Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Hambúrguer em pó, feito de plantas, ganha as prateleiras no Brasil

Adeus, congelados? Praticidade é mote de empresas de produtos plant-based que vendem mistura em pó para hambúrguer

Hambúrguer em pó, feito de plantas, ganha as prateleiras no Brasil

, jornalista da StartSe

4 min

1 jul 2022

Atualizado: 23 jan 2023

Esqueça o congelador. Agora, para comer uma carne de hambúrguer feito de plantas, você precisará apenas de água, azeite ou óleo e a mistura do sabor específico. O mercado plant-based continua a crescer no Brasil – e a novidade da vez são os produtos em pó.

Alimentos deste tipo chegaram nas prateleiras dos supermercados e e-commerces através da N.ovo, que criou misturas para ovos e omeletes veganos. Agora, no entanto, também é possível fazer o próprio hambúrguer plant-based em casa, contando com as misturas prontas da Custom Culinary ou WVegan.

Até o momento, as principais marcas de hambúrguer do setor vendem os produtos apenas congelados, a exemplo da Fazenda Futuro, NotCo, The New, entre outras. Mas as marcas com versões em pó esperam se diferenciar pela praticidade.

LOGÍSTICA

Se a ideia de um hambúrguer em pó pode ser estranha inicialmente, uma coisa não pode ser ignorada: alimentos assim não possuem as mesmas dificuldades logísticas de consumo e conservação que os produtos congelados – e isso impacta não apenas as próprias empresas, mas também os consumidores. No anúncio do site da WVegan (onde o produto pode ser comprado), por exemplo, o mote é que a mistura está “pronta para viajar com você”. 

O produto leva proteína de ervilha, fibra de bambu, cloreto de sódio, cebola em flocos, farinha de arroz, alho moído, beterraba em pó desidratada e extrato de cacau.

Na versão da Custom Culinary, o ingrediente principal também é a ervilha -- legume é muito presente nas receitas de empresas plant-based por conta da concentração de proteína. No entanto, o principal argumento da Custom Culinary é de que os consumidores podem escolher as misturas e preparar os alimentos da forma que desejarem. A empresa também possui mistura para queijo vegano, e ambos os produtos estão à venda online.

POR QUE IMPORTA?

Porque é mais uma vertical surgindo na alimentação plant-based – que vem crescendo e muito. De acordo com uma pesquisa do IBOPE, coordenada pelo The Good Food Institute (GFI), 49% dos brasileiros já reduziram o consumo de carne nos últimos 12 meses. Deste número, 12% passou a consumir carne plant-based e 47% substituiu apenas por vegetais, como legumes e grãos.

As empresas do setor geralmente trazem alguns objetivos em comum: oferecer alternativas saudáveis, mas sem origem animal e com menor impacto ao meio ambiente. Agora, vale acompanhar o comportamento dos consumidores para entender a forma preferida de consumo – convencional, congelada e mais próxima às alternativas tradicionais, ou as que são em pó. Seguiremos acompanhando…

Banner newsletter StartSe


Imagem de perfil do redator

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero. Apresenta o podcast Agora em 10 na StartSe e também atua na área de Comunidades na empresa. É especialista em inovação, tecnologia e negócios.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo