirando pelo menos de dois a três dias livres por mês. Já na Fábrica B, a investigação mostrou que os funcionários trabalham, no máximo, 12,5 horas por dia e não possuem uma estrutura fixa de dias livres”, escreveu a companhia no anúncio. Uma auditoria foi realizada nas fábricas fornecedoras para chegar a esses números.

Agora, a empresa estabeleceu que as fábricas possuem até o fim de dezembro para se regularizarem e que, caso isso não aconteça, poderão responder judicialmente. A SHEIN anunciou que reduziu sua demanda de produção em ¾ nas fábricas específicas que não estão cumprindo todas as regras.

“Embora a auditoria tenha revelado um problema com o horário de trabalho, isso foi endereçado com os dois fabricantes e reduzimos significativamente nossos pedidos até que tomem medidas efetivas. A SHEIN preza sua reputação como um grupo de moda responsável e não hesitará em tomar medidas como esta quando necessário”, disse Adam Whinston, líder global de ESG na Shein, no anúncio.

 

ESG: planos para 2023… E além

Foto: Divulgação/Shein

O investimento de US$ 15 milhões faz parte de um programa de responsabilidade da própria companhia, que busca estabelecer locais de trabalho seguros para os trabalhadores e fornecedores.

Para além de questões de salário e horas trabalhadas, a empresa anunciou que fará mudanças físicas na estrutura das fábricas. A expectativa é de completar 30 projetos de transformação até o final deste ano; 100 até o fim de 2023 e mais de 300 ao longo dos próximos quatro anos.

E não é por acaso que o anúncio dessas mudanças foi feito pelo líder global de ESG da companhia. A origem dos produtos é um fator cada vez mais relevante no ato da compra. Segundo pesquisa da Opinion Box, 67% dos consumidores têm o hábito, mesmo que às vezes, de pesquisar as práticas de ESG das empresas antes de comprar delas. 

E o que é o ESG? Ele é formado pelo “environmental” (meio ambiente), governança e o social. Por isso, além do impacto no meio ambiente, os consumidores estão de olho se as companhias são diversas, por exemplo, e em como elas têm tratado seus funcionários e escolhido seus fornecedores.


Por que importa?

A SHEIN não é a primeira varejista a ser acusada de longas jornadas de trabalho, baixo pagamento aos funcionários, entre outros problemas da cadeia de produção… E, infelizmente, ela provavelmente também não será a última.

No entanto, a empresa pode ter ganhado (ou reconquistado) a confiança dos consumidores justamente por ter agido de forma transparente, admitindo erros, retificando as informações errôneas e se comprometendo a mudar. Agora, a expectativa é de que ela continue olhando atentamente e diminuindo possíveis impactos negativos em cada pilar do E, S e G.

Conheça todas as tendências do varejo em 2023

Se você deseja ficar por dentro do que há de inovação no varejo sem perder tempo, a forma mais rápida é estar presente no único local do mundo onde as gigantes do varejo se encontram todos os anos:

Na Retail’s Big Show - NRF 2023, que acontece em Nova York.

Nós, da StartSe, estaremos no evento recebendo e orientando um grupo seleto de altas lideranças.

E esse grupo irá muito além dos três dias de evento, porque iremos nos conectar durante 4 dias com o ecossistema e ver na prática a execução das estratégias inovadoras em vários negócios de varejo.

Para mais detalhes sobre como fazer parte desse seleto grupo, basta tocar neste link.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero. Apresenta o podcast Agora em 10 na StartSe e também atua na área de Comunidades na empresa. É especialista em inovação, tecnologia e negócios.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo