Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Goldman Sachs investe R$ 2 bilhões em fintech brasileira

Warren Buffett, Goldman Sachs… todo mundo quer uma fatia do bolo irresistível das fintechs brasileiras. Saiba mais sobre o investimento na MeuTudo, fintech de crédito consignado.

Goldman Sachs investe R$ 2 bilhões em fintech brasileira

goldman-sachs-investe-2-bilhoes-em-fintech-brasileira

, Head de Conteúdo na Captable

6 min

11 jun 2021

Atualizado: 11 jan 2023

Por Victor Marques

Nem só de Nubank vive o mercado de fintechs brasileiro. Depois do Nubank chamar a atenção de Warren Buffett, outra fintech conquistou investimento volumoso de um nome de peso: a MeuTudo -- fintech de crédito consignado -- recebeu investimento de R$ 2,1 bilhões da Goldman Sachs Asset Management, o investimento inclui participação acionária além de financiar sete FIDCs (um tipo de fundo de investimento caracterizado pela aquisição de direitos creditórios, ou seja o financiamento das operações de crédito de uma instituição).

A MEUTUDO

A MeuTudo foi fundada em 2017 e começou operando como um marketplace de soluções de crédito consignado oferecidas por nove bancos diferentes. A ideia era remover o intermediário, profissionais autônomos que vendiam essas soluções em troca de uma comissão - geralmente visitando clientes, um a um. 

Além da baixa eficiência, esse modelo antiquado trazia outros problemas: tentativas de conseguir o maior valor de empréstimo possível (já que a comissão é proporcional), não pensando no melhor para o cliente, o que ocasionava alto número de reclamações e, como consequência, maior custo do empréstimo - que precisa considerar a comissão paga ao autônomo.

A fintech ainda trabalha com o mesmo princípio - eliminar intermediários. Inclusive, eliminou mais um: hoje a MeuTudo trabalha oferecendo empréstimos próprios, através de FIDCs, sem depender dos bancos.

Ainda assim, a MeuTudo se insere num mercado de alta concorrência, com margens apertadas e clientes que, em sua maioria, não estão adaptados às soluções digitais - 100% das operações de crédito são feitas via app. A expectativa da fintech é que, com a pandemia, a digitalização "forçada" tenha trazido mais proximidade do público aposentado - um dos principais clientes de empréstimos consignados - às soluções digitais.

O INVESTIMENTO

Segundo a MeuTudo as conversas com o Goldman Sachs começaram envolvendo apenas o funding para as operações de crédito mas evoluíram para incluir participação acionária do Goldman Sachs na fintech. 

Marcio Feitoza, fundador da MeuTudo, disse em entrevista ao Brazil Journal que a Goldman não queria cometer o mesmo erro que ocorreu quando investiu na operação inicial do Nubank, deixando de comprar participação acionária no roxinho - o que os impediu de participar de todo o crescimento que tiveram depois.

A rodada de investimento teve follow-on da DOMO Invest, que já havia investido na fase seed em 2019 e, com os recursos combinados aos da Goldman Sachs, permitirá a aceleração do lançamento de novos produtos, como cartão de crédito vinculado ao salário, consignado vinculado ao FGTS - recentemente regulamentado pelo Banco Central - e outras linhas de crédito consignado (hoje opera exclusivamente no INSS).

Outra área que ganhará atenção é a portabilidade, ou seja, pessoas que querem migrar de instituições que ofereceram crédito consignado a taxas maiores para a solução da MeuTudo. Segundo a fintech, há uma fila de mais de 200 mil clientes para portabilidade que não foram atendidos por falta de recursos.

POR QUE IMPORTA?

O investimento na fintech é mais uma evidência que os fundos internacionais estão de olho no potencial de crescimento das fintechs brasileiras. Depois de Warren Buffett investindo no Nubank, o investimento da Goldman Sachs é mais um sinal do apetite e confiança dos investidores nas soluções propostas pelas fintechs nacionais.

Em breve você também terá a chance de ter uma fintech em seu portfólio de investimentos, através da CapTable, a plataforma de investimento em startups da StartSe. Junte-se ao canal da CapTable no Telegram e seja avisado em primeira mão sobre novas captações e cadastre-se na plataforma para estar um passo mais próximo de investir em uma fintech.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Victor Marques é Head de Conteúdo na Captable, maior hub de investimentos em startups do Brasil, que conecta seus mais de 7000 investidores a empreendedores com negócios inovadores. Escreve há mais de dois anos sobre inovação. Formado em Letras e Mestre em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo