Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Fintech torna metade de seus funcionários sócios para crescer à longo prazo

Entenda como a fintech Cora aderiu ao modelo de partnership para crescer.

Fintech torna metade de seus funcionários sócios para crescer à longo prazo

, jornalista da StartSe

6 min

24 mar 2021

Atualizado: 23 jan 2023

Por Tainá Freitas

Quantas vezes você já viu empresas desejando que os funcionários tenham “senso de dono”? Na fintech Cora, isso se tornou uma realidade prática. A startup abriu 8% das ações da empresa para compra por seus colaboradores, que se tornaram sócios.

A empresa adotou o modelo de partnership, utilizado por companhias como XP Investimentos, Alpargatas, a foodtech Orgânico e a própria StartSe. A oferta de compra de ações foi oferecida para as primeiras 50 pessoas do quadro de funcionários da Cora – atualmente, a companhia emprega 100 pessoas.

“Decidimos pelo modelo de partnership para trazer alinhamento à longo prazo na empresa. É comum que as companhias empurrem o ‘sentimento de dono’, mas na hora do faz me rir, não acontece”, explica Igor Senra, CEO e fundador da Cora, em entrevista à StartSe. A escolha pelas primeiras 50 pessoas da companhia é pelo papel fundamental que possuem na construção da cultura da fintech.

A premissa é de que o modelo ajude a atrair os melhores talentos, bem como estabelecer planos para o futuro. “Acreditamos que teremos uma empresa incrível somando os profissionais com as condições e hipóteses para que caminhem por conta própria. É perceptível que, ao tomar decisões, eles não olham apenas o próprio lado, mas no que é melhor para todo o time e para o negócio como um todo”, afirma Senra.

Os funcionários puderam comprar as ações da companhia com o preço de referência da última rodada de investimento, realizada em 2019. Do tipo “semente”, o aporte foi de US$ 10 milhões, liderada pelos fundos Ribbit Capital e Kaszek Ventures.

E OS FUNDOS DE INVESTIMENTOS?

A expectativa é de, em breve, oferecer a mesma oportunidade para todos os funcionários da companhia. A Cora se prepara para abrir a segunda rodada -- um dos critérios é que as pessoas trabalhem ao menos um ano na fintech.

A cada rodada que abre para os funcionários, a Cora reduz a possibilidade de participação dos fundos de capital de risco, por exemplo. No entanto, isso não é visto com maus olhos.

“Para os fundos, mais do que ter um, dois ou três fundadores, eles passam a ter uma legião de pessoas alinhadas com o interesse deles. Eles entendem que é impossível fazer as coisas sozinhos e que a chance de alcançar o objetivo é maior”, conta o fundador da Cora.

TER SÓCIOS OU NÃO TER? Veja a discussão entre Pedro Englert, presidente do conselho da StartSe, e Marcelo Pimenta, líder de marketing da companhia.

Thumbnail do vídeo

O MODELO ADOTADO PELA CORA

O modelo de partnership da Cora não foi adotado dos Estados Unidos, mas criado com o escritório Mattos Filho de acordo com a legislação brasileira. Para Igor Senra, isso é imprescindível no processo, pois apenas importar o modelo popularizado pelas startups poderia acarretar em negligência e até mesmo problemas tributários.

“O desenvolvimento do modelo da Cora foi feito em diversas reuniões e totalmente integrado com o negócio, e com as pessoas que estão envolvidas e abrangidas por esse modelo. Não existe um formato pré-definido, cada caso é particular para atender aos objetivos desejados”, conta Isabel Bueno, sócia de Tributário do escritório de advocacia Mattos Filho. Na Cora, está previsto que, mesmo se o funcionário sair da empresa, ele pode manter a ação -- em outras companhias, isso não é possível. O que a fintech possui é preferência em caso de venda de ações.

No segmento de ações secundárias, o fundador da startup acredita que serão criados fundos especializados, para que profissionais de qualquer empresa possam vendê-las para terceiros. “O mercado está evoluindo rápido e a participação para colaboradores está se tornando uma ferramenta indispensável no mundo moderno”, argumenta.


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero. Apresenta o podcast Agora em 10 na StartSe e também atua na área de Comunidades na empresa. É especialista em inovação, tecnologia e negócios.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo