Sou Aluno
Formações
Imersões
Eventos
Tools
Artigos
Sobre Nós
Para Empresas

Com novo aporte, Mergus consolida vertical de mobilidade aérea

Com novo aporte, Mergus consolida vertical de mobilidade aérea

Com novo aporte, Mergus consolida vertical de mobilidade aérea

, conteúdo exclusivo

4 min

3 jul 2024

Atualizado: 3 jul 2024

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!

Dos drones aos carros voadores, as startups de mobilidade aérea têm chamado a atenção do venture capital. No Brasil, o maior exemplo é a Eve, que nasceu da Embraer-X e levantou recentemente US$ 94 milhões em uma operação de aumento de capital junto a seus investidores. Focada em mercados imaturos, globais, e "com competição ainda difusa", a Mergus Ventures não demorou para querer entrar nesse segmento.

A gestora participou recentemente de uma rodada seed de € 3,7 milhões da startup francesa HyLight, que fabrica drones dirigíveis movidos a hidrogênio. A rodada contou ainda com investimentos da Y Combinator, Ring Capital, Kima Ventures, Collaborative Fund, e do empresário americano Marc Tarpenning, co-fundador da Tesla.

Com o investimento na HyLight, a Mergus consolida a vertical de mobilidade aérea da gestora, que em 2022 havia realizado o primeiro aporte nesse segmento, com a participação em uma rodada da startup brasileira Moya, que fabrica veículos voadores para transporte de carga. Até 2025, a firma de venture capital projeta investir cerca de US$ 1,5 milhão nas duas empresas.

EVTOL da Moya, projetado para aplicações logísticas. (Foto: Divulgação)

Em entrevista ao Startups, os managing partners da Mergus, Leonardo Cruz e Daniel Sarquis, afirmam que o segmento de mobilidade aérea tem potencial para crescer nos próximos anos, e que as empresas que saírem na frente no desenvolvimento dessas tecnologias terão vantagem competitiva.

"Nós acreditamos que a primeira onda não será com o transporte de pessoas, mas com aplicações que gerem mais eficiência para setores como o agronegócio, mineração, óleo e gás e até mesmo na área da defesa e segurança pública. Esses grandes setores da indústria, que hoje usam helicópteros, vão migrar rapidamente devido ao menor custo e eficiência energética dos drones de grande porte. Depois vai chegar a entrega domiciliar, o transporte de pessoas. Mas isso ainda está distante do investimento atual", avalia Leonardo.

Com desafios na parte regulatória e um mercado sem líderes definidos, o segmento se enquadra na tese que a Mergus chama de "mercados imaturos", em que a aceleração comercial ainda está começando a acontecer.

"Ter essas duas empresas no nosso portfólio é legal porque elas se complementam do ponto de vista de atuação. Elas não concorrem entre elas e nem mesmo com a Eve, que é mais focada no transporte de pessoas. Queremos liderar esse movimento ao investir em empresas que moldam o futuro da mobilidade", aponta Daniel.

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

O mais conceituado portal sobre startups do Brasil. Veja mais em www.startups.com.br.

Leia o próximo artigo

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!