Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


“Metaverso está sendo construído e aí está seu potencial”, diz madrinha do metaverso

Ainda em fase de construção, o metaverso surge como potencial espaço de criação para negócios e carreiras, mudando o jeito como enxergamos muitas coisas hoje

“Metaverso está sendo construído e aí está seu potencial”, diz madrinha do metaverso

, Jornalista

4 min

5 dez 2022

Atualizado: 5 dez 2022

Algumas gerações foram marcadas pelo medo de estar vivendo em um mundo virtual -- uma ilusão --, assim como no filme Matrix. Hoje, entretanto, 64% dos jovens da Geração Z jogam games online. Desses, 54% costumam comprar acessórios e extensões dentro deste universo, segundo o estudo “Geração Z: metaverso, internet e hábitos de compra”, desenvolvido pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo). 

Eles mesclam o universo físico e digital e não enxergam problema nisso. E provavelmente não vai ser um problema nos próximos anos; por isso, é preciso estar atento e preparado. 

Cathy Hackl, considerada madrinha do metaverso, participou do fórum de inovação promovido pela Mastercard, em Miami, e diz que existe um hype em torno do nome e é preciso separar o que é verdade do que não é. Ela estuda o movimento há mais de 10 anos e enxerga muita potencialidade. 

“A realidade é que o metaverso não está aqui na sua plenitude. Ele está sendo construído e aí está seu potencial”, afirma.

Metaverso não é uma tecnologia nem uma empresa

Metaverso em proposta da Meta (foto: divulgação)


Ela foi enfática ao dizer que não é porque uma das maiores empresas do mundo mudou seu nome, que ela se torna detentora do movimento. Todos podem fazer parte. Além disso, o metaverso é composto por várias tecnologias (realidade virtual, 5G, computação em nuvem, smartphones), trazendo mais complexidade e também possibilidades. 

E quando a gente fala em metaverso, estamos falando em como experienciamos o futuro da internet. Ou seja, existe um grande campo possível para construção. “No metaverso, nós somos construtores de mundos”, diz ela. 

Essas oportunidades se abrem para negócios, que começam a pensar em experiências mesclando o físico e o virtual, mas também em como pensamos carreira e a nossa relação com a tecnologia. 

Por que importa?

Ela acredita que o metaverso vai nos tornar mais criativos, dinâmicos, permitindo também aos criadores de conteúdo que colham o valor das suas produções por meio da tokenização. 

Mas até que ele se torne algo factível, a premissa é de experimentação. Só assim será possível criar novas jornadas para os clientes e pontos de compras, mantendo sua ação relevante e atenta ao desejo do público. 

* a jornalista viajou a convite da Mastercard


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista focada em empreendedorismo, inovação e tecnologia. É formada em Jornalismo pela PUC-PR e pós-graduada em Antropologia Cultural pela mesma instituição. Tem passagem pela redação da Gazeta do Povo e atuou em projetos de inovação e educação com clientes como Itaú, Totvs e Sebrae.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo