WeWork divulga prejuízo de US$ 1,9 bilhão em pedido por IPO

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

14 de agosto de 2019 às 18:18 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A WeWork divulgou seu pedido para uma oferta inicial de ações (IPO) nesta quarta-feira (14). O documento expõe os ganhos e prejuízos da empresa à SEC, reguladora do mercado americano.

O documento expôs um prejuízo de US$ 1,9 bilhões em 2018 e receita de US$ 1,8 bilhões. Como a Uber e Lyft, a WeWork planeja abrir capital mesmo sem ter se tornado uma empresa lucrativa. A empresa, que mudou recentemente o nome para The We Company, planeja levantar US$ 1 bilhão com a oferta de ações.

A última avaliação da startup de escritórios compartilhados foi de US$ 47 bilhões. Um dos maiores acionistas da empresa é, também, um dos maiores investidores em startups do mundo: o Softbank, através do Vision Fund.

A The We Company está diminuindo seus gastos à medida que seu IPO está chegando. No primeiro semestre do ano, a companhia registrou US$ 1,5 bilhões em receita (até 30 de junho) e US$ 904,6 milhões em prejuízos.

A empresa não divulgou quantas ações irá oferecer ao mercado, mas afirmou que será listada como “We”. Atualmente, a The We Company possui 528 escritórios em 111 cidades e 29 países. Ao todo, a startup possui 527 mil membros em sua rede. Dependendo de seu plano de assinatura, eles podem usar espaços WeWork em qualquer lugar do mundo.

“Nós trabalhamos com uma estratégia de expansão deliberada em novos e mercados já existentes para atingir a escala global”, descreve a empresa no documento. “Nós acreditamos que a eficiência de operação e os benefícios de uma escala global nos permitirão capturar uma demanda multiplicadora para a nossa oferta de espaço-como-um-serviço”.

Existem especialistas que acreditam que a WeWork não é uma empresa de tecnologia, mas do setor imobiliário. Isso acontece porque a empresa atua como uma intermediária entre os escritórios e as companhias e empreendedores, seus clientes, lidando com todas as burocracias como limpeza, pagamento de água, luz, segurança, entre outros. A companhia afirma “agregar demandas”.

Confira um infográfico da própria WeWork em que descreve seu modelo de negócios: