Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Por que a Trocafone comprou uma empresa de varejo?

Empresa de compra e venda de celulares usados passa a oferecer serviços de reparos de aparelhos a varejistas

Por que a Trocafone comprou uma empresa de varejo?

Trocafone (Fonte: Divulgação)

, Redator

5 min

20 out 2022

Atualizado: 16 nov 2022

Conteúdo exclusivo Startups 

Enquanto seu IPO não se concretiza, a Trocafone, empresa de compra e venda de smartphones e tablets seminovos, desembolsou R$ 125 milhões para adquirir 100% do controle do Grupo PLL, que presta serviços de pós-venda para seguradoras, varejo e operadoras de celular. 

A compra permitirá à Trocafone ampliar o escopo para serviços de reparo de aparelhos voltados para varejos, seguradoras, fabricantes, operadoras, instituições financeiras e ao consumidor final. O modelo de negócios tende a ser replicado em um curto espaço de tempo com outros tipos de eletrônicos, como TVs e notebooks.

Considerando a compra do Grupo PLL, a companhia projeta encerrar este ano com receita bruta de R$ 500 milhões, o que representa um crescimento de 40% em relação a 2021. “Com a união das duas empresas, vamos alcançar um volume de 500 mil reparos de smartphones por ano”, comenta Guille Freire, co-CEO da Trocafone, em comunicado.

Para ajudar neste momento de crescimento e consolidação das operações, a Trocafone traz o executivo Rafael Steinhauser para presidir seu conselho. Com quase 40 anos de experiência na indústria de tecnologia na Europa e América Latina, o profissional acumula passagem como CEO na Nortel Networks, Cisco Systems e Qualcomm

Guille Freire e Guille Arslanian, cofundadores da Trocafone (Foto: Divulgação)

Na fila do IPO

A empresa de compra e venda de celulares usados entrou com pedido de IPO na B3 em junho/21. Sua oferta pública inicial de ações tem como coordenador-líder o Itaú BBA e participação do BTG Pactual, Goldman Sachs e UBS BB.

No documento de prospecção, a companhia afirma que pretende usar os recursos com a venda das ações para atividades de fusões e aquisições, investir em marketing, reforçar o capital de giro, e investir no crescimento do negócio, inclusive com expansão para a América Latina.

Desde sua fundação, em 2014, a Trocafone já levantou US$ 62,4 milhões, segundo dados do Crunchbase. A varejista também já devolveu quase 2 milhões de smartphones para o consumidor, por meio de suas plataformas digitais e off-line. 



Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo