Um ano se passou e avançamos muito! A história da Babuxca e o carnaval

Avatar

Por Felipe Wasserman

15 de março de 2017 às 13:54 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Alem da Petitebox, eu sou socio da Babuxca, hoje depois que convidamos socios para cuidar do dia a dia eu fico mais na parte do conselho. Mas foi a melhor decisão que eu tomei! Não existe empresa que funcione com as pessoas trabalhando somente no seu tempo extra, para ser sucesso tem que “respirar” a empresa!

A empresa já é completamente diferente da historia contada no ano passado, mas a essencia do empreendedorismo se mantem e os desafios continuam gigantes!

Gostaria de parabenizar os socios Marcelo Adjzen, Carol Mentlik e Daniel Chinzon.

Segue o relato do novo carnaval, para compararmos com a primeira historia!

Ano passado, como alguns de vocês devem lembrar, escrevemos um artigo que relatava brevemente nossa primeira experiência de validação da Babuxca no Carnaval de São Paulo (se você não leu, o link é esse aqui). O evento também marcou o início da nossa operação com três sócios em período integral, e a partir daí começamos a estruturar a empresa.

Um ano se passou e avançamos muito. Hoje o produto está presente, entre pequenos e médios distribuidores, em mais de 10 estados, sendo vendido entre 150 a 200 pontos de venda. Como base comparativa, nesse mesmo período em 2016 estávamos em pouco mais de 15 estabelecimentos apenas em São Paulo. Montamos um pequeno escritório, uma operação logística, participamos de diversos eventos de ativação e com toda essa bagagem (ainda que nunca suficiente), chegou a hora de encarar o mesmo campo de batalha da primeira vez: o Carnaval.

Mas neste ano já estávamos com certa experiência nas costas. Para 2017, nossa estratégia foi investir em equipamentos que facilitassem nosso processo de venda. Isso inclui logística, construção de marca, confiança do cliente, métodos de pagamento, dentre outros. Enquanto no ano anterior atacamos os blocos carregando apenas um cooler, muita coragem para vender e um produto de qualidade, esse ano viemos preparados:

– Customizamos um carrinho de sorvete com a nossa identidade visual e um guarda-sol que podia ser visto de longe (e ainda nos protegia do sol);

– Fomos trabalhar uniformizados todos os dias, o que trouxe confiança e seriedade na primeira impressão do consumidor;

– Elaboramos diversos materiais promocionais que foram distribuídos nos blocos para que os clientes lembrassem da marca. Entre eles máscaras, tags e adesivos;

– Depois de muitas dificuldades e decepções com alguns dos grandes players desse mercado, conseguimos uma máquina de cartão de crédito decente, daquelas que funcionam em grandes multidões. Assim tínhamos o prazer de não perder uma venda por falta de formas de pagamento (acho que essa é a maior dor para um empreendedor!).

Todo esse investimento foi feito praticamente de uma vez e, ainda que tenha valido a pena, demandou muita coragem. Ao longo do ano fomos sempre cautelosos com os gastos da empresa, afinal, somos uma startup que como qualquer outra precisa zelar pelo seu fluxo de caixa.

No fim, aprendemos muito. Investimentos pontuais e de longo prazo na sua marca, imagem e logística são indispensáveis para o crescimento dos negócios e acredite, mensuráveis. Vendemos 5 vezes mais do que no ano passado, sem falar que o desgaste físico foi bem menor.

O planejamento da agenda de blocos também trouxe muitos aprendizados. Em 2016 apostamos em diversas regiões como o Largo da Batata, Pinheiros e Centro. No fim, acertamos e erramos. Esse ano a ideia foi levantar de forma assertiva quais seriam os principais blocos frequentados pelo nosso público-alvo. Esse levantamento foi feito com base nas regiões onde temos mais pontos de venda, onde fizemos mais ativações ao longo do ano, localização das faculdades que fizemos parcerias, etc.

O resultado foi incrível! Muitos foliões já nos conheciam do Carnaval 2016 ou de outros (dos vários) eventos que fizemos ao longo desses 12 meses. Isso ajudou muito nas vendas, principalmente quando eles divulgavam o produto aos seus grupos de amigos fazendo com que todos experimentassem.

Encerrado o Carnaval, saímos com um grande sorriso no rosto. Percebemos que todo o trabalho e dedicação ao longo do ano tinha valido a pena, e que apesar de termos um longo caminho pela frente, a Babuxca está na direção certa!

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]