Sou Aluno
Formações
Imersões
Eventos
Tools
Artigos
Sobre Nós
Para Empresas

Accesstage aposta na iniciação de pagamento para crescer no B2B

Accesstage aposta na iniciação de pagamento para crescer no B2B

Accesstage aposta na iniciação de pagamento para crescer no B2B

, conteúdo exclusivo

4 min

14 jun 2024

Atualizado: 17 jun 2024

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!

Accesstage, especializada em pagamentos B2B e gestão financeira, cresceu nos últimos anos agindo como uma espécie de “Open Finance as a service”. A empresa já fazia a conexão entre as diversas contas bancárias das empresas cliente, mesmo quando ainda não havia o conceito de Open Finance. Agora, aguarda as últimas etapas de homologação para poder operar como iniciador de transação de pagamento (ITP). 

“Queremos ser o maior Open Finance de uma empresa que não é banco”, diz o CEO e um dos sócios da Accesstage, Celso Sato, em conversa com o Finsiders Brasil. Por enquanto, os principais casos de uso de ITP no Brasil são com foco em consumidores finais, e não empresas. Isso não significa, porém, que a Accesstage está sozinha — uma de suas principais concorrentes, a Finnet, também já passou pelo primeiro ‘crivo’, que é receber aprovação da licença de ITP pelo BC. 

Atualmente, a Accesstage tem mais de 120 mil empresas plugadas em seu ecossistema. Na outra ponta, estão mais de 110 bancos e financeiras, além de instituições de pagamento e FIDCs. O modelo de negócio da companhia é de receita recorrente — praticamente 90%, de acordo com Celso.

Pagamentos e crédito

Com mais de 23 anos de vida, a Accesstage permite integração bancária end-to-end, desde o ERP (sistema de gestão) das empresas até a comunicação com os bancos. Há cerca de dois anos, a companhia também entrou em crédito — antecipação de recebíveis e programa de risco sacado.

Por ano, a plataforma da Accesstage processa R$ 1,5 trilhão. Em risco sacado, antecipou R$ 4 bilhões em 2023 e a expectativa é ficar entre R$ 5 bilhões e R$ 6 bilhões neste ano, conforme o CFO, Diego Ishiy. O faturamento combinado das empresas do grupo deve atingir R$ 130 milhões.

Ao contrário de alguns de seus competidores, como a catarinense Nexxera, nas operações de crédito a Accesstage optou por não assumir o risco. Tanto é que nem montou uma estrutura própria de funding, como um FIDC. A estratégia é plugar as empresas ao marketplace de bancos, financeiras e demais instituições parceiras.

A Accesstage nasceu no início dos anos 2000, quando o fundo de venture capital da japonesa Mitsubishi decidiu criar empresas inovadoras nos diversos países onde atuava. Em 2007, o grupo decidiu vender os negócios, e a Accesstage foi comprada por dois executivos, Celso e Fernando Takano, mais um investidor-anjo. Desde 2013, são apenas eles os acionistas da empresa, cada um com um terço do negócio.

A fintech diz que dá lucro, gera caixa e nunca precisou de investimento externo, embora seja sempre assediada, reconhece Celso. Nos últimos anos, andou foi comprando empresas, entre elas, a fábrica de softwares Kaspper, e a Negocie, especializada em cobranças. O CEO não descarta novas aquisições.

 

Gostou deste conteúdo? Deixa que a gente te avisa quando surgirem assuntos relacionados!


Assuntos relacionados

Imagem de perfil do redator

O mais conceituado portal sobre startups do Brasil. Veja mais em www.startups.com.br.

Leia o próximo artigo

newsletter

Start Seu dia:
A Newsletter do AGORA!