Você sabe o que pode matar o seu negócio?

Avatar

Por Colaborador da StartSe

26 de junho de 2017 às 14:40 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Por Rafael Damasceno

Segundo informações da Fundação Dom Cabral, escola de negócios brasileira, uma em cada quatro startups fecha com menos de um ano de funcionamento.  Outras 50% param de funcionar depois de menos de quatro anos. No total, 75% fecham o negócio com menos de treze anos em atividade. Eu sei, essas informações não são nem um pouco animadoras, mas valem como alerta para que seu negócio não entre para essas estatísticas.

Bill Cross, um dos grandes nomes do empreendedorismo mundial à frente da IdeaLab, comentou durante um TED Talk que os cinco pontos principais para o sucesso de uma startup são Ideias, Time, Modelo de Negócios, Investimento e Timing. Porém, após estudar mais de cem startups, algumas com negócios bilionários e outras que simplesmente faliram, observou que dentre esses itens, o Timing respondia por 42% da diferença entre sucesso e fracasso. Ou seja, os projetos que fracassaram eram ótimas ideias e modelos robustos de negócios, mas apostaram no momento errado. Em seguida ficaram time (32%) e ideia (28%).

Veja também: caso você esteja pensando em começar sua empreitada, o StartSe montou o e-book gratuito Passo a Passo para Criar uma Startup, com tudo que você precisa saber para dar o pontapé inicial.

O que tudo isso quer dizer? Que, primeiro, falhar tem que deixar de ser visto como algo ruim. Principalmente para startups, o timing é o item mais importante, então observe o movimento do mercado em que deseja empreender e coloque seu projeto para rodar, caso contrário, há grandes chances de surgirem concorrentes que, nem sempre terão ideias tão robustas quanto a sua, mas “colocaram o carro na rua antes” (Uber e Airbnb são ótimos exemplos).

Acho que uma correlação interessante é com testes A/B que aplicamos para otimizar a conversão de sites. Teste, teste e teste! Coloque versões diferentes para rodar e veja qual tem melhor aceitação do público. Depois disso, basta focar no melhor projeto e ir aprimorando. Somente assim você ganha velocidade e consegue entregar soluções realmente eficientes para o dia a dia dos seus clientes.

Por fim, destaco que se você, empreendedor, observou um gap em algum mercado específico e conseguiu propor uma solução, não perca tempo com explanações ou os famosos “mas e se”. Bote a mão na massa, coloque o projeto na rua e teste! Hoje existem ferramentas, como mapas de calor, que ajudam a levantar dados, interesses e perfis dos clientes. Somente com tais feedbacks será possível aprimorar sua startup e fugir das estatísticas de “morte” no ecossistema.

Rafael Damasceno trabalha com marketing digital há 10 anos e atualmente é CEO da Supersonic, empresa 100% focada no aumento das taxas de conversões de sites. Trabalhando com auditorias e consultorias, possui uma média de 82% em suas taxas de aumento de conversões em sites de todo o Brasil, resultados com base em pesquisas, heatmaps e testes A/B. Em seu portfólio estão clientes como Samba Tech, Resultados Digitais, Authentic Feet, Rock Content e Guia de Motéis.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]