Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Como o futebol está transformando os negócios?

O que futebol e negócios tem em comum? TUDO!

Como o futebol está transformando os negócios?

Foto: Getty Images

, Produção de Conteúdo

10 min

30 nov 2022

Atualizado: 13 dez 2022

Copa do Mundo é um evento que acaba mexendo com o coração de todo mundo. Mesmo aqueles que não são chegados, não acompanham e mal entendem as regras do futebol, vibram em um espírito contagiante de torcida unida pela mesma paixão. 

A magia do futebol permanece em todas as Copas, mesmo que o modo com que os torcedores participam esteja totalmente transformado de uns anos para cá. Antigamente, o rádio era o maior veículo de transmissão e informação sobre os jogos. Posteriormente, veio a televisão, que também passou por muitas transformações, desde ser em preto e branco até 1970, quando a primeira Copa do Mundo a cores foi transmitida. 

Ainda hoje, vivenciamos muitas modificações; a televisão evoluiu para o 4K das smart TVs, e a disputa entre direitos de exibição dos jogos de canais abertos versus canais pagos, que fazia muito sentido há alguns anos, com os direitos de transmissão caríssimos e impactando milhões em audiência, em 2022 passou a ser uma disputa entre televisão e transmissão gratuita feita pelo Youtube, uma grande Máquina de Atenção das redes sociais.

Não somente o canal de transmissão mudou, mas a entrega final. Antes, grandes narradores esportivos estavam por trás da animação da torcida, que deu preferência a um influencer como o streamer Casimiro para a transmissão oficial dos jogos pela Fifa no Youtube. Traduzindo para o mundo dos negócios, traços da cultura, do ambiente e comportamento das pessoas mudaram e, por consequência, os padrões de consumo também. 

Os canais e o modo de transmitir os jogos mudaram. O acesso às transmissões e informações sobre os jogos em real time, bem como o engajamento do público mudou. Os patrocinadores, por conseguinte, também mudaram. Tudo está diferente, mais tecnológico do que nunca.

Continuando na esfera das transformações, mesmo que estejamos vivendo na era dos algoritmos e incorporação da inteligência artificial, o resultado de cada jogo é muito imprevisível. Ainda que se possa analisar as habilidades de cada jogador sozinho e em conjunto, a performance em campo pode ser completamente diferente do esperado em cada dia, devido a uma série de fatores que influenciam seu comportamento, como clima, estado emocional pré-jogo, investidas dos adversários etc. 

Portanto, é muito difícil dizer se um dia os robôs serão capazes de afirmar com precisão o resultado de um jogo. Contudo, isso não impediu que o mercado de apostas, Bet Tech, ganhasse notoriedade no esporte. 

Nomes como O Rei do Pitaco e Cartola se destacaram com aportes milionários de grandes investidores como Globo Ventures e DST Global, mostrando que o mercado das sportstechs e apostas está mais promissor do que nunca, acompanhando a digitalização da Copa.

E as apostas são emocionantes, pois são sempre uma surpresa. O Brasil, que sempre foi conhecido como a nação do futebol, está há 20 anos lutando pelo Hexa. A Itália, tetracampeã, foi eliminada antes mesmo da Copa do Mundo 2022 começar. 

O sucesso do passado não garante sucesso no futuro. 

Essa máxima parece familiar? Não só vale para o futebol, como é frequentemente disseminada por nós no mundo dos negócios. O primeiro fato que discutimos quando falamos em Organizações Infinitas é que nenhuma empresa, por maior que seja sua relevância e valor de mercado, está imune ao fracasso; e nenhum modelo de negócio sobrevive para sempre sem passar por transformações. 

Isso não significa que a televisão vá acabar, mas ignorar a digitalização e democratização do acesso aos conteúdos pode ser fatal. A emissora que souber surfar nesse hype e ofertar seus conteúdos no que chamamos de módulo transmidiático, aproveitando o engajamento massivo nas redes sociais, sairá vitoriosa. 

Este raciocínio segue para qualquer segmento, para além do futebol e canais transmissores de conteúdo; qualquer empresa, qualquer produto e serviço, estão passíveis de transformações velozes da Nova Economia, e precisam ter em mente que, até mesmo o maior sucesso do mundo, pode em instantes acabar, se não estiver pronto para disruptar-se.

No novo episódio do Podcast Organizações Infinitas, desntrinchamos em profundidade as mudanças comportamentais e culturais que o futebol vem sofrendo ao longo dos anos, bem como os reflexos disso na indústria e no mercado como um todo. Assista agora mesmo ao episódio na íntegra:

Thumbnail do vídeo


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Produtora de conteúdo na StartSe, roteirista e organizadora do Podcast Organizações Infinitas.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo