Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Entregas em 15 minutos? Essa é a proposta da parceria do Carrefour com a Cornershop; conheça

O mercado de delivery de compras com entregas rápidas tem um novo competidor

Entregas em 15 minutos? Essa é a proposta da parceria do Carrefour com a Cornershop; conheça

Homem de costas andando com carrinho no supermercado (Fonte: Getty Images)

Conteúdo exclusivo Startups 

Unindo forças com o Cornershop, da Uber, o Carrefour lançou sua solução, chamada Carrefour Já, com entregas em 15 minutos.

Desenvolvida em parceria pelas duas empresas, a nova marca começa com sua operação em São Paulo e utiliza a estrutura das lojas Carrefour Express para a seleção e entrega dos produtos. Atualmente, o modelo já conta com 5 lojas da rede varejista, localizadas em pontos estratégicos da capital paulista.

Segundo o Carrefour, a operação dentro das lojas Carrefour Express contribui para o maior sortimento de produtos, além de uma grande variedade de fornecedores. “Hoje, o projeto trabalha com um número entre 2 mil e 3 mil SKUs por loja e com abastecimento diário, o que garante a qualidade dos produtos frescos, que correspondem a 30% dos itens pedidos”, destacou a rede em nota à imprensa.

Para completar, a empresa afirma que o modelo se diferencia de outros players de entregas rápidas – Daki, por exemplo – que opera com dark stores e restringe o número de produtos, ficando em média de mil SKUs.

“Esse modelo permite unir a expertise em varejo do Grupo Carrefour com a tecnologia de intermediação da Cornershop by Uber para criar a melhor experiência para o usuário que deseja fazer uma compra de urgência, pois ele terá acesso a um mix variado de produtos, com a confiabilidade do catálogo no app e agilidade na entrega. Para isso, trabalhamos em conjunto com diversas áreas do Carrefour para desenhar cada etapa do processo”, explica Cristina Alvarenga, head da Cornershop no Brasil.

De acordo com a líder da Cornershop, Todas as etapas do processo foram pensadas para oferecer a melhor experiência para todos os envolvidos, inclusive quem realiza as entregas, com áreas limitadas em torno de cada loja e a tecnologia da Uber para localizar os entregadores, até a equipe das lojas na separação dos pedidos.

“Dessa forma, conseguimos oferecer um tempo hábil para que esses entregadores se desloquem sem pressa até o local de entrega”, esclarece Cristina.

Competição acirrada

A parceria com o Carrefour abre uma nova linha no modelo do Cornershop, serviço que a gigante da mobilidade manteve no Brasil mesmo após recentes cortes como a dissolução do Uber Eats por aqui.

Contudo, diferentemente do mercado de delivery de alimentos, o segmento de entregas rápidas de supermercado ainda está em desenvolvimento no país, com diversos players querendo a sua fatia no mercado. Inclusive, nomes fortes no food delivery como iFood e Rappi estão na briga.

Contudo, nomes como a Daki fizeram seu nome no último ano com estas entregas ligeiras. Inclusive, a Daki ascendeu rapidamente ao status de unicórnio no Brasil. Em 10 meses, a empresa saiu do zero e chegou ao valor de mercado de US$ 1,2 bilhão, depois de receber um cheque de US$ 260 milhões em dezembro de 2021.

Mesmo assim, nem tudo são flores. Em julho, a Daki teve que enxugar a folha de pagamento em meio à instabilidade macroeconômica e austeridade no mundo de investimentos de venture capital.

Segundo apurou o Startups na época, a empresa demitiu 119 pessoas entre janeiro e junho, sendo que a grande maioria – 100 colaboradores – trabalhava nas dark stores. Estas demissões, que a startup diz não estarem relacionadas a uma reestruturação, fizeram parte de um primeiro ciclo de avaliação de desempenho semestral. Isso aconteceu em três momentos, com toda a força de trabalho em 11 cidades.



Assuntos relacionados

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo