Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Diagnóstico de Carreira

NOVO

Se você quer saber como está seu desempenho diante de temas como cultura organizacional, liderança, ESG o diagnóstico é para você!

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Como as big techs estão agindo em meio à guerra

Empresas como Airbnb, Apple e Twitter anunciaram medidas de doação e auxílio para a Ucrânia; e suspensão de seus serviços e vendas de produtos na Rússia. Entenda!

Como as big techs estão agindo em meio à guerra

Logo do Google em Luminoso (foto: Mitchell Luo/Unsplash)

, jornalista

8 min

3 mar 2022

Atualizado: 13 dez 2022

Por Sabrina Bezerra

Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, diversas big techs se posicionaram: algumas decidiram suspender seus serviços e vendas de produtos na Rússia. Outras, ofereceram ajuda à Ucrânia (veja os detalhes no próximo tópico).

Por quê? De um lado, para combater a desinformação sobre a invasão. Já que uma série de conteúdos falsos sobre a guerra têm sido veiculados nas plataformas digitais. Algumas empresas foram, inclusive, pressionadas pela União Europeia e os Estados Unidos para remover as fake news. Do outro, pela questão de reforçar o propósito da companhia em prol da paz.

POR QUE IMPORTA?

O movimento reforça o posicionamento das big techs – o que vai ao encontro do ESG. Além disso, vale observar que as guerras influenciam no avanço tecnológico e, como estamos em meio à luta da desinformação, a Web 3 – considerada a grande aposta para a terceira fase da internet – poderia ser consolidada em breve, mas este é papo para destrinchar em outro conteúdo.

Agora, veja abaixo a lista das big techs que estão agindo cortando relações com a Rússia e se posicionando em meio ao conflito:

AIRBNB

airbnb hotéis

A empresa de aluguel de casas vai oferecer no curto prazo, por meio do Airbnb.org – seu braço sem fins lucrativos – moradia para até 100 mil refugiados ucranianos. O serviço de hospedagem será oferecido na Alemanha, Hungria, Polônia e Romênia.

“Embora o Airbnb.org esteja se comprometendo a facilitar alojamento de curto prazo para até 100 mil refugiados, vamos trabalhar em colaboração com os governos para melhor atender às necessidades específicas de cada país, inclusive fornecendo estadias de longo prazo”, disse a empresa em comunicado.

APPLE

Apple (Foto: Pexels)

A Apple suspendeu as vendas de seus produtos na Rússia e retirou os aplicativos dos sites de notícias RT News e Sputnik da Apple Store. E, em comunicado, a empresa disse: “estamos profundamente preocupados com a invasão russa da Ucrânia e estamos com todas as pessoas que estão sofrendo como resultado da violência.”

FACEBOOK

A Meta – dona do Facebook – disse que parou de recomendar conteúdo da mídia estatal russa na rede social Facebook. O mesmo deve acontecer, em breve, no Instagram, segundo o The Verge. O acesso dos veículos estatais russos, por sua vez, foram bloqueados pela big tech. Além disso, contra a fake news, a Meta disse que removeu mais de 40 perfis que espalhavam informações falsas sobre o conflito.

GOOGLE

No dia 1 de março, a gigante da tecnologia disse que bloqueou os canais do YouTube ligados a RT e Sputnik em toda a Europa. A medida reforça o posicionamento da empresa que anteriormente já havia suspendido a monetização da imprensa estatal nas plataformas. 

A empresa também diz ter removido canais e vídeos com informações falsas. Além disso, o Google.org e os funcionários do Google doaram US$ 15 milhões para ajudar nos esforços de socorro na Ucrânia. 

Em comunicado, Kent Walker, President, Global Affairs & Chief Legal Officer at Google, disse que “a invasão russa da Ucrânia é uma tragédia e um desastre humanitário.”

NETFLIX

Sede da Netflix em Los Angeles (foto: divulgação)

A empresa de streaming interrompeu produções originais russas e as aquisições de quatro projetos russos, segundo o Deadline e Variety. Além disso, a Netflix disse que não vai incluir canais estatais em seu serviço de streaming – desafiando a regulamentação. "Dada a situação atual, não temos planos de adicionar esses canais ao nosso serviço”, disse um porta-voz da Netflix em comunicado.

SPOTIFY

O streaming de áudio fechou seu escritório na Rússia por tempo indeterminado e bloqueou conteúdos da mídia estatal russa. 

Além disso, “funcionários em todo o mundo estão comprometidos em ajudar as pessoas afetadas pela guerra na Ucrânia e estamos combinando suas doações de dois em um para apoiar os esforços humanitários locais”, diz a empresa.

TWITTER

O Twitter disse na última segunda-feira que vai sinalizar as informações que tiverem links direcionados para a mídia estatal russa e vai reduzir o alcance deste tipo de conteúdo. Isso significa que não aparecerão na pesquisa principal e nem serão recomendados aos usuários.

“Nossa principal prioridade é manter as pessoas seguras no Twitter. Estamos monitorando ativamente os riscos associados ao conflito na Ucrânia, incluindo identificar e interromper tentativas de divulgação de informações falsas”, disse a rede social.

Banner newsletter StartSe


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo