Wozniak diz que trabalhar com Jobs quando Apple estava para falir era um inferno

Nessa época, Jobs estava brigando com todos dentro da empresa por conta de tudo que estava dando errado

Avatar

Por Da Redação

14 de setembro de 2015 às 12:58 - Atualizado há 4 anos

SÃO PAULO – Steve Jobs é tido como um dos maiores gênios do século passado (e deste também!), mas seu papel é geralmente sobrevalorizado, afirma Steve Wozniak, “o outro Steve” fundador da Apple. No período mais complicado da empresa, em 1984, trabalhar com Jobs era um inferno – por conta dos problemas que ele trazia para a empresa.

Nessa época, Jobs estava brigando com todos dentro da empresa por conta de tudo que estava dando errado – o que terminou no afastamento dele da empresa por John Sculley, CEO da Apple, e o conselho administrativo da empresa. Para Jobs, aquilo teria sido sua demissão da startup que havia fundado anos antes – e que quase faliu como resultado do que aconteceu.

No Facebook, Steve Wozniak contou sua versão da história: “o computador Lisa custava muito, mas Jobs acreditava que poderíamos usar um tipo de ‘Woz Magic’ para reduzir o custo dramaticamente. Isso só ocorreu por que ele não entendia de computadores e nem do que iria tomar para fazer a boa máquina certa”, disse Wozniak.

Sem entender, Jobs continuou a ser um chefe muito ruim. “Ele culpava a equipe do Lisa, nunca ele mesmo. O que um executivo deveria ter feito é manter o Lisa um segredo até que os preços das memórias RAMs caíssem dez vezes. Mas Jobs achava que isso era culpa dos engenheiros que não encontravam atalhos. Ele entrava nas reuniões e dizia que eles eram idiotas e depois ia embora”.

Jobs, Wozniak e Sculley nessa época, conta o co-fundador, acreditavam que o Macintosh seria a salvação da empresa. Por outro lado, Jobs sempre falava que Sculley não acreditava no futuro do Mac – muito embora tenha tido toda a liberdade de trabalhar na equipe do Macintosh e ser bastante influente no seu desenvolvimento.

Jobs, porém, fez decisões equivocadas com o Macintosh. “Ele tentou provar que era o melhor e tomou decisões equivocadas e apressadas. Ele falhou com o Apple III, com o Lisa e o Macintosh. Nós sacrificamos todo o crescimento do mercado de computação pessoal, que cresceu 10x em uma década e a Microsoft se aproveitou, por conta dessa decisão”, destaca Wozniak. 

O fracasso do Mac original fez com que Sculley afastasse Jobs do seu cargo como líder da equipe do Macintosh, o que não significada uma demissão. Foi quando ele decidiu tomar um ano sabático e se afastou da empresa. “Jobs nunca foi demitido. Ele se afastou de vergonha. E quando ele retornou para a Apple, mais de uma década depois, ele era uma pessoa diferente. Ainda queria ter os melhores produtos, mas era mais paciente e equilibrado, poderia executar e gerir bem”, conta Wozniak. 

Para ele, tudo isso é parte do “mito” que se formou ao redor de Jobs, mas que não estão tão longe de retratar a personalidade de sucesso que Jobs tinha. “Ele estava tentando ter um produto de sucesso, como o Apple II (desenvolvido e produzido por Wozniak). Mas falhou com o Apple III, o Lisa, o Macintosh e com o NeXT. Ele tentava isso de uma forma em que o sucesso poderia ser só dele”, termina Wozniak.