Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Mercado de fintechs: PicPay protocola pedido de IPO na Nasdaq

O IPO será coordenado pelos bancos Bradesco BBI, BTG Pactual, Santander Investment Securities Inc. e Barclays Capital Inc. Entenda por que o mercado de fintechs está fazendo barulho no mundo dos negócios.

Mercado de fintechs: PicPay protocola pedido de IPO na Nasdaq

PicPay (Foto: Divulgação PicPay)

, jornalista

6 min

22 abr 2021

Atualizado: 4 jan 2023

Por Sabrina Bezerra

O PicPay — aplicativo de carteira digital controlado pela holding J&F, da família Batista — protocolou o pedido de sua oferta pública inicial de ações (IPO) na Nasdaq, segunda maior Bolsa de Valores de Nova York. Segundo o documento enviado à SEC (Securities and Exchange Commission, a CVM americana) o IPO será coordenado pelos bancos Bradesco BBI, BTG Pactual, Santander Investment Securities Inc. e Barclays Capital Inc.

PicPay (Foto: Divulgação PicPay)

PICPAY


Linha do tempo
2012. Esse foi o ano em que a fintech foi fundada, no Espírito Santo. O primeiro serviço oferecido foi wallets com código QRCode. No ano seguinte, a empresa lançou o pagamento P2P (peer to peer) — rede de computadores que compartilham arquivos pela internet. Em 2014, foi lançado o PicPay Pro, modalidade de pagamento para autônomos e empresas. Após um ano, o Banco Original, instituição financeira controlada pelo J&F Investimentos SA, holding dos irmãos bilionários brasileiros Wesley e Joesley Batista, que também possuem o gigantesco frigorífico JBS SA, comprou parte do PicPay.

No ano de 2016, em parceria com o Facebook, o Feed Social, solução que permite a venda de produtos por meio de um anúncio ativo na rede social, foi inaugurado. No ano seguinte, o PicPay Empresas e Stone foi lançado. Em 2018 o foco da empresa foi em e-commerce e assinatura. Cerca de doze meses depois, saque 24 horas, rendimento de carteira e cartão foram as novas apostas da fintech. 

Já em 2020, ano marcado pela pandemia, foi lançado o Pix, distribuição de serviços sociais, central de doações e PicPay Login. O negócio surgiu na época certa, afinal, o ano foi marcado por muitas transmissões de lives, que tinham o objetivo de arrecadar dinheiro para instituições de caridade. 2020 também foi um ano explosivo para a empresa, que movimentou aproximadamente R$ 36,2 bilhões (Total Payment Volume - TPV). 

Sua base de clientes cresceu de 38,8 milhões em 2020 para 49,9 milhões em março de 2021. No início de abril, bateu 50 milhões. Além disso, atualmente conta com 2,1 mil funcionários. Sendo mil apenas no setor de tecnologia. O objetivo é contratar cerca de 3 mil funcionários até o final deste ano.

Agora, a empresa protocolou o pedido de sua oferta pública inicial de ações na Nasdaq. Vale lembrar: o PicPay não é a primeira fintech brasileira a abrir capital na Nasdaq. PagSeguro e Stone também estão listadas na Bolsa dos Estados Unidos.

POR QUE IMPORTA?

Não é segredo que o mercado de fintechs está avançando. Trata-se de um dos setores mais populares do Brasil, pois ainda existe um espaço gigantesco de melhorias. Embora os bancões (os mais tradicionais como Bradesco, Caixa, Itaú e Santander) sejam fortes no país, ainda estão demorando para adaptar-se às novas tecnologias. O que abre espaços para startups — das mais variadas — entrarem na competição. É o caso, por exemplo, da varejista Americanas, que tem o AME, conta digital da empresa; o Mercado Livre, que tem o Mercado Pago, carteira digital; o Magazine Luiza, com o Magalu Pay, conta digital para clientes; o Uber, que anunciou o lançamento de uma conta digital para motoristas, entre outras.

O mercado de fintechs também é promissor e marca tendência quando o assunto é investimento. No ano passado, as startups do setor financeiro lideraram as rodadas de investimento. Não foi diferente no primeiro trimestre deste ano: o setor recebeu aportes — que somados — totalizam R$ 3,3 bilhões, seis vezes maior que o de um ano atrás.

Curtiu? Quer entender mais sobre a fintechzação dos mercados? Aproveite: tem aula gratuita sobre o assunto na plataforma StartSe. Clique aqui.

O "Tradicional" já não tem mais impacto. Conheça nosso programa de Formação Executiva xBA e construa um diferencial competitivo relevante para sua liderança, dominando os inovadores princípios de uma Gestão Exponencial aprendendo diretamente com experts internacionais do Vale do Silício, em um programa exclusivo e restrito em parceria com a Nova SBE Executive Education, uma das mais conceituadas Escolas de Negócios da Europa.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo