Sou Aluno
Formações
Imersões
Eventos
Tools
Artigos
Sobre Nós
Para Empresas

“Se você não quer ver anúncios, pague por isso”, diz cofundador do YouTube

Steve Chen fala sobre o mercado de assinaturas nas redes sociais. Segundo ele, o método é uma solução para a monetização no curto prazo. Para o futuro próximo, outras inovações devem aparecer. Confira!

“Se você não quer ver anúncios, pague por isso”, diz cofundador do YouTube

Steve Chen durante o Fórum Biban 2023, realizado na Arábia Saudita (Foto: divulgação Biban)

, jornalista

6 min

26 abr 2023

Atualizado: 19 mai 2023

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!

Steve Chen acredita que as assinaturas de mídia social são soluções para o curto prazo quando o assunto é monetização — processo de converter algo em dinheiro. No entanto, no longo prazo, a história é outra.

Por quê? “Acho que daqui a um ou dois anos, os modelos de monetização vão mudar e, essa, é a parte mais empolgante da inovação que leva ao sucesso no Vale do Silício", disse o taiwanês em coletiva de imprensa durante o Fórum Biban 2023, realizado na Arábia Saudita, em que a StartSe, única mídia brasileira presente, fez a cobertura

Ou seja, outro método — que a gente ainda não conhece — existirá, colocando em xeque o atual modelo de assinatura.

Chen compara com o mercado de assinatura de games… 

“Nos jogos online, você pode baixá-lo gratuitamente, porém, tem que comprar coisas durante o jogo. É [um modelo] muito diferente quando comparado há cinco anos”, diz Chen.

"As crianças de hoje, mais do que qualquer coisa, querem para o Natal, apenas para poder comprar adesivos diferentes nesses jogos. Então, obviamente, está funcionando. Acho que, novamente, daqui a um ano, dois anos, as coisas vão mudar continuamente”, completa.

“Afinal, a tecnologia está se movendo mais rápido do que nunca agora”, afirma.


Como funciona a assinatura no YouTube?

No caso do YouTube, inicialmente, a plataforma não foi criada com modelo de assinatura. “Sempre quisemos tornar o upload gratuito e ainda é gratuito hoje. As assinaturas se aplicam apenas aos espectadores e acho que faz sentido. Se você não quiser ver anúncios e economizar tempo, pague por isso”, diz Chen.

Hoje, a empresa oferece um plano de assinatura para os usuários assistirem a conteúdo sem anúncios e outros benefícios, como:

  • Assistir aos vídeos sem anúncios
  • YouTube Music Premium incluso
  • Download de vídeos para assistir offline
  • YouTube Originals

Quanto é a assinatura do YouTube?

A assinatura Premium do YouTube custa R$ 20,90 por mês. 

Steve Chen, cofundador do YouTube, durante o Fórum Biban 2023 (Foto: divulgação Fórum Biban)

Quantos assinantes tem o YouTube Premium?

O YouTube ultrapassou 80 milhões de assinantes Premium e Music em todo o mundo em 2022. 

Trata-se, segundo a companhia, de um aumento de 30 milhões de pessoas em comparação aos 50 milhões de usuários anunciados no ano anterior.

A título de comparação, o Spotify bateu 205 milhões de assinantes em 2022.

Por que importa?

O mercado de assinaturas tem se tornado uma estratégia importante para os negócios. Isso porque, oferece uma fonte de receita recorrente e previsível —  o que pode melhorar a sustentabilidade financeira das empresas.

E isso vale para os mais diversos segmentos. No caso de algumas varejistas, por exemplo, apostam em clubes de assinatura — mercado que movimenta mais de R$ 1 bilhão por ano no Brasil, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm). Caso queira entender mais sobre esse mercado e como funciona, eu escrevi essa matéria. Confira!

*Jornalista viajou para a Arábia Saudita a convite do Fórum Biban

LEITURA RECOMENDADA

Acesse o app da StartSe e confira conteúdos exclusivos. Baixe gratuitamente o novo app StartSe e tenha acesso a conteúdos exclusivos: Android | iPhone

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Sabrina Bezerra é jornalista especializada em carreira e empreendedorismo. Tem experiência há mais de cinco anos em Nova Economia. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Leia o próximo artigo

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!