Sobre Nós
Para Você

NOVO

Para Empresas
Conteúdos
Eventos
Game Changers
Tools
NOVO

Para Você

Avance na carreira e renove seus conhecimentos na mesma velocidade que o mundo muda: na do AGORA

Ver todos

Cursos

Certificações internacionais inovadoras que trazem o que há de mais atual em gestão para um mundo em transformação

Imersões

Imersões executivas presenciais nos mais avançados polos de inovação e empreendedorismo do mundo

Tools

NOVO

As ferramentas de inteligência artificial desenhadas para o seu negócio

Conteúdos

Conteúdo diário sobre inovação, empreendedorismo e os temas mais relevantes do AGORA para que você não perca nada


Google em queda: por que lucro baixo da Alphabet acende alerta para o mercado de anúncios

Em meio aos temores de recessão da economia, big tech apresentou seu pior índice desde 2017

Google em queda: por que lucro baixo da Alphabet acende alerta para o mercado de anúncios

Logo do Google (Foto: Chesnot / Colaborador via Getty Images)

, jornalista

6 min

31 out 2022

Atualizado: 4 jan 2023

O balanço divulgado pela Alphabet, dona do Google, não condizia com as expectativas do mercado. A empresa registrou um lucro líquido de US$ 13,9 bilhões no terceiro trimestre em 2022, uma queda no resultado de 26,5% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

POR QUE O RESULTADO FICOU ABAIXO DO ESPERADO?

O resultado tem a ver, principalmente, com a queda de receita de publicidade. Por exemplo, no YouTube ― empresa que o Google é dona ―, apresentou US$ 7,07 bilhões em receita de anúncios contra US$ 7,42 bilhões esperados, de acordo com estimativas da StreetAccount.

Essa desaceleração fez, de quebra, a big tech apresentar seu pior índice desde 2017 (eliminando o período do início da pandemia).

Não à toa. Em meio aos temores de recessão da economia, consumidores e empresas reduziram os gastos. Em cenários como esse, as marcas costumam cortar o orçamento da área de marketing ― o que acende um alerta para o mercado de publicidade online.

Logo corporativo do Google do lado de fora de seus escritórios na Alemanha (Foto: Sean Gallup / Equipe via Getty Images)

O próprio CEO da Alphabet Sundar Pichai deu a deixa em uma ligação com os investidores. Ele disse, segundo o Financial Times, que: “estamos em um momento difícil no mercado de anúncios.” 

Essa desaceleração tem a ver também com o pico da pandemia: o mercado de anúncios sofreu um boom no período. Afinal, com as restrições impostas por governos, os estabelecimentos tiveram de migrar para o online para sobreviver ― e os anúncios digitais foram uma das estratégias. 

Agora, usando como exemplo o recorte de e-commerce, o setor continua crescendo, mas em ritmo menor do que durante a covid-19, isso, de certa forma, reduz os investimentos em anúncios online.

Além disso, hoje existem uma série de plataformas que oferecem conteúdo em vídeo (e são queridinhas por consumidores). O que também impacta o resultado do YouTube. Isso porque, ao invés das marcas apostarem apenas na rede social do Google, diluem a verba para estar presente em outros canais como TikTok, Instagram e Pinterest

POR OUTRO LADO…

A receita do Google Cloud foi de US$ 6,9 bilhões contra US$ 6,69 bilhões esperados, de acordo com estimativas da StreetAccount. Trata-se de um aumento notável de US$ 5 bilhões comparado com o ano anterior. 

A título de curiosidade, quando o assunto é mercado de nuvem, as plataformas de nuvem (Saas, PaasS e IaaS) são as grandes tendências para 2023, segundo a Gartner. Para conhecer mais o mercado de nuvem, assista o vídeo abaixo:

Thumbnail do vídeo

POR QUE IMPORTA?

A queda do lucro da Alphabet traz algumas análises, como: a desaceleração do mercado de anúncios online e como as marcas estão usando, cada vez mais, esse tipo de publicidade de forma estratégica. Afinal, à medida que a verba é reduzida nas áreas de marketing, é preciso pensar em formas de como diluir o investimento nas mais variadas plataformas para trazer resultado para o negócio. É o famoso fazer muito com pouco. 

Outro ponto que vale observar é como as empresas estão mais focadas em aumentar gastos com tecnologia do que na área de marketing (esse, aliás, é assunto para outro artigo).

Agora, para aprender 10 competências-chave de gestão e inovação usadas pelas empresas mais poderosas e competitivas do mundo com +30 referências mundiais direto do Vale do Silício e da Europa, clique aqui.

Banner XBA setembro 2022


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

Jornalista especializada em carreira, empreendedorismo e inovação. Formada em jornalismo pela FMU e pós-graduada em marketing pelo Senac, atua na área de negócios há quatro anos. Passou por veículos como Pequenas Empresas e Grandes Negócios e Época NEGÓCIOS.

Abra sua cabeça para as novas oportunidades!

Cadastra-se e receba diariamente o resumo do que importa com a análise do time StartSe!

Leia o próximo artigo