Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Diagnóstico de Carreira

NOVO

Se você quer saber como está seu desempenho diante de temas como cultura organizacional, liderança, ESG o diagnóstico é para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Realidade paralela: e se o Uber e o Nubank não tivessem dinheiro para queimar?

Entenda por que alguns modelos de negócio não existiriam se – em uma realidade paralela – não existisse dinheiro do Venture Capital para queimar.

Realidade paralela: e se o Uber e o Nubank não tivessem dinheiro para queimar?

realidade-paralela-uber-nubank-nao-tivessem-dinheiro. (Foto: GettyImages).

, Head de Conteúdo na Captable

6 min

1 ago 2022

Atualizado: 11 jan 2023

Por Victor Marques, da Captable Brasil.

Nem toda startup pode se dar ao luxo de queimar dinheiro para crescer. É verdade. Mas muitos dos modelos de negócio que tornaram a vida da sociedade melhor nos últimos anos seriam impossíveis caso não tivessem tido capital para crescer (e queimar). 

Inovar não é barato – e inovar em grande escala, menos ainda. Para negócios que possuem margens apertadas de lucro e necessidade rápida de crescimento, ter capital disponível para dar prejuízo por alguns anos pode ser a diferença entre viabilidade e impossibilidade. 

Entenda a dinâmica e o equilíbrio necessário para o sucesso.

UMA REALIDADE PARALELA

Uber. Nubank. Netflix. Spotify. iFood. É inegável que essas startups mudaram o modo como uma grande parcela da população se desloca, utiliza serviços bancários, consome entretenimento e se alimenta. Você pode não ser fã do modelo de negócio de alguma delas, mas é improvável que não consuma o serviço de pelo menos uma.

Em uma realidade paralela, onde não houvesse capital de investidores dispostos a apostar em um lucro – muito – distante, nenhuma delas existiria. Nessa realidade, ainda usaríamos táxis, estaríamos sujeitos às taxas e falta de digitalização dos bancos tradicionais, ainda consumiríamos programas de TV em um horário marcado, compraríamos músicas e ligaríamos para o restaurante preferido para pedir comida.

É uma realidade que provavelmente complicaria a vida da maioria de nós. Mas todos esses serviços dependeram de capital intensivo em seu princípio para só, então, fazer sentido como modelo de negócio. Dependendo de capital próprio, não teriam durado um ano ou levariam anos para expandir para outras regiões. 

Teriam perdido a corrida pelo mercado e morrido na praia.

Isso não quer dizer, é claro, que não tenha havido exageros ou descontrole no comando desses negócios ou na forma como foram concebidos em seu princípio, ou que não haveria formas de ser mais eficiente desde o começo. Mas o fato é que foram os testes massivos, expansão agressiva e seus milhões de usuários que os tornaram negócios atrativos e, por fim, viáveis.

EQUILÍBRIO É O SEGREDO

A história do Venture Capital é escrita em hipérboles. De sucessos absurdos a falhas monumentais, os investidores de Venture Capital apoiaram a construção, de um lado, de negócios incríveis que revolucionaram a sociedade, e de outro, de startups que não se sustentaram e se tornaram especialistas em queimar dinheiro sem, infelizmente, produzir valor para a sociedade.

O segredo para o sucesso das startups daqui para frente será entender que a melhor forma de atuar nesse mercado não está nem no excesso de queima de capital que ocorreu, principalmente, em 2020 e 2021 e nem em somente desenvolver negócios que possam crescer apenas com o capital gerado por eles.

O equilíbrio será o que permitirá que novos Netflix, Uber e Nubank continuem nascendo – já que dificilmente seriam negócios lucrativos desde o princípio – ao mesmo tempo que corrigirá excessos que poderiam ter comprometido a viabilidade deles no princípio, não fosse a abundância de capital disponível no início de suas jornadas.

POR QUE IMPORTA?

Correção: a palavra é uma tendência quando se fala da situação atual do Venture Capital. A intenção é mostrar que os valuations dos últimos anos eram excessivos e não que hoje haja uma subvalorização das startups. É um momento de corrigir o hype e não de penalizar o ecossistema.

Mas a correção vai além do sentido financeiro: o momento também corrigirá posturas megalomaníacas de CEOs que fundaram seus negócios em meio à era de ouro do Venture Capital e aqueles empreendedores que se inspiraram neles para criar seus negócios.

O momento é de atenção e o resultado de quem souber aprender com ele será de maior resiliência e capacidade de ter sucesso – em qualquer situação econômica ou clima do Venture Capital. Para o ecossistema, é uma chance de corrigir os erros para se tornar ainda mais forte – sem deixar de construir um futuro melhor e mais conveniente para toda a sociedade.

Para ter a chance de ser sócio desses negócios com crescimento acelerado, conheça a Captable, plataforma de investimento em startups da StartSe e confira as startups disponíveis para investimento. Para ficar sabendo em primeira mão de novas oportunidades, participe do grupo exclusivo do Telegram! Se você quer captar conosco, saiba mais e se inscreva no nosso processo de seleção.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Victor Marques é Head de Conteúdo na Captable, maior hub de investimentos em startups do Brasil, que conecta seus mais de 7000 investidores a empreendedores com negócios inovadores. Escreve há mais de dois anos sobre inovação. Formado em Letras e Mestre em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo